Boteco: Sete cervejas, Sete Países

por Marcelo Costa

Abrindo uma nova série países com a dinamarquesa To Øl em uma cerveja da série Fuck Art produzida (na fábrica belga da De Proefbrouwerij) especialmente para o Brasil com o singelo nome de “Futebol E Amor!”. Trata-se de uma American Pale Ale Gluten Free que exibe uma coloração âmbar alaranjada turva e creme bege claro de boa formação e média alta retenção. No nariz, o aroma levemente arisco sugere frutas cítricas, herbal, ervas, caramelo e… ferro. Na boca, a textura é picante e frisante. O primeiro toque oferece cítrico e herbal (mostrando a força dos lúpulos Mosaic e Amarillo) seguido de efervescência e amargor caprichado (60 IBUs) que abre as portas para um conjunto bastante refrescante e equilibradamente lupulado, maltado e arisco, que finaliza levemente amarguinho (herbal). No retrogosto, cítrico, herbal e refrescancia. Uma boa Gluten Free!

Da Dinamarca para a Alemanha com mais uma cerveja da mítica Weihenstephaner, a (hoje escola) cervejaria mais antiga do mundo. Para festejar os 500 anos da Lei da Pureza Alemã, completados em 2016, a Weihenstephaner preparou uma receita de Kellerbier com lúpulos Hallertau Perle para amargor e Hallertauer Mittelfrüh para aroma resultando na 1516, uma cerveja de coloração dourada levemente turva com creme branco de ótima formação e média alta retenção. No nariz, predomínio de malte sugerindo biscoito, pão doce, caramelo suave ao lado de notas herbais discretas. Na boca, a textura é leve. O primeiro toque traz novamente o malte em destaque sugerindo leve doçura. O amargor subsequente é baixo e abre caminho para um conjunto deliciosamente impecável, com doçura agradável seguindo até o final, levemente amargo. No retrogosto, pão doce, leve herbal e sorrisos. Gostei.

Apesar do estilo Kölsch ser de Colônia deixamos a Alemanha em direção a Argentina com a releitura da Antares, cervejaria de Mar del Plata, para o estilo alemão. Sexta Antares a passar por este espaço (antes vieram a Barley Wine, Imperial Stout, India Pale Ale, Porter e Saison), esta Kölsch (da linha Clássica da casa) apresenta uma coloração dourada bonita com creme branco de boa formação e média permanência. No nariz, um aroma campestre sugerindo cereais, pão, biscoito, milho e leve caramelo. Na boca, a textura é levemente seca e metálica. O primeiro toque oferece doçura caramelada suave seguida de cereais e amargor baixo (22 IBUs), mas eficiente no equilíbrio de um conjunto discreto e bem refrescante, que segue alternando entre cereais e caramelo até o final, seco. No retrogosto, cereais, refrescancia e doçura. Boa!

Da Argentina para a Flórida, nos Estados Unidos, mais precisamente Oakland Park, casa da Funky Buddha, cervejaria que abriu as portas em 2010, e que já colocou alguns rótulos entre os favoritos dos cervejeiros norte-americanos, com destaque para esta Hop Gun, American IPA cujas características nascem da junção dos lúpulos Galena, Cascade e Nelson Sauvin. Com uma bonita coloração âmbar translucida e creme branco de boa formação e média alta retenção, a Funky Buddha Hop Gun exibe um aroma com percepção de salada de frutas cítricas (abacaxi, manga, melão, maracujá e toranja) acompanhada de leve herbal (pinho) e resina suave sobre uma discreta doçura de caramelo. Na boca, a textura é levemente picante. O primeiro toque rápida doçura caramelada com algo cítrico que vai se encorpando até a pancada de amargor (80 IBUs que parecem 60) desnortear o bebedor e abrir as portas para um conjunto cítrico, refrescante e saboroso. No final, amargor suave e leve cítrico. No retrogosto, toranja, mel e alegria. Bela cerveja!

Da Florida para o interior paulistano, no Brasil, com minha sétima Cervogia, de São Miguel do Arcanjo, desta vez com a Cervogia MA 01, primeira versão de Marzen da casa, cuja receita utiliza os lúpulos Hallertau Magnum e Hallertau Tradition. De coloração âmbar caramelada com creme branco de ótima formação e alta retenção, a Cervogia MA 01 exibe um aroma com percepção caprichada de malte tostado sugerindo suave doçura de caramelo, tosta e também herbal leves. Na boca, a textura é levemente picante no começo, dai suaviza (ainda assim com leve metálico). O primeiro toque oferece doçura de caramelo seguido de leve toffee, herbal discreto e amargor suave, que abre as portas para uma cerveja agradável e equilibrada, que replica muito bem o estilo clássico alemão. No final, doçura suave e leve amarguinho. No retrogosto, caramelo, toffee e herbal suave. Bem agradável.

Do Brasil para a Bélgica, mais precisamente Soy-Erezée, casa no território da Valonia (quase na fronteira com a França) onde se localiza a mítica Fantôme, de Dany Prignon, mestre do estilo Saison. Com a proposta de celebrar a seleção belga na Copa do Mundo do Brasil, em 2014, Dany produziu a Fantôme De Tous Les D’iâpes nessa época, ou seja, essa garrafa da foto já carrega uma guarda de quase três anos. De coloração amarelo turva que lembra bastante suco de caju concentrado e creme branco de baixa formação e rápida dispersão (no entanto sem gushing, como vários relatam no Ratebeer), a Fantôme De Tous Les D’iâpes exibe um aroma levemente arisco sugerindo vinho branco, uva, limão e casca de laranja. Na boca, textura suave e discretamente picante. O primeiro toque é levemente cítrico, e vai encorpando e recebendo uma suave pancada de azedume nos segundos seguintes. O amargor é acético e azedinho, mas, ainda assim, suave. Dai pra frente um conjunto bastante agradável, ainda que levemente domado pelo tempo. No final, leve terroso cítrico. O retrogosto, por sua vez, traz suco de caju concentrado, azedume suave e leve cítrico. Muito boa.

Da Bélgica para a Austrália com uma das primeiras receitas produzidas pela Nomad, a Long Trip Saison, releitura interessante do estilo belga que aqui recebe adição de sementes de acácia, pimenta da tasmânia e grãos de café. O resultado é uma cerveja de coloração âmbar com turbidez leve e creme branco de ótima formação e média alta permanência. No nariz, um aroma rico e vivo sugerindo acidez, condimentação, doçura, frutado e leve café com remissão ainda a pêssego, uva verde, pera, maçã, mel e capim limão. Na boca, a textura é deliciosamente frisante. O primeiro toque oferece frutado cítrico (limão) seguido no milésimo de segundo seguinte por acidez e leve doçura além de um insuspeito traço dos 7% de álcool. O amargor é médio (bons 39 IBUs) e abre a porta para um conjunto delicadamente arisco, como uma boa Farmhouse Ale deve ser, com frutado, cítrico, acidez, café delicado e doçura leve combinando até o final, seco e suavemente adstringente. No retrogosto, doçura cítrica, acidez e leve amargor. Delicia!

Balanço
O mercado cervejeiro para celíacos não é tão vasto, mas oferece algumas boas opções, como esta To Øl Fuck Art – Futebol E Amor!, uma APA Gluten Free caprichadinha. Ótima! Da Dinamarca para a Alemanha com uma ótima novidade da Weihenstephaner, a 1516, uma Keller agradabilíssima. Da Alemanha para a Argentina (num estilo alemão) com a Antares Kölsch, leve, refrescante e agradável em verões quentes. Partindo para os EUA com uma bela cerveja da Funky Buddha, da Flórida: Hop Gun, uma IPA incrível que não demonstra nada de seus 7% de álcool. Uma delícia! Dos EUA para o Brasil com mais uma Cervogia, agora a Marzen da casa, que replica elegantemente o estilo alemão, com capricho. Do Brasil para a Bélgica com uma Fantome que representou bem aguardando uma guarda de três anos. A Fantôme De Tous Les D’iâpes perdeu viço, mas continua delicia. Já a Long Trip Saison dá uma entortada no estilo Farmhouse Ale acrescentando sugestões sem descaracterizar o estilo. O resultado é uma baita cerveja!

To Øl Fuck Art “Futebol E Amor!”
– Produto: American Pale Ale Gluten Free
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 3,39/5

Weihenstephaner 1516
– Produto: Kellerbier
– Nacionalidade: Alemanha
– Graduação alcoólica: 5.6%
– Nota: 3,43/5

Antares Kölsch
– Produto: Kölsch
– Nacionalidade: Argentina
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 3,06/5

Funky Buddha Hop Gun
– Produto: American IPA
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,56/5

Cervogia MA 01
– Produto: Marzen
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 3,06/5

Fantôme De Tous Les D’iâpes
– Produto: Farmhouse Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,58/5

Nomad Long Trip Saison
– Produto: Farmhouse Ale
– Nacionalidade: Austrália
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,59/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *