Boteco: Nove cervejas da Evil Twin

por Marcelo Costa

Abrindo uma série de cervejas ciganas da dinamarquesa Evil Twin com dois rótulos produzidos em Porto Alegre, na fábrica da Tupiniquim. O primeiro é a India Summer Pale Ale, uma Session IPA de coloração amarela palha e creme branco de boa formação e média permanência. No nariz, um aroma caprichado oferece notas cítricas e herbais agradáveis (capim limão, limão, grama, abacaxi) com leve sugestão maltada trazendo algo de cereais e suave mel e caramelo. Na boca, a textura é seca, leve e levemente picante. O primeiro toque confirma a pegada de lúpulos de receita com cítrico e herbal evidentes seguido de rápida doçura antes da dose de amargor, média e também agradável. Dai em diante surge um conjunto bastante refrescante e saboroso, com cítrico e herbal muito presentes (a sensação de capim limão aumenta) até o final, suavemente amargo. No retrogosto, capim limão, limão e refrescancia. Bem agradável.

No Brasil, a cigana Evil Twin encontrou na cervejaria Tupiniquim uma excelente parceira. Para homenageá-los, os dinamarqueses prepararam essa Smoked Lager chamada Fumaça de olho na harmonização com o churrasco gaúcho. Na taça, uma cerveja de coloração âmbar clara com creme branco levemente alaranjado de boa formação e permanência, a Evil Twin Fumaça exibe uma aroma que, claro, valoriza as notas de defumação do malte, ainda que não tão ariscos, sugerindo defumado e fumaça. Na boca, textura suave e quase cremosa. O primeiro toque reforça o que o aroma e o nome adiantam com defumado suave, mas facilmente perceptível, dominando a atenção, mas há, também leve caramelo e biscoito. O amargor é baixo e abre as portas para um conjunto interessante, em que mesmo o defumado não torna a cerveja “difícil”. O final é defumadinho. No retrogosto, defumado e caramelo suaves. Boa!

A terceira da série Evil Twin é produzida na Two Roads Brewing Company em Stratford, no estado norte-americano de Connecticut, e se chama Hop Flood. É uma Amber Ale lupulada produzida pela primeira vez em 2012 e sua coloração exibe um bonito âmbar avermelhado com creme bege claro espesso de boa formação e longa retenção. No nariz, um equilíbrio muito interessante de sugestão de caramelo e forte lupulagem distribuindo notas herbais (pinho) e leve resina. Há, ainda, percepção de café, toffee e biscoito. Na boca, textura áspera e picante. O primeiro toque traz uma pancada de amargor resinoso seguido logo depois por uma dose de caramelo e, então, mais amargor, afinal são 65 IBUs extensos, que seguem no rastro da doçura caramelada até o final, amargo e saboroso. O retrogosto, por sua vez, traz mais amargor herbal e resinoso com caramelo em segundo plano. Ótima!

De nome enigmático e produzida ainda em testes na fábrica da holandesa De Molen para, depois, ir para a linha de produção da Two Roads Brewing Company, na América, a Christmas Eve at a New York City Hotel Room é uma Imperial Stout aparentemente tradicional e bastante caprichada com sua coloração preta intensa e creme bege espesso de excelente formação e média alta retenção. No nariz, um aroma belíssimo oferece alcaçuz em primeiro plano seguido de chocolate amargo, caramelo queimado e leve presença de frutas escuras, mas equilibrado (nada tão doce como calda de ameixa nem tão amargo quanto café). Na boca, textura quase licorosa. O primeiro toque volta a oferecer alcaçuz seguido de chocolate amargo envolvido por uma camada deliciosa de álcool. O amargor traz 50 IBUs que não dão tanto as caras. Dai em diante, um conjunto que não soa difícil de beber (o que, para 10% de álcool, é um apaixonante perigo) e finaliza de forma impressionantemente suave. No retrogosto, leve álcool e alegria.

A quinta Evil Twin veio na mala de Nova York e mais uma Imperial Stout da casa: Soft DK, uma RIS aparentemente mais suave que a anterior, que também deixa o café em segundo plano. De coloração preta intensa com um creme bege espesso de excelente formação e média alta retenção, a Evil Twin Soft DK apresenta um aroma mais puxado para baunilha e caramelo, com chocolate amargo, toffee e alcaçuz suave. Apesar do malte torrado há praticamente nada de café no conjunto. Na boca, textura sedosa e picante (de álcool). O primeiro toque oferece doçura caramelada com bastante baunilha e álcool, de forma saborosa e encantadora. O café fica discreto em quarto, quinto plano. Após o amargor alcoolico, um conjunto que prima pelo capricho em que combina elegantemente baunilha, caramelo e álcool. O final aquece as bochechas. No retrogosto, doçura suave de baunilha e um sorrisão. Delicia.

Abrindo a experiência Yin & Yang com a Evil Twin Yin, uma Russian Imperial Stout de 10% de graduação alcoólica. De coloração preta intensa com creme marrom escuro de alta formação e média permanência, a Evil Twin Yin valoriza o aroma clássico do estilo, sem arredar o pé: notas derivadas da torra do malte (café e chocolate amargo) convivem lado a lado com um toque de caramelo, baunilha, ameixa e açúcar mascavo, sem percepção do lúpulo (que deverá bater ponto na versão conjunta). Na boca, a entrada é rapidamente doce, mas o conjunto logo é amargado, muito mais pelas notas derivadas da torra (café) e da alta graduação alcoólica do que da lupulagem. É um amargor rápido, que abre passagem para que o conjunto adocicado desfile em notas que remetem a ameixa, chocolate amargo e baunilha, com um leve toque cítrico (o primeiro momento em que o lúpulo realmente mostra a cara no conjunto). O final traz torrado, chocolate amargo e quentura de álcool. No retrogosto, mais chocolate amargo.

A Evil Twin Yang, por sua vez, é uma Imperial IPA de… 10% de graduação alcoólica – na boa, os dinamarqueses não estavam brincando. De coloração âmbar e creme levemente alaranjado de boa formação e média permanência, a Evil Twin Yang desfere uma porrada de lúpulos cítricos no nariz (maracujá em primeiro plano com leve toque de casca de laranja) sem, no entanto, esconder o caramelado do malte, que marca presença junto a leves notas herbais (pinho) e o esperado acabamento resinoso, que soa bem inserido no perfil aromático. Na boca, o primeiro toque é de doçura de caramelo, mas dura alguns segundos até ser encoberto pela lupulagem e pelo álcool, que garantem amargor e calor. O conjunto retém notas cítricas comportadas, mas presentes (maracujá e laranja), junto a mel, caramelo, mais presentes aqui do que no aroma, pinho e resina. O final traz amargor cítrico, caramelo e resina em doses praticamente iguais, embora a resina e o amargor cítrico permaneçam intensos até o retrogosto, quente.

Ao misturar a Evil Twin Yin com a Yang na taça respeitando o mesmo volume, a primeira percepção é visual prevalecendo a cor preta da Russian Imperial Stout. O creme fica mais claro, mas permanece marrom. A formação continua boa, mas a permanência parece aumentar. No nariz, junção perfeita (mas resumida) das melhores qualidades aromáticas das duas cervejas: percebe-se facilmente tanto as notas derivadas da torra do malte (café) da versão Yin quanto o conjunto cítrico (maracujá) derivado da alta lupulagem da Yang, sem muita profundidade (como nas versões single). A sensação é que, no nariz, consegue-se separar uma da outra com facilidade mesmo elas estando juntas. Na boca, por sua vez, acontece algo bastante interessante: uma diminuição das características extremas de cada cerveja. As notas derivadas da torra ainda remetem a café, mas não de uma forma intensa como na Yin. O mesmo pode ser dito da derivação cítrica da Yang, que chega acomodada, até macia, perto da porrada de amargor da versão solo. Aqui também perde-se profundidade, mas ganha-se equilíbrio. O final é mais cítrico e amargo do que torrado enquanto o retrogosto traz adstringência, notas cítricas e café. Uma experiência… maluca. E deliciosa.

Agora a versão Evil Twin Yin & Yang oficial. De coloração preta intensa com traços marrons nas bordas e creme bege médio escuro de alta formação e média alta permanência, a Evil Twin Yin & Yang apresenta um aroma com leve favorecimento à versão Russian Imperial Stout em notas que sugerem chocolate ao leite e café suave em primeiro plano com notas cítricas e herbais (inferiores a versão “juntada”, mas caprichada) oferecendo leve laranja em segundo plano. Na boca, textura cremosa e picante (de álcool). No primeiro toque, bela representação da junção com chocolate, café e laranja chegando juntos e encantando o bebedor, que provavelmente irá perceber na sequencia muito mais os 10% de álcool (ainda mais quando ela aquece na taça) do que os (exagerados) 100 IBUs. Dai pra frente, o conjunto ganha pontos soando como se fosse um café afogado em conhaque com laranja, uma delícia que finaliza macia e belamente doce. No retrogosto, traços cítricos, de chocolate e suave café. Uma delicia.

Balanço
A Evil Twin India Summer Pale Ale é mais uma boa Session IPA que contraria a ideia do estilo no custo benefício: ótima na taça, não tão boa no bolso. A Fumaça, por sua vez, foi uma boa surpresa isolada, sem o churrasco – com ele pode ser imbatível. Anotemos. A Evil Twin Hop Flood é outro nível, uma belíssima Amber Ale lupulada, com o amargor herbal se sobrepondo à doçura de caramelo. Uma delícia. Tanto a Christmas Eve at a New York City Hotel Room quanto a Soft DK são Russian Imperial Stouts tradicionais e excelentes, sendo que a DK apresenta mais doçura e baunilha.  Para fechar a série, a experiência Yin & Yang: primeiro a Yin, espetacular; segundo a Yang, muito boa; terceiro a mistureba caseira das duas, excelente; e fechando com a mistureba oficial, que se sagra a melhor de todo o rolê. Sensacional.

Evil Twin India Summer Pale Ale
– Estilo: Session IPA
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 3,20/5

Evil Twin Fumaça
– Estilo: Smoked Lager
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 3,20/5

Evil Twin Hop Flood
– Estilo: Amber Ale
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,75/5

Evil Twin Christmas Eve at a New York City Hotel Room
– Estilo: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 3,85/5

Evil Twin Soft DK
– Estilo: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10.4%
– Nota: 3,91/5

Evil Twin Yin
– Estilo: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 4,19/5

Evil Twin Yang
– Estilo: Imperial IPA
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 3,95/5

Evil Twin Yin + Yang
– Estilo: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 4,26/5

Evil Twin Yin & Yang
– Estilo: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Dinamarca
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 4,27/5

RANKING PESSOAL: EVIL TWIN
4.27/5 – Evil Twin Yin & Yang (Oficial Version)
4,26/5 – Evil Twin Yin & Yang (Cocktail Version)
4,19/5 – Evil Twin Yin
4,01/5 – Evil Twin Molotov Cocktail
3,95/5 – Evil Twin Yang
3,93/5 – Evil Twin Ashtray Heart
3,93/5 – Evil Freudian Slip
3,93/5 – Tupiniquin Eviltwin Lost in Translation IPA Brett
3.91/5 – Evil Twin Soft DK
3,90/5 – Evil Twin I Love You With My Stout
3,85/5 – Evil Twin Christmas Eve at a New York City Hotel Room
3,82/5 – Evil Twin Lil’B
3,77/5 – Evil Twin Brazil Metro Man
3.75/5 – Evil Twin Hop Flood
3,75/5 – Tupiniquim Eviltwin Extra Fancy IPA
3,71/5 – Evil Twin The Cowboy
3,68/5 – Evil Twin Ryan And The Beaster Bunny
3,65/5 – Evil Twin Low Life
3,47/5 – Evil Twin Hipster Ale
3,45/5 – Evil Twin Falco
3,38/5 – Evil Twin Brazil Easy Come Easy Go IPA
3,28/5 – Evil Twin Brazil Ich Bin Ein Berliner Maracujá
3,25/5 – Evil Twin Brazil Big Bang Lager
3,20/5 – Evil Twin Fumaça
3,20/5 – Evil Twin India Summer Pale Ale
3,20/5 – Evil Twin Bikini Beer
3,01/5 – Evil Twin Brazil Ich Bin Ein Berliner

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *