Boteco: Quatro cervejas da Freigeist

por Marcelo Costa

Minha sexta cerveja da Freigeist Bierkultur, de Stolberg, cidade do distrito alemão de Aachen na fronteira com a Bélgica, é uma versão da Geisterzug Gose que abriu o passeio anterior. Esta Quince Gose recebe sal, coentro e galhos de pinho como a versão tradicional, mas fermenta em tanque aberto com uma grande quantidade de marmelo. O resultado é uma cerveja de coloração amarela com leve turbidez e creme branco de boa formação e boa retenção. No nariz, sal e acidez se destacam com facilidade em um conjunto que sugere frutado suave (damasco e pêssego) mais trigo. Na boca, a textura é suavemente áspera. O primeiro toque traz todo o herbal (interessantíssimo) que o marmelo e o pinho não exibem no aroma seguido de acidez moderada e leve salgado. O amargor é baixo (e salgado) e, dai pra frente, uma cerveja mais macia e intrigante que a cerveja base (também muito boa). O final é amadeirado. No retrogosto, salgado, damasco suave e leve adstringência. Gostosa!

Segundo experimento da linha original da Geisterzug Gose, a versão Rhubard recebe adição de talos de Ruibarbo, planta comestível de origem asiática bastante utilizada como medicamento fitoterápico, que se une ao sal, coentro e galhos de pinho da versão tradicional. O resultado é uma cerveja de coloração mais alaranjada do que amarela (puxada para o âmbar) com creme branco de baixa formação e média retenção. No nariz, menos sal e acidez do que na anterior e mais curral e terroso sobre uma base de trigo sugerindo caramelo e leve azedume. Na boca, a textura é mais arisca do que na anterior puxando para o frisante. O primeiro toque oferece herbal caprichado sugerindo Ruibardo seguido de uma pancada de sal, acidez leve e terroso. O amargor é (novamente) salgado e abre caminho para um conjunto arisco, terroso e levemente superior ao conjunto anterior e a original Geisterzug Gose. O final é levemente adstringente e terroso. No retrogosto, mais salivação, salgado e rusticidade. Boa!

A terceira da série é da linha Abraxas da Freigeist, que busca revive um estilo antigo alemão praticamente esquecido, o Lichtenhainer, que, grosseiramente falando, é uma Rauch Berliner Weisse, ou seja, uma cerveja de trigo ácida, azeda e defumada. No caso desta versão especial há adição de pedaços de pera durante a fermentação. O resultado é uma cerveja de coloração âmbar acastanhada levemente turva com creme bege clarinho de baixa formação e dispersão rápida. No nariz, defumado em destaque com leve remissão a queijo mofado e couro. Há ainda leve salgado e azedume comportado. Na boca, textura áspera e frisante. O primeiro toque traz acidez moderada, salgado, leve percepção de pera e, então, uma onda defumada que toma toda a atenção do bebedor, e, dai por diante, será assim com leve percepção da fruta e doçura discretas na base. O final é terroso e defumado. No retrogosto, acidez suave, salgado e defumado. Gostei!

Fechando o quarteto com outra Abraxas, esta com adição de maçã. Na taça, essa Freigeist mantém as características iniciais da anterior com coloração âmbar acastanhada levemente turva com creme bege clarinho de baixa formação e dispersão rápida. No nariz, porém, a maçã soa um tiquinho mais perceptível do que a pera em um conjunto que, claro, valoriza o malte defumado e ainda sugere queijo mofado, couro, cachimbo e pasto além de exibir traços de azedume e acidez. Na boca, textura áspera com acidez e frisante marcantes. O primeiro toque, porém, oferece rápida doçura atropelada no segundo seguinte por defumado, azedume e leve acidez, que podem confundir o bebedor em relação ao amargor, discreto perto de tanta aridez e radicalização. O conjunto dai em diante segue provocando o paladar com defumado, acidez e azedume permitindo a presença, ainda que discreta, da maçã. O final é terroso e defumado. No retrogosto, mais defumado (comportado), leve azedinho e maçã. A melhor das quatro.

Balanço
Abrindo um novo passeio pelas ótimas cervejas tortas da Freigeist Bierkultur com a Geisterzug Quince Gose, que melhora levemente a ótima versão tradicional. A Geisterzug Rhubard Gose dá um pequeno salto em relação à anterior e a original com um conjunto mais complexo e arisco, uma delícia. A Freigeist Abraxas Pear Lichtenhainer recupera um estilo medieval, ácido e salgado, que tem como diferencial a utilização de malte de trigo defumado. Ou seja, estamos diante de uma Rauch Berliner que, neste caso, recebe adição de pedaços de pera. Gostei do resultado final. Para fechar com chave de ouro, outra Freigeist Abraxas Lichtenhainer, esta com adição de maçã, que me soou combinar melhor com o conjunto arisco e apaixonante. Quero mais!

Freigeist Quince Gose
– Produto: Gose
– Nacionalidade: Alemanha
– Graduação alcoólica: 5.2%
– Nota: 3,49/5

Freigeist Rhubard Gose
– Produto: Sweet Stout
– Nacionalidade: Alemanha
– Graduação alcoólica: 5.2%
– Nota: 3,55/5

Freigeist Abraxas Pear Lichtenhainer
– Produto: Lichtenhainer
– Nacionalidade: Alemanha
– Graduação alcoólica:6%
– Nota: 3,55/5

Freigeist Abraxas Apple Lichtenhainer
– Produto: Lichtenhainer
– Nacionalidade: Alemanha
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,59/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *