Boteco: Seis novas cervejas da Wäls

por Marcelo Costa

Abrindo uma nova série de cervejas dos mineiros da Wäls com o trio que homenageia os 10 anos do sensacional Inhotim, o maior centro de arte contemporânea a céu aberto da América Latina. A primeira da fila é a Wäls Inhotim Reticulata, uma Witbier que recebe adição de suco de mexerica, suco de laranja, extrato de coentro e flocos de aveia. De coloração amarelo palha com creme branco de média formação e rápida dispersão, a Wäls Inhotim Reticulata apresenta um aroma que remete, suavemente, ao território rústico das Saisons, com condimentação (coentro) e frutas cítricas (tangerina, limão e laranja) em destaque. Na boca, textura frisante e um pouco picante. O primeiro toque traz rápida doçura seguida de frutado cítrico delicioso e praticamente nenhum amargor. Dai pra frente, uma cerveja bem gostosa, com cítrico e um leve condimentado marcando o percurso. O final é seco, temperado (coentro) e amadeirado. No retrogosto, coentro, tangerina e algo que me lembrou anis. Bem interessante.

Segunda da linha comemorativa Inhotim, a Wäls Walkeriana “tenta” ser uma Farhmouse Ale com adição de extrato de baunilha homenageando às 17 mil orquídeas Walkerianas que habitam o Jardim Botânico do parque museu, consideradas as mais perfeitas da espécie. De coloração âmbar caramelada translucida exibe um creme bege de formação tímida e rápida dispersão. No nariz, a sensação é de que engarrafaram o líquido errado: melado com mais remissão a caramelo do que a baunilha, traço de levedura de Golden Ale (e não de Saison) e leve frutado. Na boca, sugestão cremosa com leve picância continuam sugerindo que a coisa está toda invertida. O primeiro toque oferece doçura caramelada (com leve remissão a baunilha) seguida de amargor baixo. Dai pra frente, uma Golden Ale ok, doce como o estilo pede – e totalmente distante do estilo Farmhouse Ale. O final é seco e doce. No retrogosto, caramelo e baunilha. Decepção.

Fechando o trio em homenagem ao maravilhoso Inhotim com a Wäls Impetus, uma Red IPA com malte defumado. De coloração âmbar acastanhada bastante turva com creme bege claro de boa formação e permanência, a Wäls Inhotim Impetus exibe um aroma com forte sugestão de caramelo, defumado médio, frutado cítrico, herbal e suave percepção de resina. Na boca, a textura é levemente frisante. O primeiro toque traz caramelo enamorado de frutado cítrico com suave percepção de resina distante. O amargor é médio, mas mais baixo do que espera para o estilo, abrindo as portas para um conjunto caramelado e saboroso, com defumado distante, cítrico e herbal suaves além de resina delicada. O final é delicadamente cítrico e herbal enquanto o retrogosto, interessante, oferece caramelo, resina leve, cítrico e herbal. O defumado está presente de forma bem discreta, mas o resultado é ok.

Vai longe o sábado de 2012 que apareci do nada na Wäls e eles estavam brassando o primeiro lote da Petroleum acompanhados dos pais da receita, a Dum, que viria a ser uma das melhores cervejas do país. Essa garrafa que abro agora (antecipando a versão Barred Aged) já é o lote 37 e ainda é da leva polêmica de rolhas sintéticas, abandonada pela casa em 2014 (felizmente). De coloração preta intensa com creme bege ralo, de baixa formação e rápida dispersão, a Wäls Petroleum exibe um aroma com forte chocolate amargo, madeira acentuada, ameixa e café distantes. O álcool é bem discreto, mas perceptível. Na boca, a textura é sedosa, quase licorosa, e picante. O primeiro toque traz chocolate amargo seguido de café (mais presente) e madeira. O amargor é alcoólico (12%) e com apoio do malte torrado. Dai pra frente, um conjunto magnifico, que esconde de maneira impecável o álcool, finalizando com amadeirado e docemente amargo. No retrogosto, mais chocolate amargo, mais madeira e calor. Perfeita para o inverno.

A Wäls Hot Petroleum é uma versão apimentada da Petroleum original, que passa por um tempo menor de fermentação e recebe um blend de seis pimentas: Habanero, Bhut Jolokia, Malagueta, Pimenta de Bode, Chilli Morita e Javanesa. De coloração preta intensa com apenas um fiozinho bege de creme, a Wäls Hot Petroleum apresenta um aroma que, na temperatura correta (entre 8 e 12 graus), traz o blend de pimentas brigando por atenção com o chocolate amargo, o café, o amadeirado e as ameixas da receita original. Na boca, textura sedosa e picante, tanto de álcool quanto de pimenta. O primeiro toque traz café e chocolate amargo, segue com ameixa e álcool (11% maravilhosamente bem inseridos) até a pancada de amargor. Dai pra frente, um conjunto para ser saboreado com calma: a aveia marca presença de forma suave, chocolate amargo e café estão bem apresentados e o blend de pimentas mostra sua força no final, quente e picante, e no retrogosto, onde se sobressaem. Excelente.

Fechando essa série com a Wäls Petroleum Barred Aged, versão (limitada: lote 1 garrafa 1823) que passa seis meses envelhecendo em barris de carvalho francês (bastante provável que de segundo uso de vinho). De coloração preta intensa com creme bege de baixa formação e rápida dispersão (como a original), a Wäls Petroleum Barred Aged destaca em primeiro plano um aroma frutado que remete a… jabuticaba. Muita jabuticada (sorrisos). Há percepção de madeira, chocolate amargo (inferior a original) e algo distante que remete a Vinho do Porto. Impressionante: o álcool surge sugerindo rum, mas, ainda assim, 12% bastante discretos. Na boca, textura seca e muito levemente picante. O primeiro toque reforça a sugestão frutada (jabuticaba novamente) enquanto a sugestão de rum aparece mais intensa do que a de Vinho do Porto, que fica em segundo plano. Dai pra frente, uma grande cerveja, que perde um pouco em relação a original, mas, ainda assim, é excepcional. O final é deliciosamente alcoólico (rum, Vinho do Porto) enquanto o retrogosto enfileira rum, vinho do Porto, jabuticaba, madeira… Baita!

Balanço
É sempre um prazer (e uma curiosidade) abrir uma nova sequencia da Wäls. Essa primeira, Wäls Inhotim Reticulata, é uma Witbier que se aproxima de uma Saison sem levedura própria, ou seja, que mantém uma certa rusticidade, mas não carrega na acidez e adstringência que marca o estilo Farmhouse Ale. Gostei e me soa uma releitura interessante do estilo Witbier. Já a Wäls Inhotim Walkeriana é uma enorme decepção porque, mais uma vez, a casa erra feio no estilo Saison. Pior: nesse caso eles produzem uma Golden Ale, melada, como se fosse uma Saison. Nada de aridez, nada de campo, nada de fazenda, nada de levedura rebelde. Decepção. Já a Wäls Inhotim Impetus me agradou, ainda que o defumado, adiantado pelo rótulo, seja bem sutil e é colocado no bolso pela maravilhosa Urbana Bad Ass. Aqui é tudo equilibrado e satisfatório. É saboroso, mas poderia ir além. Abrindo o trio barra pesada desta seção com a Wäls Petroleum, bela recriação da receita original redondinha da Dum Cervejaria, que aparece aqui em sua versão com a aposentada rolha sintética, o que faz cogitar pequenos defeitos, que não chegam a atrapalhar o todo, mas não trazem o líquido em sua magnitude (o fato de fechar a sequencia com a Barred Aged será definidor). Ainda assim, uma cerveja maravilhosa. A Wäls Hot Petroleum é uma interessante versão da receita original que aqui recebe adição de um blend de seis pimentas que dão um alôzinho no aroma, mas mostram mesmo sua força no final e, principalmente, no retrogosto – como toda boa pimenta, que dá o bote, mas não vai embora: fica ali aquecendo, aquecendo, aquecendo. Muito boa! Fechando a série, a Wäls Petroleum Barred Aged mostra como uma receita pode mudar radicalmente após uma temporada repousando em madeira: há pouca similaridade entre as duas, e as nuances que cada uma apresenta são bastante diferentes. Nesse ponto, a Petroleum original parece muito mais bem acabada (e com custo benefício muito mais interessante), mas essa Petroleum Barred Aged merece a prova porque mostra o quanto uma receita pode se expandir. E a guarda pode melhora-la ainda mais. Uma boa aposta da Wäls.

Wäls Inhotim Reticulata
– Estilo: Witbier
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 4,6%
– Nota: 3,25/5

Wäls Inhotim Walkeriana
– Estilo: Farmhouse Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5,7%
– Nota: 2,93/5

Wäls Inhotim Impetus
– Estilo: American IPA
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5,7%
– Nota: 3,01/5

Wäls Petroleum
– Estilo: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 12%
– Nota: 4,39/5

Wäls Hot Petroleum
– Estilo: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 11%
– Nota: 4,23/5

Wäls Petroleum Barred Aged
– Estilo: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 12%
– Nota: 4,38/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *