Boteco: Três novas cervejas da Bohemia

por Marcelo Costa

Começando a terceira sequencia de cervejas da Bohemia (a primeira foi a da linha tradicional e a segunda da linha lançada no Mondial de La Biere 2014 – Caã-Yari, Jabutipa e Bela Rosa) com a melhor (até agora) da casa, Oito e Um, uma American Stout cuja receita (que traz hortelã, cacau e casca de laranja) foi desenvolvida pelo mestre cervejeiro da casa, Humberto Croce, e produzida por Christian Brandt, da Wäls, na fábrica belo-horizontina. De coloração marrom escura com creme bege de boa formação e média retenção, a Bohemia Oito e Um apresenta um aroma de malte torrado puxando muito mais para o café do que para o cacau, que quase não aparece no conjunto. Há, ainda, algo que se aproxima de laranja, lutando por espaço com o malte torrado. Na boca, a textura é suave. O primeiro toque reforça a sugestão de café com mais presença de laranja do que no aroma. O amargor é médio (com apoio do malte torrado), mas eficiente, abrindo as portas para uma Sweet Stout rebelde, estranha, mas interessante. O final é amarguinho (café). No retrogosto, café e algo que acho que é laranja (?).

Lançada no segundo semestre de 2013 para, segundo a casa, comemorar a reabertura das portas da Cervejaria Bohemia, em Petrópolis, a Bohemia Imperial (que eles dizem ser fruto de uma receita servida exclusivamente em ocasiões nobres na época do Império brasileiro) é uma Premium American Lager com um tiquinho de nada a mais de álcool do que a American Lager tradicional (5.2% aqui contra 5% lá), os mesmos ingredientes (incluindo cereais não malteados, antioxidante e estabilizante), mas muito melhor que sua irmã de balcão. De coloração âmbar caramelada com creme branco de boa formação e média persistência, a Bohemia Imperial tem um aroma adocicado sugerindo cereais e caramelo. Há ainda leve presença herbal. Na boca, a textura é cremosa com leve picância. O primeiro toque traz um doce suave, que se intensifica conforme a cerveja desce, algo que nem o amargor, baixo, consegue diminuir. Dai pra frente, uma cerveja bastante caramelada, mas, ainda assim, muito melhor que sua irmã mais simples. O final é levemente adocicado (caramelo). No retrogosto, mais caramelo.

Fechando esse trio da Bohemia com uma colaborativa limitada da casa com a Therezópolis, produzida pela segunda: Travessia, Belgian Tripel que recebe adição, segundo o site oficial, “de cascas e folhas secas da fruta Ponkan, cujos grãos defumados substituem especiarias, como o coentro, geralmente utilizadas na fabricação das cervejas do estilo”. De coloração amarela com suave turbidez e creme branco de boa formação e média permanência, a Tripel Travessia exibe um aroma bastante característico de Belgian Tripel, com doçura em primeiro plano, frutado cítrico marcante e sugestão de especiarias, derivadas tanto da levedura quanto da casca defumada de Ponkan. Na boca, a textura é sedosa e picante. No primeiro toque, doçura intensa acompanhada de frutado cítrico (sugerindo Ponkan) esbarram em um amargor baixo e extremamente distante dos 48 alardeados pela casa (se chegar a 30 é muito). Dai pra frente um conjunto bastante saboroso e, ainda que bastante doce, não soa enjoativa (seu drinkabilty impressiona), finalizando cítrica e levemente doce. No retrogosto, frutas em compota, casca de laranja e leve condimentado. Gostei bastante.

Balanço
Fico imaginando o processo pra fazer essas combinações doidas da Bohemia (jabuticaba, erva mate, pimenta rosa) sem encontrar muita lógica… cervejeira, mas, ainda assim, essa Bohemia Oito e Um soou uma cerveja mais bem resolvida ainda que sem deixar de soar estranha ao paladar. Se essa melhora aconteceu devido a sua produção ser feita na fábrica da Wäls só vamos saber se a Bohemia, um dia, assumir o processo completo. Mas o que interessa é que essa Oito e Um é bem provocante, com o malte torrado oferecendo café (esqueça o cacau) e a laranja surgindo forte no retrogosto. Não sei se a bebo outra vez, mas achei interessante. Também achei interessante a Bohemia Imperial, versão mais robusta da Bohemia tradicional, que me remete levemente a antiga Serra Malte de 600 ml, mais intensa que as tradicionais de balcão. Só a achei excessivamente doce, e não sei se conseguiria beber três ou quatro na sequencia. A garrafa flip top também é bonita, mas o que complica é o custo beneficio: por R$ 13,50 (preço atual) é possível comprar cervejas muito melhores (inclusive da própria Ambev). A união da Bohemia e Therezopolis resultou apenas na melhor criação das duas cervejarias, uma Belgian Tripel de incrível drinkabilty para uma cerveja de 9% e uma leve característica nacional, com o cítrico da casca de Ponkan trazendo o estilo Belgian Tripel para o Rio de Janeiro. Sem contar no bom custo beneficio: R$ 29,90 por 750 ml de uma ótima cerveja. Vale.

Bohemia Oito e Um
– Estilo: American Stout
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 4%
– Nota: 2,94/5

Bohemia Imperial
– Estilo: Premium American Lager
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5,3%
– Nota: 2,80/5

Bohemia Therezópolis Travessia
– Estilo: Belgian Tripel
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 9%
– Nota: 3,51/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)
– Conheça outras cervejas da linha Bohemia (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.