Boteco: seis cervejas da De Struise

por Marcelo Costa

Fundada em 2001 em Oostvleteren, uma vila de pouco mais de mil habitantes na comunidade flamenga dos Flanders Ocidentais (pertinho de Bruges), a De Struise é fruto de dois fazendeiros criadores de avestruzes, que começaram a fabricar cerveja para servir a convidados. De lá pra cá, a fama só aumentou, principalmente com os rótulos de guarda. Essa Westoek XX é descrita por muita gente como Belgian Strong Ale, mas prefiro Flanders Strong Ale, pois já antecipa ao bebedor que a levedura Brett trabalha na garrafa. De coloração amarelo turva com creme branco de alta formação (beirando gushing) e longa retenção, a Struise Westoek XX exibe um aroma com notas cítricas envolventes (limão) acompanhadas de madeira, couro, curral, trigo, acidez, notas terrosas e azedume. Na boca, a textura é intensamente picante. O primeiro traz caramelo atropelado no segundo seguinte por acidez e azedume, que trazem consigo sugestão de casca de uva, madeira e sidra. A pancada de acidez encobre o amargor e o conjunto segue valorizando essa pegada arisca. O final traz laranja passada e leve avinagrado. No retrogosto, calor alcoólico, adstringência suave, doçura, cítrico, azedo e avinagrado. Uma experiência.

A Struise St. Amatus 12 homenageia o monge beneditino padroeiro de Oostvleteren. É uma Quadrupel maturada em barris antes usados para maturar o bourbon Woodford Reserve, da Labrot & Graham, do Kentucky, nos Estados Unidos. De coloração marrom escura com creme bege claro de média formação e média alta permanência, a Struise St. Amatus 12 (safra 2013) apresenta bastante doçura em primeiro plano no aroma (caramelo, baunilha, açúcar mascavo) ao lado da tradicional presença de frutas escuras (ameixa em destaque, e também uva passa, figo e cereja). Ainda é possível perceber sugestão de vinho do Porto e pouca presença de álcool (ainda que ela carregue 10.5%). Na boca, a textura é sedosa e levemente picante com primeiro toque mostrando a força da sugestão de frutas escuras, logo atropeladas pelo álcool, potente e bastante presente, ainda que nada agressivo. Dai pra frente, uma grande cerveja com forte presença de frutas escuras, aproximação com vinho do Porto e doçura comportada. O final traz álcool, toffee e ameixa. No retrogosto, mais álcool, toffee e ameixa. Delicia.

A Struise XXX Rye Triple Reserva Bourbon Barrel Aged 2013 é uma… Belgian Quadrupel, isso mesmo. O designer do rótulo se confundiu com os três X e tascou Triple, confusão desfeita a partir da safra 2014, em que ela surge com uma Quad no lugar. Essa, no entanto, ainda é safra 2013 (com validade 2018) e apresenta uma coloração âmbar acastanhada com um creme bege claro de boa formação e média retenção. No nariz, muita doçura: caramelo, açúcar mascavo e toffee se sobressaem em uma paleta que ainda traz sugestão frutada (nozes) e álcool bastante perceptível, com leve pendor para Bourbon. Na boca, textura licorosa e picante (de álcool). O primeiro toque traz doçura caramelada seguida de uma porrada de álcool e Bourbon, que vai sendo amaciada conforme ela aquece na taça. O conjunto, dai em diante, ficará centrado no álcool com traços de Bourbon combinado com caramelo, ameixa e toffee. O final é quente e picante de álcool enquanto o retrogosto traz caramelo, madeira e Bourbon. Interessante.

A grande estrela da casa: “Amamos todas as cervejas que fazemos, no entanto, se tivéssemos que apontar nosso ‘carro-chefe’ ele seria a Pannepot”, avisa o site oficial. Há versões safradas anualmente e outras, Vintage e Gran Reserva, que são disputadas como tesouro. Minha primeira é uma da safra 2014. O rótulo avisa: “Ale produzida com especiarias”. De coloração marrom escuro com creme bege de boa formação e longa permanência, a Struise Pannepot 2014 apresenta um aroma com doçura frutada (caramelo e ameixa), leve sugestão de café, baunilha e Vinho do Porto. No paladar, a textura começa suave e vai ficando sedosa, quase licorosa. O primeiro toque repete a sugestão de doçura frutada com uma presença maior de percepção de Vinho do Porto. O amargor é baixo e os 10% de álcool são maravilhosamente imperceptíveis no conjunto, que permanece suave e, ao mesmo tempo, intenso. O final traz café distante, toffee e caramelo. No retrogosto, Vinho do Porto, ameixa e toffee. Excelente.

Na primeira brasagem da linha Reserva em 2005, a Struise produziu 9 mil litros de Pannepot, que foram maturados por 14 meses em barris de carvalho francês. Desses 9 mil, 6 mil foram engarrafados dando origem a linha Reserva e os outros 3 mil passaram por nova maturação de 10 meses em barris de Calvados ou Bourbon resultando na linha Gran Reserva. Minha próxima é a Pannepot Reserva safra 2010, uma cerveja de coloração marrom escuro com creme bege de média formação e baixa retenção, a Pannepot Reserva 2010 apresenta um aroma ainda mais intenso com doçura frutada (caramelo, ameixa e figo), sugestão de frutas vermelhas e de toffee mais amadeirado suave e sútil presença dos 10% de álcool. Na boca, a textura começa suave e vai ficando sedosa, quase licorosa. O primeiro toque traz frutado intenso e caprichado com presença ainda (impressionantemente) sútil de álcool. Dai pra frente, um conjunto ainda mais arrebatador que a versão jovem da Pannepot pelo acréscimo suave de madeira e por também deixa-la menos arisca. O final é levemente frutado e caramelado. No retrogosto, um pouco de calor, frutas escuras e vermelhas, doçura de caramelo e baunilha.

Fechando essa maravilhosa sequencia de Struise (e de Pannepot) com a Grand Reserva 2010, que segue a sequencia listada acima: 14 meses em barris de carvalho francês e depois 10 meses em barris de Calvados (aparentemente neste caso) ou Bourbon, uma bebida originária da Baixa Normandia francesa feita à base de maçã, da qual é extraída a sidra que depois é fermentada e destilada. Na taça, um líquido de coloração marrom escura com creme bege de média formação e baixa retenção apresenta um aroma mais comportado que a versão Reserva oferecendo notas suaves frutadas (ameixa em calda e uva passa) e adocicadas (caramelo, açúcar mascavo, baunilha e chocolate) com remissão (alcoólica) a sidra e rum. Na boca, a textura começa suave e se torna licorosa. O primeiro toque é impressionantemente suave e aconchegante sugerindo frutas escuras, chocolate e leve presença de álcool (que quase não se percebe). Praticamente não há amargor, mas sim uma rápida sugestão alcoólica em meio ao caprichado e equilibrado conjunto, que segue aconchegante até o final, frutado e suavemente alcoólico. No retrogosto, mais ameixa em calda e chocolate belamente equilibrados. Aplausos.

Balanço
Abrindo um quinteto de De Struises com a Westoek X, uma Flanders Strong Ale que, por muito pouco, não sairia uma Saison, mas há um leve licoroso que a diferencia. Há percepção de sidra, limão, casca de uva e laranja passada numa cerveja complexa, difícil e bem interessante. A Struise St. Amatus 12, safra 2013, é impressionantemente suave perante a potencia alcoólica que oferece (10.5%). Bastante frutas escuras, doçura e vinho do Porto marcam presença em uma cerveja excelente. A Struise XXX Rye Triple Reserva Bourbon Barrel Aged 2013 é uma porrada alcoólica que muda radicalmente conforme a temperatura da taça sobe. Ou seja: mais gelada ela será uma porrada de álcool; conforme aquece, a doçura, o toffee e o frutado se tornam mais envolventes, e equilibram a peleja. Boa cerveja… quente. A Pannepot 2014, pelo contrário, é absolutamente incrível desde o primeiro gole. Uma cerveja complexa a deliciosa. A Pannepot Reserva 2010 é ainda melhor, mais ajeitada, saborosa, incrível. Um espetáculo. Fechando o sexteto com a Pannepot Grand Reserva 2010, que é um tiquinho mais tímida que a Reserva, mas tão saborosa quanto. Aplausos.

De Struise Westoek X
– Produto: Belgian Strong Ale
– Nacionalidade: Belgica
– Graduação alcoólica: 8%
– Nota: 4,01/5

De Struise St. Amatus 12 2013
– Produto: Belgian Quadrupel
– Nacionalidade: Belgica
– Graduação alcoólica: 10,5%
– Nota: 4,04/5

De Struise XXX Rye Triple Reserva Bourbon Barrel Aged 2013
– Produto: Belgian Quadrupel
– Nacionalidade: Belgica
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 3,78/5

De Struise Pannepot 2014
– Produto: Belgian Strong Ale
– Nacionalidade: Belgica
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 4,30/5

De Struise Pannepot 2010 Reserva
– Produto: Belgian Strong Ale
– Nacionalidade: Belgica
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 4,89/5

De Struise Pannepot 2010 Grand Reserva
– Produto: Belgian Strong Ale
– Nacionalidade: Belgica
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 4,71/5

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *