Boteco: Cinco cervejas da Coronado

por Marcelo Costa

A cidade de Coronado é praticamente uma ilha – com cerca de 20 mil habitantes – ligada a San Diego pela Blue Bridge, e que abriga o mítico Hotel del Coronado, local em que Sugar Kane (Marylin Monroe) e suas “amigas” Josephine (Tony Curtis) e Daphne (Jack Lemmon) vivem divertidas aventuras em um dos melhores filmes da história do cinema (definitivamente, um dos melhores finais), “Quanto Mais Quente Melhor” (1959), de Billy Wilder. A ilha também tem sua cervejaria, a Coronado Brewing Company, nascida em 1996 e hoje com 15 cervejas distribuídas em duas linhas principais (a Core, com oito cervejas produzidas o ano todo; e a Crown, com sete sazonais) e outras eventuais. Abaixo escrevo sobre cinco cervejas da Coronado Brewing que podem ser encontradas no Brasil.

A primeira californiana é a Orange Avenue Wit, uma Witbier que pende mais para Blue Moon do que para Hoegaarden. Na receita, maltes 2-Row, Cara e Trigo se juntam ao lúpulo Northern Brewer mais raspas de laranja, mel e coentro. De coloração dourada com turbidez aparente e creme branco de boa formação e média alta retenção, a Coronado Orange Avenue Wit exibe um aroma que se equilibra entre suaves notas frutadas cítricas (laranja) e as notas derivadas do trigo. Há ainda leve percepção de cravo, de mel e de floral. Na boca, textura cremosa com suave picância. O primeiro toque traz trigo logo encoberto por frutado cítrico e, na sequencia, leve e eficiente amargor (15 de IBU). O que sobra é uma cerveja refrescante que, seguindo a risca o que o aroma adianta, equilibra bem notas cítricas, a doçura (mel discreto) e o trigo. O final é frutado e médio doce. No retrogosto, laranja, cítrico e leve amargor.

A Coronado Mermaid’s Red é uma American Amber Ale cuja receita traz um blend de maltes 2-Row, Cara, C-45, C-77, Chocolate e Carafa III com três lúpulos: Northern Brewer, Centennial e Cascade. De coloração âmbar levemente turva com creme bege claro de ótima formação e longa retenção, a Coronado Mermaid’s Red apresenta um aroma com maltado (caramelo), notas cítricas agradáveis (mais intensas do que numa Amber tradicional) e suave herbal. Na boca, a textura é suave com primeiro toque trazendo rápido caramelado seguido de frutado cítrico caprichado (e surpreendente). O amargor subsequente é médio (a cervejaria diz que são 46 de IBU, mas parece um pouco menos) e abre as portas para um conjunto eficiente, com doçura maltada envolvente acariciada por agradável toque cítrico e herbal. O final é maltado e levemente amargo. No retrogosto, suave, leve caramelo, cítrico e toffee.

Da sazonal Crown Series, a Coronado Frog’s Breath é uma American IPA que recebe adição de cascas de laranja e limão no final da fervura visando aumentar sua carga aromática na busca por refrescância. Na receita, choque dos maltes 2 Row, C15 e Carahell com os lúpulos Summit, Centennial, Columbus, Wakatu e Sorachi Ace. De coloração alaranjada com creme branco de ótima formação e longa permanência, a Coronado Frog’s Breath exibe um aroma encantador, como se o bebedor estivesse entre limoeiros e laranjeiras. Na base, caramelo e leve percepção de resina e condimentação. Na boca, textura suave com primeiro toque reforçando o caráter cítrico das raspas de laranja e limão adicionadas. O amargor é mais suave do que o esperado. Dai pra frente, um conjunto bastante refrescante com perfil frutado cítrico e leve percepção de resina. O final traz limão suave. No retrogosto, mais frutado cítrico e refrescancia. Delicia.

Voltando a linha tradicional, a Islander IPA é um dos orgulhos da casa (e, dizem, da cidade de Coronado também). Na receita, três maltes (2-Row, Cara, Munich) e uma dose caprichada de três lúpulos norte-americanos (Columbus, Centennial e Chinook) resultam em uma cerveja de coloração dourada com creme branco espesso de ótima formação e longa permanência. No nariz, a força dos lúpulos distribui notas cítricas (laranja e abacaxi)e herbais (pinho) num modo bastante norte-americano de India Pale Ale, prevendo amargor potente mais pra frente. Na boca, textura picante. O primeiro toque confirma a pegada cítrica do conjunto e o amargor que vem na sequencia é respeitável colocando sorrisos nos lábios de lupulomaniacos, felizes com a junção de amargor, cítrico e herbal, potentes. O final é levemente herbal e amargo. No retrogosto, mais cítrico e mais herbal, saborosos. Bela American IPA.

Fechando o passeio com a Coronado Blue Bridge Coffee Stout, uma Dry Stout que traz quatro maltes (2-Row, Crisp 45, Simpson R.B, Abbey), um único lúpulo (Northern Brewer) mais adição de grãos de café torrado de um produtor artesanal de San Diego (Blue Bridge é a ponte que conecta as duas cidades). De coloração marrom escura, quase preta, e creme bege escuro de ótima formação e longa permanência, a Coronado Blue Bridge Coffee Stout exibe um aroma, marcado, evidentemente, por notas derivadas do malte torrado e da adição dos grãos de café. Ainda é possível perceber leve presença de caramelo, chocolate amargo e ameixa debaixo da cortina de café. Na boca, a textura é sedosa. O primeiro toque traz rápida doçura atropelada por café, que auxilia no amargor, baixo, mas eficiente. Dai pra frente, bastante café e suave doçura de caramelo e toffee para contrabalançar. O final é impressionantemente adocicado (caramelo) enquanto o retrogosto não deixa por menos: café, caramelo e toffee. Bem boa.

Balanço
Na linha da Blue Moon, a Coronado Orange Avenue Wit é mais Califórnia do que Flanders, mais sol que floresta, mais América que Europa… e por isso, menos interessante. Até imagino o barman colocando uma rodela de laranja na borda da taça. Na Califórnia, ok. Fora de lá, passo. A Coronado Mermaid’s Red acrescenta cítrico e herbal ao estilo American Amber Ale, e funciona bem. Gostei. A Coronado Frog’s Breath foi uma bela surpresa que valoriza as raspas de limão, lima e laranja adicionadas no final da fervura. Ótima, mas fresca deve ser muito mais intensa, e muito mais saborosa. Para ir atrás. A Islander é uma respeitosa American IPA com tudo de exagero que a escola também: muito lúpulo, muito cítrico e muito amargor. Gostei dela, mas prefiro a Frog’s Breath. Fechando o quinteto, a Blue Bridge Coffee Stout é uma ótima Dry Stout que recebe adição de café e, por isso, é esse ingrediente que domina o perfil, bastante saboroso! Vale a pena!

Coronado Orange Avenue Wit
– Estilo: Witbier
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5,2%
– Nota: 2,99/5
– Preço pago no Brasil: R$ 21 – 330 ml

Coronado Mermaid’s Red
– Estilo: American Amber Ale
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 5,7%
– Nota: 3,18/5
– Preço pago no Brasil: R$ 21 – 330 ml

Coronado Frog’s Breath
– Estilo: American IPA
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 6,5%
– Nota: 3,35/5
– Preço pago no Brasil: R$ 29 – 600 ml

Coronado Islander IPA
– Estilo: American IPA
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,34/5
– Preço pago no Brasil: R$ 24 – 330 ml

Coronado Blue Bridge Coffee Stout
– Estilo: Dry Stout
– Nacionalidade: EUA
– Graduação alcoólica: 7%
– Nota: 3,34/5
– Preço pago no Brasil: R$ 29 – 600 ml

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.