Boteco: Três cervejas da Araucária, PR

por Marcelo Costa

“Eu faço cerveja há quase 7 anos, desde o final de 2008 quando estava saindo da universidade e fiz um projeto de conclusão de curso de uma vinícola”, conta Rodrigo Frigo, de Maringá, que explica a mudança do vinho para a cerveja: “Na época fiquei fascinado pelo mundo dos fermentados de uva, mas tinha dificuldade para encontrar matéria prima, então comecei a pesquisar sobre cervejas e deu no que deu. O projeto da Araucária começou no final de 2012 quando eu e alguns amigos achamos que nossa cerveja teria um potencial comercial”. Nascia assim uma das boas surpresas cervejarias do concorrido cenário paranaense. Com três anos, e medalhas no South Beer Cup e também no Festival Brasileiro de Cervejas, em Blumenau, a Araucária é uma cervejaria que merece atenção e uma distribuição maior: essas excelentes cervejas precisam ser bebidas no país inteiro. Vamos a elas.

Começando por uma das boas surpresas das andanças cervejeiras deste ano, a Tropical IPA & Neapple. “Eu queria fazer uma cerveja bem refrescante e que pudesse representar nosso clima (aqui em Maringá faz muito calor), e que também que fosse uma versão tupiniquim de um estilo que gosto muito”, conta Rodrigo. “Foi então que decidi usar a fruta mais ‘tropical’ que conheço com uma combinação clássica, hortelã, dando o frescor desejado”. O resultado é uma cerveja de cor entre dourado e âmbar com creme branco de ótima formação e retenção. No nariz, perfume intenso de frutado cítrico com abacaxi à frente, mas laranja e maracujá acompanhando. O hortelã também é perceptível junto a uma leve sugestão de resina. Na boca, textura picante (os 60 de IBU pinicam a língua). O primeiro toque traz rápida doçura cítrica logo encoberta por acidez suave e amargor potente, mas não exagerado, abrindo as portas para um conjunto bastante equilibrado, com abacaxi e hortelã em destaque e amargor na cola. O final traz cítrico e suave amargor. No retrogosto, abacaxi, hortelã, resina e alegria.

“A Gralha Azul é uma ESB (Extra Special Bitter), mas nem sempre foi”, conta Rodrigo. Segundo ele, A Gralha Azul nasceu para ser uma cerveja mais “tranquila”, uma Belgian Pale Ale, “mas logo decidi que queria mais amargor e mais caramelo, na medida certa para uma Bitter e para o nosso paladar”, completa. De coloração acobreada com creme espesso bege de ótima formação e permanência, a Araucária Gralha Azul exibe um aroma com caprichado caramelado aliado a toffee, herbal e floral mais, em segundo plano, suave presença de café (derivado da tosta) e chocolate. Na boca, a textura é suave. O primeiro toque traz doçura caramelada seguida de amargor suave e eficiente (35 de IBU). Na sequencia, a replicação de uma bela Extra Special Bitter com caramelo, toffee, herbal e leve cítrico bastante envolventes – o café retorna no trecho final, acompanhando caramelo. No retrogosto, amargor suave, toffee e cítrico. Muito boa!

Fechando o trio da Araucária, Sete Quedas Smoked Imperial Porter: “Ela foi criada inicialmente para harmonização com fumos em geral”, conta Rodrigo. “São sete tipos diferentes de malte e por isso o nome sete quedas (também uma homenagem às quedas de Guaíra que foram engolidas pela barragem da usina de Itaipu)”, explica. De coloração marrom bastante escura creme bege de baixa formação e rápida dispersão, a Araucária Sete Quedas exibe um aroma em que a doçura achocolatada se sobrepõe ao defumado, perceptível, mas em segundo plano. Há, ainda, caramelo, café suave, ameixa e alcaçuz. Na boca, textura sedosa, hora em que se percebe a cacetada de álcool da receita, 10%, excelentemente escondidos. O primeiro toque reafirma a doçura achocolatada que o aroma adianta, seguida de amargor caprichado (torra, álcool e lúpulo), na medida. Dai pra frente, deliciosa doçura achocolatada alcoólica, mais leve do que o esperado e, por isso, agradavelmente perigosa. O final é doce e amargo. No retrogosto, chocolate, calor de álcool e leve café. Uma delícia.

Balanço
Cervejaria oficial do festival Paraíso do Rock 2015, na cidade de Paraíso do Norte, interior do Paraná, a Araucária levou ao evento quatro estilos com um ótimo preço, valorizando o custo benefício. Paralelamente surpreendeu ainda mais com as versões engarrafadas: a Tropical IPA & Neapple é uma das melhores India Pale Ale nacionais que eu provei neste ano, com o abacaxi amaciando a porrada de amargor, que é considerável, criando um conjunto excelente. Daquelas que sinto vontade de beber de novo, de novo e de novo. A Gralha Azul foi outra ótima surpresa, uma ESB com caramelo, suave café e amargor envolventes, que havia me agradado no festival e agora, em casa, me pareceu ainda melhor. Finalizando, a Sete Quedas Smoked Imperial Porter, que deve chegar ao mercado nas próximas semanas, me pareceu redondinha, uma Imperial Porter caprichada, com alto volume de álcool imperceptível, mas quase nenhuma presença de smoked. Vou atrás de outra garrafa assim que ela for lançada. Além das três, a Araucária produz ainda uma elogiada Porter, a Vêneta. Vale muito ir atrás dessas belas cervejas de Maringá.

Araucária Tropical IPA & Neapple
– Estilo: India Pale Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,66/5
Preço em Maringá: R$ 20 – 600 ml

Araucária Gralha Azul
– Estilo: English Pale Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,58/5
Preço em Maringá: R$ 20 – 600 ml

Araucária Sete Quedas
– Estilo: Smoked Imperial Porter
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 3,33/5
Será lançada em outubro de 2015

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *