Boteco: Três cervejas da Vinil, MG

vinil1.jpg

Nascida em 2009, a mineira Vinil surgiu da paixão de alguns amigos por música e cerveja. No final de 2011, a Vinil se juntou a Grimor e Jambreiro, outras duas ótimas cervejarias artesanais mineiras, criando uma cooperativa cervejeira, onde todos têm suas produções feitas de forma independente num único local. Nascia a Inconfidentes – Cervejarias Conjuradas. Atualmente, a Cervejaria Vinil traz cinco rótulos em sua “discografia”: 33 RPM (Bohemian Pilsener), 45 RPM (British IPA), Baba ESB (Extra Special Bitter cujo nome homenageia um clássico do Who: “Baba O’Riley), Tropicália (Tropical Weizen) e Tropicália Lado B (Tropical Weizen com lupulagem mais aromática). Abaixo escrevo de três cervejas Vinil trazidas na mala de BH para SP.

vinil2.jpg

A Vinil 45 RPM é uma British IPA de 5% de teor alcoólico, 45 de IBU e o lúpulo britânico Fuggles no dry hopping fazendo a diferença. De coloração âmbar levemente turva com creme branco de ótima formação (quase escapando da taça) e boa retenção, a Vinil 45 RPM exibe aroma maltado (mel) com percepção herbal e frutada (amêndoa bem discreta). Há ainda sugestão suave de resina (muito mais EUA do que Inglaterra). Na boca, a textura é levemente picante. O primeiro toque reconhece acidez acompanhada de herbal e leve cítrico. O amargor é caprichado (ainda que pareça ser mais 33 do que 45) trazendo ainda algo da levedura. Dai pra frente, o bebedor já fica na dúvida se está nas ilhas britânicas ou na Califórnia (fico com a segunda opção): o amargor é insistente e traz consigo herbal e cítrico. O final traz leve acidez e, no retrogosto, leve herbal, caramelo e refrescancia.

vinil3.jpg

A Vinil 33 RPM é uma Bohemian Pilsener mineira de 5% de teor alcoólico e 37 de IBU. Na taça, exibe uma coloração alaranjada com creme branco espesso de ótima formação e retenção. No nariz, bastante sugestão herbal (grama e folhas) e leve cítrico (ambos derivados da lupulagem) acompanhado de percepção de fermento (na forma de acidez) – o malte acaba ficando na base, trazendo pão e biscoito. Na boca, textura levemente frisante (assim como na interior, influencia da levedura). O primeiro toque reforça a sugestão herbal e ainda traz leve cítrico. O amargor é potente (um pouco demais para o estilo) abrindo as portas para um conjunto que traz cítrico, herbal e mel. O final é herbal. No retrogosto, mais herbal, leve cítrico e caramelo numa Bohemian Pilsener rebelde.

vinil4.jpg

Fechando o trio da cervejaria mineira com (a melhor das três) um rótulo que homenageia o The Who: a britânica Baba Extra Special Bitter (“Baba O’ Riley”, saca?). De coloração âmbar levemente turva com creme branco (com traços bege) de boa formação e retenção, a Vinil Baba Extra Special Bitter apresenta um aroma que valoriza as notas maltadas (caramelo) com o lúpulo herbal dando um colorido, na retaguarda, e os 5.5% de álcool marcando presença. Na boca, a textura é levemente picante (novamente com influência de levedura). O primeiro toque traz rápida doçura caramelada logo atropelada pelo amargor (37 de IBU), eficiente. Dai pra frente, um conjunto agradável, ainda que o malte tostado (e o caramelo) perca um pouco de espaço para a lupulagem. O final é amarguinho com leve traço de caramelo. No retrogosto, a mesma (boa) sensação. Gostei dessa!

vinil5.jpg

Balanço
Das três Cervejarias Conjuradas, a Vinil parece ser a mais artesanal, com receitas que remetem à panela de um mestre cervejeiro caseiro, enquanto Grimor e Jambreiro soam estar alguns passos à frente. Por exemplo: para quem desejava ser uma British IPA, a Vinil 45 RPM errou a passagem de avião e caiu na Califórnia: o amargor é bastante excessivo para as Ilhas Britânicas (que amam o malte) e a levedura também acrescenta rebeldia. É uma boa cerveja, só que é mais American IPA que British IPA – e, acredite, faz toda a diferença. A Bohemian Pilsener da casa segue a linha arisca antecipada pela IPA, com novamente aparente influencia da levedura, que acrescenta acidez. O resultado é uma cerveja bastante agradável (e arisca), que sugere influência norte-americana. Pra mim se sai melhor que a anterior, ainda que o malte fique escondido. Fechando o trio, uma boa cerveja que homenageia o The Who, Vinil Baba Extra Special Bitter, a mais correta das três, e a melhor.

vinil6.jpg

Vinil 45 RPM
– Estilo: British IPA
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 2,61/5
– Preço pago: R$ 16 por 600 ml

Vinil 33 RPM
– Estilo: Bohemian Pilsener
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 2,81/5
– Preço pago: R$ 16 por 600 ml

Vinil Baba ESB
– Estilo: Extra Special Bitter
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 5,5%
– Nota: 3/5
– Preço pago: R$ 16 por 600 ml

vinil7.jpg

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.