Fotografia: Jazz na Fábrica 2015

Texto por Marcelo Costa
Fotos por Liliane Callegari

Entre os dias 06 e 30 de agosto, o festival Jazz na Fábrica 2015, do Sesc Pompeia, recebe artistas dos Estados Unidos, México, Israel, Cuba, Inglaterra, Japão, França, Áustria e Brasil, em mais de 20 apresentações. O Scream & Yell acompanha o evento com o olhar da fotógrafa Liliane Callegari e comentários rápidos do editor, Marcelo Costa. Confira a programação completa aqui.

A maratona de grandes shows foi aberta no dia 06, uma quinta-feira, com o quinteto de Kenny Garrett. Nascido em Detroit e ex-integrante dos Jazz Messengers, conjunto do baterista Art Blakey, Kenny Garrett trouxe um grupo afiado para São Paulo e começou pegando pesado, com um baterista sensacional, Marcus Baylor, a 100 por hora, alternando pancadas e ritmos. Conforme a noite foi progredindo, o show foi ficando mais fusion e caribenho, e terminou com todo mundo de pé cantando junto sob uma base de beatbox de Kenny. Bonito. No domingo, 09, foi a vez dos nove integrantes da Jungle Fire, de Los Angeles, fazer todo mundo dançar com uma pegada afrobeat encorpada, pesada e muito alta. Com metaleira e percussão à frente, o noneto passeou por Cuba, Caribe, África, Brasil e Colômbia, a última sendo a pátria de um dos percussionistas, numa noite extremamente dançante. Os ingleses do Soft Machine arrebataram uma plateia experiente, que vibrou com os solos de guitarra de John Etheridge e com a levada cadenciada do baterista John Marshall e do baixista Roy Babbington, os três integrantes da formação original da banda, que nos anos 60 dividia palcos com a Jimi Hendrix Experience. Na choperia, o trio surgiu acompanhado de Theo Davis, que se dividiu entre sax, flauta e teclado em um competente show de jazz rock. De Israel, o Shai Maestro Trio fez um apresentação absolutamente impecável no teatro, com o baterista Ziv Ravitz mostrando uma condução absolutamente vibrante, e o baixista peruano Jorge Roeder acompanhando o alto nível do pianista Shai, que, num dos momentos emocionantes da noite, lamentou a guerra palestina,  ressaltando que somos todos iguais. Na sequencia, um número solo, melancólico e afundado em frustração, simbolizando seus sentimentos. Que show! Fechando a programação pessoal, a cubana Daymé Arocena brindou a plateia da choperia com vários shows: de simpatia, de histórias, de sorrisos, de voz e de uma música competentíssima. Um charme! <3

DAYMÉ AROCENA (23/08)

SHAI MAESTRO TRIO (21/08)

SOFT MACHINE (13/08)

JUNGLE FIRE (09/08)

KENNY GARRETT QUINTET (06/08)

– Marcelo Costa (@screamyell) edita o Scream & Yell e assina a Calmantes com Champagne
– Liliane Callegari (@licallegari) é fotógrafa e arquiteta. Veja galeria de fotos dos shows aqui

Fotografia: Galerias
– 20 fotos: Europa, 2012, por Karina Tengan (aqui)
– 23 fotos: Shows no Brasil, 2012, por Fabricio Vianna (aqui)
– Retrospectiva 2014: 50 fotos de shows, por Liliane Callegari e Mac (aqui)

One thought on “Fotografia: Jazz na Fábrica 2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.