HQs: Penadinho, Homem-Aranha, Astro

“Penadinho – Vida”, Paulo Crumbim e Cristina Eiko (Graphic MSP / Panini)
por Leonardo Vinhas

Além de reapresentar os personagens de Mauricio de Sousa, o selo Graphic MSP também se propõe a levar ao grande público autores pouco ou nada conhecidos. O casal paulista Paulo Crumbim e Cristina Eiko é talvez representante deste último caso, sendo obscuros até para o mais dedicado seguir de quadrinhos brasileiros. Trabalhando em animação, é natural que “Penadinho – Vida” tenha elementos que parecem diretamente tirados de desenhos animados contemporâneos, especialmente as da Nickelodeon, do traço ao humor. Aliás, de todos os sete volumes lançados até agora, este é certamente o mais infantil deles. Pouco se acrescenta aos personagens: a Turma do Cemitério é coadjuvante caricata para a jornada do protagonista Penadinho, que já teve sua personalidade elaborada com mais profundidade em histórias curtas das publicações mensais. Por outro lado, o carisma da arte e a notável intenção de se criar um espírito de equipe para os personagens (coisa que eles nunca tiveram) somam pontos a favor da história. No final, o saldo é um empate, com esses acertos disputando espaço com a cansativa e artificial colorização computadorizada, o excesso de reverência à base “mauriciana” e a simplicidade do texto. Recupera a qualidade da série, que tinha perdido pontos com a desnecessária publicação antecessora (“Astronauta –Singularidade”), mas ainda não resgata o encanto das três primeiras edições.

Preço: R$ 21,90 (brochura) e R$ 31,90 (capa dura)
Nota: 6,5

“Homem-Aranha: 99 Problemas”, Matt Kindt e Marco Rudy (Panini)
por Adriano Mello Costa

Marvel Knights surgiu no final dos anos 90 como uma linha editorial para tratar os personagens da empresa de maneira mais adulta, com maior conteúdo de sexo, violência, drogas e outros temas excessivamente “pesados” para edições normais. Bem sucedida no que tange a personagens como Justiceiro, Pantera Negra e Demolidor, essa linha se alastrou para diversos outros heróis da casa, como o Homem-Aranha. A Panini Comics lança esse ano um encadernado de capa dura com as cinco primeiras edições de “Marvel Knights: Spider-Man” publicadas lá fora entre dezembro de 2013 e abril de 2014. “Homem-Aranha: 99 Problemas” chega com 116 páginas e roteiro de Matt Kindt, ilustrações de Marco Rudy e cores de Val Staples. Nessa história, o amado cabeça-de-teia se mete em uma confusão quando Peter Parker, atrás de ganhar um extra (as coisas não estão fáceis pra ninguém…), aceita um trabalho em uma mansão. Lá ele toma uma pílula que o priva de alguns poderes e o coloca no meio de uma pancadaria geral – comandada pelo vilão Arcade – com seus maiores inimigos, um atrás do outro e sem tempo para respirar. Esse arco inicial foi bastante elogiado lá fora, mas, apesar do bom argumento, o roteiro é apenas razoável; se muito. No entanto, a arte do talentosíssimo Marco Rudy (Superman/Batman) eleva a história a outro patamar. Repleta de experimentações, sem fórmulas e com muita lisergia, “99 Problemas” é uma história para se ter em casa, ainda mais agora com tantas mudanças acontecendo na vida do amigão da vizinhança, pois representa uma trama para lembrar porque o personagem é tão querido.

Preço: R$ 24,90
Nota: 7

“Astro City vol. 1 – Vida na Cidade Grande” (Panini)
por Adriano Mello Costa

Em 1994, Kurt Busiek (roteiro) e Alex Ross (arte) lançavam “Marvels”, série que tinha como protagonista um homem comum chamado Phil Sheldon, que desde a década de 30 vinha acompanhando e fotografando as primeiras “maravilhas”, seres com poderes quase divinos. Essa perspectiva pouco usual rendeu vários prêmios para a dupla e alavancou suas carreiras. Em 1995, Kurt Busiek surgiu com uma nova série chamada “Astro City”, na qual ampliava os conceitos de “Marvels” e tinha mais espaço para expor dramas e dúvidas em meio a uma considerável quantidade de homenagem aos quadrinhos dos anos 30 a 70. De novo com o apoio de Alex Ross (dessa vez nas capas e concepção de personagens), porém agora com a arte de Brent Anderson (X-Men), a nova série também foi sucesso de crítica e rendeu mais prêmios aos autores. A Panini Comics começou a republicar no Brasil esse trabalho, que foi editado irregularmente por outras editoras no passado. “Astro City Vol. 1 – Vida na Cidade Grande” reúne as edições originais de 1 a 6 lançadas originalmente entre agosto de 1995 e janeiro de 1996, com capa cartonada e diversos extras em 196 páginas. Neste arco inicial, Kurt Busiek expõe uma cidade onde heróis, vilões e aliens vivem no meio de pessoas normais e, assim como elas, tem inúmeros problemas cotidianos banais. Essa perspectiva (por si só uma extensão de “Marvels”) também serve como crítica a sociedade, à mídia e seus noticiários no que tange ao tratamento a notáveis, o que faz dessa republicação de “Astro City” ainda relevante mesmo após duas décadas da concepção inicial.

Preço: R$ 23,90
Nota: 8,5

– Adriano Mello Costa (siga @coisapop no Twitter) e assina o blog de cultura Coisa Pop
– Leonardo Vinhas (@leovinhas) assina a seção Conexão Latina (aqui) no Scream & Yell.

MAIS SOBRE LIVROS E HQs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *