Boteco: quatro cervejas argentinas

sixtofer.jpg

por Marcelo Costa

A Sixtofer Cerveza Artesanal é uma micro cervejaria surgida em 2005, em Lomas de Zamora, município localizado na zona sul da Grande Buenos Aires, que, segundo o Facebook oficial da casa, produz “edições limitadas de cervejas de autor”. No cardápio da cervejaria, três rótulos: Kenji Golden Fusion, India Pale Ale e esta Oatmeal Stout, comprada em Buenos Aires (e premiada com a Medalha de Ouro no South Beer Cup 2014 na categoria Sweet Stout). De coloração preta com feixes marrons nas bordas e creme bege de boa formação e permanência, a Sixtofer Oatmeal Stout apresenta um aroma que valoriza o malte torrado em notas que remetem a café, em primeiro plano, e chocolate amargo na base junto ao toque láctico derivado da aveia. Na boca, o amargor derivado da torra do malte surpreende, mas não esconde as notas de torrefação (café e chocolate amargo), que dominam o conjunto ao lado de uma leve sugestão de leite. O final é sedoso e remete a cappuccino, impressão que se estende ao retrogosto, com a aveia mais presente.

elbuho.jpg

A Cerveceria El Buho surgiu em La Cumbre, no Vale de Punilla, na província de Córdoba, em 2002, com uma assumida (e cada vez mais rara) influência inglesa em suas cervejas artesanais (nas receitas, utilizam lúpulos Kent Golding e Fuggles e levedura tradicional britânica), cujo cardápio apresenta quatro rótulos: Golden Ale (Rubia), India Pale Ale (Roja), Porter (Negra Extra) e uma Imperial Stout (Negra Fuerte), está ultima veio na bagagem de Neuquén, na Patagonia. De coloração marrom escura (quase preta) e creme bege de boa formação e baixa duração, a El Buho Imperial Stout apresenta um aroma com notas suaves de café derivadas da torrefação em destaque. Há ainda sugestão de chocolate amargo e cacau. Na boca, quem está acostumado com a escola norte-americana de Imperial Stouts irá se surpreender, porque esta El Buho é bem suave (na linha da escola inglesa), com muito café, leve cacau e quase nada dos 7.5% de álcool. Ainda assim, um conjunto agradável que termina com leve amargor (da torra) e café. No retrogosto, mais café, leve cacau e um amargor bem suave.

jerome.jpg

A Jerome Beer Company surgiu em 1983 em Potrerillos, Mendoza, e se gaba de ser a única cervejaria no coração dos Andes, dois mil metros acima do nível do mar. Também é uma das cervejarias argentinas que sai da zona de conforto e arrisca em receitas envelhecidas em barril, com levedura belga e ariscas. Um bom exemplo é esta Jerome Diablo (uma das cinco receitas produzidas pela casa), uma interessante Belgian Ale. De coloração âmbar caramelada e creme branco de ótima formação e média permanência, a Jerome Diablo apresenta um aroma entre o caramelo e o ácido. É possível perceber leve sugestão de mel enquanto a acidez provoca o nariz. Há, ainda, um suave toque cítrico e lembrança de ferrugem. Na boca, logo no primeiro toque, caramelado de malte e acidez da levedura surgem de forma intensa num conjunto que traz algo de frutas escuras, madeira, ferrugem e cítrico. O final junta acidez, mel e tangerina. No retrogosto, madeira e acidez. Muito interessante.

grosa.jpg

A Cielo y Tierra S/A é um projeto do músico Gustavo Santaolalla com seu sócio Raúl Orozco, e começou como uma bodega em Mendoza (que produz vinhos premiados), mas já se estendeu para a produção (na fábrica da Jerome) de duas Wood Aged Beer (cervejas envelhecidas em barricas): Grosa e Re Grosa. Trazida na mala de Mendoza, a Grosa une cevada dos pampas argentinos, lúpulo patagônico e água glacial, e depois passa 18 meses em barricas de roble francês. O resultado é uma cerveja de coloração âmbar com média alta turbidez. O creme é levemente alaranjado, de boa formação e média duração. No nariz, a primeira surpresa: muita madeira, sugestão de acidez, presença cítrica (limão siciliano), notas herbais (ervas) e doçura tímida de malte. Na boca, um conjunto deliciosamente amalucado que junta acidez, salgado, mel, cítrico e madeira, tudo delicadamente balanceado, sem sobreposições. O final traz mel e azedume provocando o bebedor, e termina com uma pontinha de salgado. No retrogosto, acidez, adstringência, madeira e cítrico. Uau, que baita cerveja.

grossa1.jpg

Balanço
A Sixtofer Oatmeal Stout é um exemplar bem honesto do estilo, com bastante sugestão de café, chocolate amargo em segundo plano e cappuccino no retrogosto. Certinha e agradável. Já a El Buho Imperial Stout (medalha de prata no South Beer Cup 2012) me decepcionou um tiquinho, e a culpa é mais minha que deles: eu esperava um Imperial Stout porrada e, derivada da escola inglesa, ela é uma Imperial Stout suave e charmosa. Simples e básica. Saindo da zona de conforto, e tanto que até deixa o bebedor na dúvida se o que ele bebe é a proposta da cervejeira ou alguma coisa que a levedura aprontou pelo caminho, a Jerome Diablo está longe de ser uma Belgian Ale tradicional, e, em sites especializados, muita gente mostra seu descontentamento por achar que iria beber uma releitura tradicional belga e acaba, por fim, provando uma cerveja provocante que choca mel e acidez de forma intensa. Se essa que bebi é a versão correta (que se aproxima, inclusive, da próxima, produzida também pela Jerome), eles estão de parabéns. Numa próxima viagem à Mendoza tiro a dúvida, e enquanto isso eles ficam com a minha admiração. Para fechar o quarteto, a provável melhor cerveja argentina que já provei, uma mistura de Saison e Sour que provoca o paladar de forma apaixonante: Grosa, produzida pela Jerome a pedido da Cielo y Tierra S/A, de Gustavo Santaolalla e Raúl Orozco. Enfim uma cerveja de personalidade e que vai além de seguir as escolas tradicionais. Respeitei (e queria ter trazido mais na mala, mas só veio uma). Essa não escapa quando eu voltar à Mendoza…

Sixtofer Oatmeal Stout
Produto: Oatmeal Stout
Nacionalidade: Argentina
Graduação alcoólica: 5,6%
Nota: 3,13/5
Preço pago em Buenos Aires: 38 pesos argentinos – 330 ml

El Buho Imperial Stout
Produto: English Imperial Stout
Nacionalidade: Argentina
Graduação alcoólica: 7,5%
Nota: 2,79/5
Preço pago em Neuquén: 30 pesos argentinos – 355 ml

Jerome Cerveza Diablo
Produto: Belgian Ale
Nacionalidade: Argentina
Graduação alcoólica: 7,5%
Nota: 3,62/5
Preçom pago em Mendoza: 40 pesos argentinos – 355 ml

Grosa
Produto: Wood Aged Beer
Nacionalidade: Argentina
Graduação alcoólica: 9%
Nota: 3,91/5
Preço pago em Mendoza: 60 pesos argentinos – 355 ml

jerome2.jpg

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *