Boteco: três cervejas refrescantes belgas

por Marcelo Costa

Lançada em 1993 através de uma parceria firmada entre duas das mais tradicionais famílias cervejeiras da região de Limburg (St. Joseph e Martens), na Bélgica, e vencedora do concurso belga de melhor witte beer de 2013, a Limburgse Witte segue a risca os preceitos do estilo criado por Pierre Celis (responsável pela Hoegaarden): coloração amarelo esverdeada puxando para o verde limão com toques brancos, creme branco de boa formação e permanência, e aroma bastante cítrico (limão siciliano suave), com toque de condimentação (semente de cravo e coentro) e doçura de trigo. Na boca, citricidade (limão) mais acidez delicada de condimentação (cravo e coentro) em primeiro plano com doçura pelas bordas. Bastante leve e refrescante, a Limburgse Witte finaliza suavemente amarga, mas o final, longo, ainda traz cítrico e doçura. No retrogosto, suave limão com doçura de trigo e refrescancia. Uma delicia.

A Lefebvre Brewery é uma cervejaria familiar surgida em 1876 na cidade de Quenast na região brabante da Valonia belga. A Saison 1900 é um dos destaques da casa tendo sido produzida pela primeira vez em 1982 seguindo a tradição de cervejas saison da região de Hainaut. De coloração âmbar alaranjada e creme branco de excelente formação e extensa permanência, a Saison 1900 exibe um aroma com muitas notas florais, percepção intensa de doçura (muito mel, que não é adicionado na receita), suave toque cítrico e frutado (damasco) e sugestão de especiarias – derivada da levedura. Na boca, um belo conjunto exibe carbonatação alta, doçura melada não excessiva, amargor pontual e um refrescante toque frutado além de sugestão herbal e de cereais (feno, trigo, ervas). O final traz amargor, doçura de mel e acidez (que promove leve adstringência). No retrogosto, mel, picancia e adstringência. Muito boa.

Em 1966, um pastor já na casa dos 40 anos decidiu reviver um estilo cervejeiro regional que havia sido praticamente extinto uma década antes. Nascia um mito na cidade de Hoegaarden, e seu criador, Pierre Celis, tocou sozinho a Hoegaarden Brewery até 1985, quando um grande incêndio destruiu a cervejaria. Para se reeguer, Celis vendeu uma porcentagem da companhia para a poderosa Interbrew (rebatizada InBev após a fusão com a AmBev), que passou a pressiona-lo para mudar a receita e tornar a cerveja mais popular. Infeliz, Celis vendeu sua parte e mudou-se para Austin, nos Estados Unidos, no final dos anos 80, e não demorou a criar outra cervejaria, a Celis Brewery, em 1992 (aos 67 anos!), desejando produzir sua receita tradicional. A cervejaria foi comprada pela Miller Brewing em 1996 e vendida para a Michigan Brewing em 2002, que abriu falência em 2012 (um ano após a morte do pastor).

No mesmo 2012, Christine Celis, filha de Pierre, recuperou os direitos sobre a Celis Brewery, e encomendou a produção da Celis White para a Brouwerij Van Steenberge (responsável pela Gulden Draak e pela Piraat), de Ertvelde, na Bélgica. De coloração amarelo palha com turbidez aparente e creme brando de ótima formação e longa duração, a Celis White apresenta um aroma bastante condimentado (semente de cravo, coentro e até manjericão) sobre uma base suave de trigo e frutas (banana e limão siciliano), que ainda adianta acidez e azedume. Na boca, o conjunto encantador abriga de forma exemplar cítrico (limão), frutado (banana), doçura (derivada do trigo), acidez, um azedinho apaixonante e condimentação (do conjunto de ervas adicionado na receita). O final é bastante condimentado com leve adstringência e doçura frutada (banana e, muito levemente, pêssego). No retrogosto, refrescancia e leveza. Paixão.

Balanço
A Limburgse Witte, receita das famílias St. Joseph e Martens (produzida pela primeira), é um exemplar clássico do estilo, com citricidade, acidez, doçura de trigo e condimentação criando um conjunto arrebatador, que não exibe de forma alguma seus 5% de álcool. Uma delícia. Tão gostosa quanto (mas mais condimentada e arisca), a Saison 1900 é um exemplar agradável deste adorável estilo belga. Me lembrou um pouco a Biere de Miel, da Dupont, ainda que exiba um pouco mais de doçura que o padrão do estilo. Para fechar, a sensacional Celis White, uma witbier com a mão de Piere Celis, o criador da Hoegaarden. Numa comparação direta, a Celis White soa mais densa (dentro de sua suavidade), provocante e condimentada que a Hoegaarden, sem deixar de lado suas principais características: refrescancia e sabor. Queria ter caixas dela empilhadas em casa para acompanhar o almoço… todos os dias.

Limburgse Witte
Produto: Witbier
Nacionalidade: Bélgica
Graduação alcoólica: 5%
Nota: 3,26/5
Preço no Brasil: R$ 14 – 330 ml

Saison 1900
Produto: Saison
Nacionalidade: Bélgica
Graduação alcoólica: 5,4%
Nota: 3,21/5
Preço no Brasil: R$ 11 – 330 ml

Celis White
Produto: Witbier
Nacionalidade: Bélgica
Graduação alcoólica: 5%
Nota: 3,82/5
Preço no Brasil: R$ 8 – 250 ml

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.