Boteco: Três cervejas da Mastri Birrai Umbri

por Marcelo Costa

Por mais de sete gerações, a família Farchioni está envolvida no processamento direto dos produtos agrícolas cultivados na região da Úmbria, que fica na área central da Itália, vizinha a Perugia e a cerca de duas horas de Roma. As cervejas são uma novidade recente na rotina dos Farchioni, que investiram num projeto cuidadoso que começa no cultivo da terra, passa pela produção da cerveja – não pasteurizadas nem fermentadas e com adição de produtos agrícolas locais como a cicerchia (ervilha) e a lentilha – e finaliza com uma bela garrafa de 750 ml, que traz a opção de vedação sob pressão após a abertura da tampa tradicional. O site oficial explica o processo em detalhes (a escolha da denominação Cotta para cada cerveja, a chave como símbolo) e das quatro cervejas que os italianos mantêm em catálogo, apenas a novata 68, uma Strong Ale, não chegou ao Brasil. As outras três (21, 37 e 74) você conhece abaixo:

A Mastri Birrai Umbri Cotta 21 é uma Blond Ale cuja receita utiliza malte de farro, um dos primeiros grãos empregados na culinária e cultivado hoje em dia em toda região central da Itália. O farro tem coloração próxima à do trigo, mas se diferencia pela casca, que adere ao grão durante a colheita – assim como acontece com a cevada e a aveia. A Cotta 21 é uma cerveja de coloração dourada com creme branco de média formação e permanência. No aroma, o farro remete a biscoito, pão e cereais enquanto o lúpulo acrescenta notas cítricas (limão suave) frutadas (pêssego e pera) e herbais (capim e feno). Na boca, a entrada é suavemente cítrica (quase azeda) e seca remetendo a limão enquanto o paladar, equilibrado, une doçura trigal de malte amargo cítrico e suave de lúpulo compondo um conjunto que remete a trigo, limão e cereais e prima pela refrescancia. O final é seco, maltado e herbal enquanto o retrogosto traz cereais e limão.

Se o inusitado da Cotta 21 é a adição de farro, a Mastri Birrai Umbri Cotta 37 surpreende com uma receita também inusitada que une malte, água, lúpulo e levedura com ervilha (isso mesmo). De coloração alaranjada e creme levemente alaranjado exibindo boa formação e média baixa permanência, a Cotta 37 destaca um aroma terroso, com acidez perceptível coçando o nariz. Há sugestão de notas cítricas (toranja e maçã vermelha), adocicado (caramelo, mel e toffee), herbal (ervas) e algo difícil de identificar (provavelmente derivado da inserção de ervilhas) que se aproxima de resina ou ferro, embora não seja estes dois. Na boca, a doçura caramelada do malte tostado surge acompanhada de acidez. O pico de amargor é suave e ácido abrindo caminho para um conjunto bastante terroso que remete a caramelo, toffee, toranja, pão e ervas, com adstringência marcante. O final traz maltado, herbal, leve cítrico e acidez. No retrogosto, terra, pão e caramelo.

Mantendo-se no território dos ingredientes inusitados, a Mastri Birrai Umbri Cotta 74 é uma Belgian Dubbel que recebe adição de lentilhas italianas em sua receita. De coloração rubi e creme bege de ótima formação e media permanência, a Cotta 74 destaca um aroma que exibe notas frutadas pretas e vermelhas (ameixa, morango e alcaçuz), doçura (caramelo e chocolate) e leve sugestão de vinho tinto e Jerez. Há ainda presença herbal, condimentação, café e fumo além de álcool (e são apenas 6%). Na boca, a doçura do malte surge na dianteira trazendo consigo uma sensação terrosa, de vinho tinto e Jerez. As notas frutadas (e a sensação de café) ficam em segundo plano encobertas por caramelo, chocolate e toffee, que dominam o conjunto. Assim como na versão 37 há algo difícil de identificar no perfil desta cerveja, que pode ser atribuído ao uso de lentilhas. O final é maltado, vinifico e seco enquanto o retrogosto apresenta acidez (próxima a de maçã),caramelo e leve adstringência.

Balanço
Abrindo um trio de cervejas da italiana Mastri Birrai Umbri com a Cotta 21, a única que eu já havia bebido (e escrito) anteriormente, uma boa cerveja cuja sensação a deixa no meio do caminho entre uma Pilsener e uma Witbier, ou seja, uma cerveja bastante refrescante e saborosa. Com adição de ervilhas (?), a Cotta 37 surpreende por um conjunto bastante provocante, que vez em quando remete a Weiss, mas traz algo diferente, que se une ao tom terroso criando uma personalidade interessante. Fico na dúvida se gostei ou não (na verdade gostei, mas ainda assim prefiro a Cotta 21, mais simples), mas o experimento merece aplausos. A terceira Cotta é a 74, e recebe adição de lentilhas. Novamente os italianos conseguem criar algo provocante, ainda que não convincente: a cerveja é bem boa, mas a versão mais simples da casa ainda me soa a melhor. Tanto a 37 quanto a 74 são boas experiências, sendo que a última deve combinar muito bem com charuto e fumo de rolo.

Mastri Birrai Umbri Cotta 21
– Produto: Blond Ale
– Nacionalidade: Itália
– Graduação alcoólica: 5,5%
– Nota: 3,10/5
– Preço: R$ 19,90 – 750 ml

Mastri Birrai Umbri Cotta 37
– Produto: Red Ale
– Nacionalidade: Itália
– Graduação alcoólica: 5,5%
– Nota: 3,06/5
– Preço: R$ 19,90 – 750 ml

Mastri Birrai Umbri Cotta 74
– Produto: Belgian Dubbel
– Nacionalidade: Itália
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,03/5
– Preço: R$ 19,90 – 750 ml

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

2 thoughts on “Boteco: Três cervejas da Mastri Birrai Umbri

    1. Francisca, a Mastri Birrai não está sendo mais importada para o Brasil. Acontece muito nesse meio cervejeiro de iniciarem importações e depois não renovarem. Neste caso, ela foi de 2012 a 2015 apenas, uma pena!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.