Boteco: da Bélgica, os elefantes rosas da Delirium

por Marcelo Costa

A Brouwerij Huyghe, também conhecida como Brouwerij Delirium Tremens, é uma cervejaria surgida em 1906 no município de Melle, na Bélgica (no local em que já existia uma cervejaria desde 1654). Fundada por Leon Huyghe, durante muito tempo o carro chefe da casa foi uma cerveja chamada Golden Kenia, que perdeu o posto para a Delirium Tremens, em 1989, já com a cervejaria nas mãos da terceira geração da família. O sucesso e os prêmios conquistados pela Delirium fizeram com que a família ampliasse o negócio adquirindo outras cervejarias e ampliando o cardápio da casa, que hoje conta com a linha Floris, Mongozo, St-Idesbald, Villers e Blanche des Neiges além, claro, da estilosa linha Delirium, com garrafas banhadas em cerâmica e rótulo com um elefante rosa em destaque, que também batiza o Delirium Café (presente no Guinnes como o bar com o maior número de cervejas disponíveis para o frequentador) e o vizinho Delirium Monasterium, ambos em Bruxelas (mas com filiais pelo mundo). Abaixo, cinco cervejas da Huyghe.

A versão tradicional da Delirium Tremens foi lançada em 26 de dezembro de 1989, mas parece que já frequenta as listas de melhores cervejas do mundo há alguns séculos. Belgian Strong Ale de responsa, o segredo do sucesso é a união de três cepas de leveduras belgas e o rótulo clássico que embala uma cerveja deliciosa, que consegue a proeza de refrescar e aquecer, ao mesmo tempo. De coloração dourada levemente turva e creme branco de ótima formação e longa permanência, a Delirium Tremens exibe um aroma caprichado repleto de notas frutadas cítricas (abacaxi, damasco e pêssego), condimentação (semente de cravo), tutti-frutti e percepção dos 8.5% de álcool. O primeiro toque no paladar exibe mel logo encoberto por uma sugestão frutada que remete bastante a damasco. O amargor é suave e alcoólico enquanto o conjunto junta frutas cítricas, mel, álcool e a felicidade do bebedor. O final é melado, alcoólico e cítrico enquanto o retrogosto traz sorrisos, damasco e mel. Excelente.

A Delirium Tremens Red é o lançamento mais recente da linha Delirium e trata-se de uma Strong Fruit Beer que recebe adição de suco de cereja e alcança 8% de graduação alcoólica. De coloração vermelha rubi e creme de boa formação e média permanência, a Delirium Tremens Red diz a que veio logo assim que a garrafa é aberta e o aroma de frutas vermelhas salta para fora. A cereja se destaca no conjunto, mas é possível diferenciar e sentir framboesa e morango além de sugestão de vinho do Porto num perfil aromático muito próximo ao Halls cereja. Na boca, o primeiro toque traz tanto a doçura quanto a acidez da fruta e o amargor subsequente é mais alcoólico do que lupulado. O que surge dai para frente (frutas escuras mais melaço de açúcar) peca por soar exageradamente artificial. O final é frutado, adocicado e levemente azedo enquanto o retrogosto traz mais cereja. Boa, mas há muito melhores no estilo.

A Delirium Tremens Nocturnum é Belgian Dark Strong Ale cuja receita une cinco tipos de malte e três de leveduras belgas alcançando 8.5% de graduação alcoólica e arrancando suspiros. De coloração marrom com traços avermelhados, a Nocturnum exibe um creme marrom de boa formação e permanência. No nariz, uma instigante paleta de notas que destaca em primeiro plano as frutas escuras (ameixa e passas), vermelhas (framboesa), adocicado (caramelo, açúcar queimado e baunilha), álcool (bastante perceptível) e uma suave sugestão de torra (café). Na boca, as notas adocicadas (açúcar queimado e baunilha) são responsáveis pelo primeiro toque acompanhadas de uma leve acidez (derivada tanto das leveduras quanto do alto volume de álcool), que faz a função de amargor. O que “sobra” são um punhado de notas frutadas (ameixa, passas, framboesa) nadando em um oceano de álcool e doçura. O final traz ameixa, caramelo e calor enquanto o retrogosto reforça a sugestão de frutas escuras. Sensacional.

Outra Belgian Dark Strong Ale, a Delirium Christmas (também conhecida como Noël) é a cerveja natalina da turma da Brouwerij Huyghe, e começou a ser produzida em 2000, sempre para as festas natalinas. De coloração âmbar com toques avermelhados (posicionando-se exatamente entrem a Red e a Nocturnum), a Delirium Christmas exibe um creme de média baixa formação e permanência. No nariz, uma leve presença de acidez chama a atenção no primeiro momento junto a sugestão de frutas vermelhas (cereja) e pretas (ameixa). Há ainda um toque terroso, adocicado (caramelo) e a presença perceptível (ainda que de forma delicada) dos 10% de álcool. Na boca, o primeiro toque é rapidamente adocicado (caramelo e baunilha) com o álcool fazendo a função de amargor subsequente e aquecendo do céu da boca até a garganta. Há reforço no conjunto e no final da sugestão frutada (mais cereja que ameixa), adocicada e alcoólica. No retrogosto, frutas vermelhas (leve vinho do Porto) e calor. Especial.

Fechando o passeio pelas cervejas da Brouwerij Huyghe com a La Guillotine, uma Belgian Golden Strong Ale que choca o blend de três leveduras, tradicional da cervejaria, com três lúpulos: Saaz, Brewers Gold e Amarillo. De coloração dourada e turbidez aparente, La Guillotine exibe um creme branco de excelente formação e longa permanência, com direito a rendas belgas em volta da taça. No nariz, notas frutadas (pêssego e damasco) cítricas (abacaxi e leve maracujá) surgem em primeiro plano ao lado da condimentação (semente de cravo) característica da levedura belga. Há ainda adocicado derivado do malte (remetendo tanto a caramelo quanto a pão e feno) e suave percepção dos agradáveis 8.5% de álcool. Na boca, a levedura se faz presente no primeiro toque liberando acidez enquanto os lúpulos despejam notas cítricas. O amargor é suave enquanto o conjunto remete a pêssego, abacaxi, caramelo e pão riscando o céu da boca de forma apaixonante. O final é cítrico, frutado e alcoólico enquanto o retrogosto reforça a sugestão frutada (abacaxi, pêssego e damasco). Excelente.

Balanço
A Delirium Tremens é um clássico. Alcoólica, melada e frutada, é uma daquelas cervejas que arrancam sorrisos. Precisa dizer mais? Precisa: é boa demais a menina (até já foi eleita a melhor do mundo). Já a versão Red decepciona por não manter o padrão da versão clássica e ficar devendo a outras do estilo, como a Kastel Rouge, muito mais equilibrada (e tão alcoólica quanto). A Delirium Tremens Nocturnum é simplesmente um deleite! Uma leve complexidade aparece tanto no aroma quanto no paladar valorizando um dos melhores rótulos da casa. O rótulo natalino é uma cerveja especial que deve ser bebida com prudência, afinal há bastante doçura frutada no conjunto disfarçando os 10% de álcool. Muito boa! Indicada para natais felizes. Encerrando o quinteto da Brouwerij Huyghe, a Belgian Golden Strong Ale La Guillotine soa uma cerveja ainda mais caprichada (e frutada) da Delirium Tremens. Saborosíssima. Recomendo.

Delirium Tremens
– Produto: Belgian Golden Strong Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 8,5%
– Nota: 4,02/5
– Preço pago: R$ 19,90 – 330 ml

Delirium Tremens Red
– Produto: Belgian Strong Fruit Beer
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 8%
– Nota: 2,98/5
– Preço pago: R$ 23,90 – 330 ml

Delirium Tremens Nocturnum
– Produto: Belgian Dark Strong Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 8,5%
– Nota: 4,13/5
– Preço pago: R$ 23,90 – 335 ml

Delirium Christmas (Noël)
– Produto: Belgian Dark Strong Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 10%
– Nota: 3,94/5
– Preço pago: R$ 23,90 – 335 ml

La Guillotine
– Produto: Belgian Golden Strong Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 8,5%
– Nota: 4,09/5
– Preço pago: R$ 23,90 – 335 ml

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *