Boteco: de São Paulo, seis cervejas da Urbana

urbana1.jpg

por Marcelo Costa

Descrita como “um pequeno laboratório de cervejas, ideias e sonhos”, a Cervejaria Urbana surgiu em 2011 no bairro do Jabaquara, em São Paulo, com um projeto estiloso que, no começo, contava com uma assinatura mensal, em que o bebedor recebia em casa uma caixa com as produções malucas da casa no mês. Entre os rótulos, nomes como Cabra Da Peste (German Weizen), La Cocote des Jardins (Saison), Borba Cat (Maibock), Cat In The Box (Russian Imperial Stout), CTRL Alt Beer (Altbier) e a Loira do Banheiro (IPA), entre dezenas de outras. Em 2013, o pessoal do Jabaquara fechou uma parceria de produção e distribuição de seus rótulos pela Cervejaria Dortmund, de Serra Negra, e já tem três rótulos aprovados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) disponíveis em todos o país: Gordelicia, Sporro e Refrescadô de Safadeza. Além delas, porém, o cardápio da casa vai longe. Abaixo, algumas delas.

gordelicia.jpg

A Gordelicia é o carro chefe da cervejaria Urbana, uma respeitável Belgian Golden Strong Ale que exibe coloração dourada (com turbidez a frio) e creme branco de boa formação e curta permanência. No nariz, o aroma recria o estilo se desprendendo em notas frutadas (banana, pera, abacaxi e pêssego em calda) e adocicadas (caramelo e mel), com leve sugestão de condimentação e casca de pão. Na boca, o adocicado frutado se intensifica reforçando as percepções aromáticas (mel, caramelo, abacaxi e pêssego em calda) enquanto o álcool acaricia o céu da boca e aquece a face. Há aqui também sugestão de condimentação (cravo e coentro), amplificada pelos 7.5% de álcool, que ainda causam leve adstringência na língua. O final é frutado, levemente melado e alcoólico enquanto o retrogosto traz calor, condimentos e suave adstringência. Um belo exemplar brasileiro de Belgian Golden Strong Ale.

refrescado.jpg

A Refrescadô de Safadeza é uma Session IPA que já teve uns quatro rótulos, todos interessantes, com destaque para este último, aparentemente oficial, já que a receita agora com MAPA irá circular por todo o país (mas o rótulo com a garota do vestidinho vermelho merece lembrança). Na taça, um liquido de coloração âmbar exibe um creme de boa formação e baixa permanência. No nariz, com a percepção sendo sugestionada desde a abertura da garrafa, as notas cítricas (laranja e acerola) e florais derivadas da lupulagem se destacam, mas não pesam tanto em amargor na boca (são apenas 18 de IBU, taxa baixa para uma IPA – mesmo que session), ainda que ele esteja presente e valorizado pelo álcool comportado (4.5%) e pelo malte, inserido de forma a deixar o lúpulo brilhar. O final é caramelado e levemente amargo, mas sem profundidade, enquanto o retrogosto traz leve resina e notas cítricas.

piscadinha.jpg

Da linha caseira da Urbana, a Piscadinha (Pra Quem Tem Medo) é uma deliciosa provocação: o rótulo a apresenta como uma session stout de 36% de álcool e 135 de IBU. Quem é do mundo cervejeiro e conhece o perigo pode balançar, mas, na verdade, não enxergou o microscópico ponto que demarca 3.6% de álcool e 13.5 de IBU. Brincadeiras a parte, a Piscadinha da Urbana é uma cerveja de coloração acobreada e creme suavemente bege de boa formação e média permanência. No nariz, notas cítricas derivadas da lupulagem se juntam ao conjunto de maltes e remetem a maracujá, caramelo, baunilha e leve resinoso. Na boca, o amargor cítrico pronunciado dos lúpulos se sobressai ao adocicado do malte, que ainda assim insere no conjunto um suave toque de frutas escuras, que desaparece rapidamente deixando ao final um rastro de amargor cítrico, que permanece no retrogosto.

charlie.jpg

Também da linha caseira da turma do Jabaquara, a Charlie Brown Ale tem 6% de graduação alcoólica e 30 de IBU. De coloração marrom com creme bege de boa formação e média permanência, a Charlie Brown (Ale) tem um aroma bastante discreto, que não se desprende com facilidade. Com insistência é possível sentir um pouco de notas relativas ao malte tostado, sem definir com precisão a que elas remetem. Se no nariz, a Urbana Charlie decepciona, na boca o conjunto melhora, ainda que de forma tímida. No primeiro ataque se confunde o melaço (superficial) derivado do malte tostado, que desaparece rapidamente frente ao amargor proveniente do lúpulo, que concede ao conjunto um leve toque cítrico. O final traz um pouco de sugestão de malte (novamente indefinível) com amargor do malte, e ambos permanecem no retrogosto, que se destaca positivamente diante da palidez do conjunto.

prima.jpg

Mais uma da linha caseira, a Prima Pode é uma India Brown Ale de 6% de álcool e 52 de IBU. De coloração acobreada e creme de baixa formação e média permanência, a Prima Pode (pode?) destaca um aroma caprichado (principalmente pelo lúpulo) que junta notas frutadas cítricas (maracujá) e adocicadas (ameixa), mais o caramelado tradicional do malte tostado e leve toque resinoso. Na boca, os 52 pontos de IBU marcam presença, mas, como era de esperar, amaciados pelo malte, o que resulta em um conjunto bastante agradável. Notas cítricas (acerola) dão as mãos para o caramelado do malte criando um mix picante e ao mesmo tempo adocicado, que não chega a assustar quem tem medo de amargor, e faz sorrir lupulomaniacos (uma conquista difícil!). O final é suavemente amargo e cítrico, com um toque frutado. No retrogosto, o malte tostado retorna, soberano, sobre uma camada de amargor. Excelente.

sporro.jpg

Encerrando esse primeiro passeio pelas cervejas da Urbana com o (até agora) melhor rótulo deles: Sporro (Pra Quem Merece), uma deliciosa Extra Special Bitter com 6% de álcool e 33 de IBU que já tem MAPA e pode ser encontrada em bons empórios. De coloração âmbar caramelada, a Sporro exibe um creme alaranjado de boa formação e longa permanência. No nariz, lúpulos cítricos namoram o caramelado do malte tostado e inebriam o bebedor. Notas que remetem a laranja, maracujá e acerola se misturam a um leve toque de caramelado mais sugestão de resina. Na boca, o amargor potente do lúpulo encontra o chamego do dulçor do malte criando um conjunto adorável que replica as notas percebidas no aroma, com o caramelado acariciando o céu da boca sem apagar os traços cítricos. No final, caramelado e leve cítrico são a paulada final para viciar o bebedor. No retrogosto, resina e cítrico. <3

refrescado1.jpg

Balanço
Estrela do catálogo da Urbana, a Gordelicia é realmente uma delícia. No nariz, um perfil aromático instigante (frutado, condimentado e adocicado) antecipa um conjunto que, na boca, soa um tiquinho adocicado demais, percepção amaciada pelos 7.5% de álcool, que aquece a face, causa leve adstringência e faz sorrir. Conquista o bebedor com facilidade. Não pense duas vezes em leva-la pra casa. Já a Refrescadô de Safadeza é uma Session IPA respeitável – aquele tipo de cerveja perfeita para acompanhar churrascos e botecagem por sua baixa graduação alcoólica (4.5%), o que permite um longo tempo (sessão) de consumo – que, parece, ter optado não ir para as Índias, por isso deixou o amargor de lado e se contentou com as notas aromáticas ao nariz. O resultado é uma boa session beer (a menos India de todos as India Pale Ale do mercado), que não alcança o resultado de uma Founders All Day IPA Session Ale, mas tem estofo para conquistar paladares (incluindo não fãs de IPA). A Piscadinha (Pra Quem Tem Medo) é uma provocação interessante que, antes mesmo de abrir a garrafa, me trazia a memória as mind ale inglesas (tão bem revistas pela deliciosa Cara Preta, da Bodebrown), mas não tem nada a ver: o pessoal do Jabaquara optou por fazer uma Session Stout de pegada norte-americana, com lúpulo cítrico se sobressaindo ao caramelado do malte, e permanecendo após o final – mesmo com o baixo IBU. Uma proposta bem interessante. O mesmo não pode ser dito da Charlie Brown Ale, que me decepcionou. Praticamente despida de aroma, este American Brown Ale não consegue equilibrar as qualidades do lúpulo – necessárias ao estilo – com a inserção de lúpulo, deixando o conjunto sem profundidade. Tudo bem, uma prima corrige o equivoco: a Urbana Prima Pode, uma India Brown Ale, consegue a difícil tarefa de agradar aqueles que têm medo de amargor tanto quanto fãs da lupulina – um equilíbrio caprichado que consegue valorizar a tradição das brown ale e acrescentar algo. Excelente! Mantendo a excelência, a Sporro aposta na lupulagem do estilo britânico ESB, e soa tão boa quanto à tradicionalíssima Young’s Special London Ale. Quero outra!

refrescado2.jpg

Urbana Gordelicia
– Produto: Belgian Golden Strong Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 7,5%
– Nota: 3,33/5

Urbana Refrescadô de Safadeza
– Produto: Session IPA
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 4,5%
– Nota: 3,01/5

Urbana Piscadinha (Pra Quem Tem Medo)
– Produto: Session Stout
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 3,6%
– Nota: 3,03/5

Urbana Charlie Brown Ale
– Produto: American Brown Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 2,58/5

Urbana Prima Pode
– Produto: India Brown Ale
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,42/5

Urbana Sporro (Pra Quem Merece)
– Produto: Extra Special Bitter
– Nacionalidade: Brasil
– Graduação alcoólica: 6%
– Nota: 3,57/5

gordelicia1.jpg

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *