Três perguntas: Shotgun Wives

por Tomaz de Alvarenga

Durante a primeira noite da 19ª edição Goiânia Noise Festival, realizado entre os dias 6 e 8 de dezembro no Martim Cererê, uma banda nova reuniu um bom público apostando em um som que fugia do estilo praticado por boa parte das bandas do festival: o Shotgun Wives. O sexteto goiano, que mal completou um ano de idade, passeia com propriedade pelo folk e country, arrancando aplausos em uma apresentação que surpreendeu o público presente.

Com apenas um EP, “Hail to the Lizard King”, e um single, “Salt”, ambos disponíveis gratuitamente no Bandcamp da banda (http://shotgunwives.bandcamp.com/), o Shotgun Wives recheia os shows com versões improváveis de cançãos dos Beatles e do Motörhead. “A ideia era chocar mesmo”, conta Dan Mascarenhas (violão e voz). “Gostamos de colocar um timbre inesperado nas canções”, completa o baixista Pedro Falcão.

Abaixo, três perguntas para a banda logo após o show no Goiânia Noise:

O último grupo folk/country que vi surgir em Goiânia foi o The Ugly, há quase dez anos. Como é fazer este estilo em uma cidade conhecida pelo sertanejo e o stoner rock?
Dan: A gente sempre escuta muito folk, sem pensar no impacto que isso fosse resultar. Simplesmente quisemos gravar um som e colocar na internet para ver no que dava…

Pedro: Sempre curtimos folk, sempre quis ver alguma banda na cidade fazendo este som e nos perguntamos: Por que não nós mesmos? Nos juntamos e começamos a tocar músicas que gostávamos, gravamos um EP virtual e lançamos sem muita pretensão. Quando percebemos, já tinha muita gente indo aos shows.

Como surgiu a ideia para as covers? Imaginaria que tocariam Dylan, Travis, Cash, até mesmo Coldplay. Mas vocês desconstruíram “I Saw Her Standing There”, dos Beatles, e muita gente ficou boquiaberta com a versão de “Ace of Spades”, do Motörhead.
Dan: Sobre a cover do Motörhead, a ideia era essa mesmo: chocar todo mundo. Gostamos de ser estranhos (risos).

Pedro: Gostamos de colocar um timbre inesperado nas canções, um elemento diferente em cada uma delas, e no show isso não seria diferente. Beatles sempre foi uma grande influência, talvez não tão direta quanto Modest Mouse, Dylan e Cash, mas é algo que fez e faz parte da nossa vida.

Dan: Na verdade, há algum tempo fomos convidados para tocar em um programa chamado “Beatlemania”. Chamaram a gente, e o grupo oficialmente nem existia ainda. Nos reunimos, escolhemos a música e fomos lá tocar.

Pergunta: Como é ter um sósia de Johnny Depp na banda (risos)? E quais os próximos planos do grupo?
Pedro (sobre Esdras, o guitarrista): Gastamos uma grana pra deixá-lo assim, plásticas, apliques. Achamos ele no lixo e aprimoramos (risos).

Esdras: Na verdade o visual é homenagem ao cantor country Roy Rogers, grande influência minha.

Pedro: Quanto ao futuro, estamos começando a gravar um álbum (cheio), que deve ficar pronto em março de 2014. Pretendemos lançá-lo fisicamente e então tocar o máximo possível por aí.

– Tomaz de Alvarenga (@tomazalvarenga) é jornalista e especialista em pão de queijo (aqui)

Leia também:
– Goiânia Noise reflete uma cena local vasta e efervescente, por Marcelo Costa (aqui)

Três perguntas para:
– Constantina: “Música Instrumental esteve por muito tempo marginalizada” (aqui)
– Bárbara Eugenia: “São Paulo me fez cantar” (aqui)
– Stela Campos: “Sou uma colecionadora de discos à moda antiga” (aqui)
– Garotas Suecas: “Não vamos cantar em inglês para ‘conquistar os gringos’.” (aqui)
– Maglore: “Está cada vez mais difícil ser uma banda independente” (aqui)
– André Mendes: “Eu queria agora era fazer um disco leve e minimalista. Está feito” (aqui)
– Gaía Passarelli e Chuck Hipolitho falam do canal Gato & Gata (aqui)
– Russell Slater, editor do site britânico Sounds and Colours (aqui)
– Pedro Veríssimo: “A Tom Bloch nunca acabou, como muita gente pensa” (aqui)
– Explosions In The Sky: “Acho que você disse a palavra principal: emoção” (aqui)
– Oy: “Senti que a música deveria crescer, tornar-se mais abrangente” (aqui)
– John Ulhoa: “Agora vamos pensar um bocado em Pato Fu, e virá algo novo” (aqui)

2 thoughts on “Três perguntas: Shotgun Wives

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.