Boteco: Três cervejas da Brouwerij De Molen

demolen.jpg

por Marcelo Costa

A Brouwerij De Molen é uma premiada micro cervejaria, destilaria e restaurante localizada na área rural de Bodegraven, uma cidade com menos de 20 mil habitantes próxima a Utrecht, na Holanda. Fundada em 2004 dentro de um antigo moinho (De Molen, em dutch) construído em 1697, a cervejaria começou a chamar a atenção ao recriar receitas históricas (com uma pegada norte-americana) tanto quanto produzir um vasto catálogo baseado em círculos de produção extremamente curtos e sazonais. Em 2010, a Brouwerij De Molen entrou na lista de 100 cervejarias mais notáveis do mundo, segundo o Ratebeer, e seus rótulos continuam provocando o bebedor, já a partir da arte, simples e econômica, que remete a apresentação de remédios. São mais de 50 cervejas (vale a pena conferir o Beerography no site oficial), várias delas disponíveis no Brasil em preços que vão de R$ 16 a R$ 99 (garrafas de 330ml e 750ml).

lentehop.jpg

A De Molen Lentehop é uma IPA fermentada como Lager (muitos a definem como India Pale Lager) que reúne dois tipos de malte (Pilsener e Cara Barley) e quatro de lúpulo: Premiant e Saaz no começo, Columbus e Cascade no dry-hopping. De coloração dourada e espuma branquíssima, de bela formação e permanência, a Lentehop já chama a atenção através de seu aroma assim que a tampa é retirada, e notas cítricas e florais jorram para fora da garrafa. A sensação é de estranhamento, pois a combinação dos quatro lúpulos cria um conjunto de muita personalidade que remete a coisas como torta de abacaxi ou geleia quente de maçã-verde. O malte bate ponto, caramelizado, mas é atropelado pelo cítrico e pela acidez intensos que remete a maracujá, casca de laranja e limão Tahiti – ainda há sugestão de especiarias. No paladar, leve e de textura frisante, a acidez se destaca com o amargor (IBU 38), o salgado e o adocicado surgindo praticamente juntos na sequencia, resultando em uma cerveja altamente refrescante (6,2% de álcool imperceptíveis), um pouco caramelada e bastante cítrica, como se fosse uma torta de limão com maracujá e abacaxi. O final é suavemente amargo enquanto o retrogosto traz uma tonelada de frutas cítricas. Saborosa e bem interessante (com fish & chips deve ser o paraíso).

rye.jpg

Já a De Molen Rye IPA Cascade-Amarillo é uma American India Pale Ale sazonal produzida com centeio, maltes Pale Barley e Cristal, e quatro tipos diferentes de lúpulo (Oat e Premiant para p amargor, Cascade e Amarillo no Dry Hopping). De coloração âmbar e espuma levemente bege, de ótima formação e permanência, a Rye IPA Cascade-Amarillo valoriza o contraste dos lúpulos do dry-hopping com o malte e o centeio alcançando um resultado provocante. No aroma, inicialmente se percebe notas cítricas (maracujá, abacaxi, casca de laranja, uva verde), mas rapidamente na sequencia surge o melaço do malte adicionando notas herbais que lembram (com intensidade) a chimarrão, pinheiro e grama, notas adocicadas (caramelo e mel), além de resina. No paladar, o amargor é comportado (ainda mais para uma IPA), mas presente (IBU 41). A acidez também aparece, mas de forma bem suave. A sensação de notas herbais, remetendo a chá e chimarrão, aumenta de intensidade enquanto o malte (toffee) surge para equilibrar o conjunto. Os 6,6% de álcool são imperceptíveis em uma cerveja que provoca o bebedor (tanto no aroma quanto no paladar) e que traz um final é suave e herbal enquanto o retrogosto, não tão intenso, remete a algo de cítrico.

tsarina.jpg

A Tsarina Esra Imperial Porter (presente do amigo Leonardo Dias) é uma versão poderosa das porters que os britânicos enviavam para os Balcãs (que, por sua vez, era mais forte que a tradicional porter inglesa). Na receita desta versão holandesa, cinco tipos de malte (Pilsner, Munich, Chocolate, Wheat e Cara Barley) e dois tipos de lúpulo (Sladek e Premiant) resultam em uma cerveja de coloração preta, de espuma bege, de ótima formação e permanência. O aroma é divino. O malte torrado se faz presente, mas as notas características do estilo que remetem a café quase desaparecem frente a uma doçura melada que pode viciar o bebedor. Lembra cappuccino ou, mais precisamente, café com leite morno. É possível perceber notas herbais (pinho), um leve frutado (ameixa), madeira e álcool (11% comportadíssimos). No paladar, a textura é áspera e o corpo, alto. O ataque de malte torrado é extremamente suave para uma Porter (mesmo que imperial). Há notas adocicadas que remetem a chocolate e percepção de resina e madeira. O amargor é um capítulo à parte: a taxa de IBU é de 93 (consta que após 60, as papilas não distinguem diferenças), mas parece 20 de tão suave. Conforme a temperatura sobe na taça (e no corpo), ela melhora, e melhora muito. O café marca presença (finalmente) no final, com pontadas de achocolatado, e retorna no retrogosto, extremamente marcante. Uma cerveja espetacular.

De Molen Lentehop
– Produto: Indie Pale Ale
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 6,2%
– Nota: 3,75/5

De Molen Rye IPA Cascade-Amarillo
– Produto: Indie Pale Ale
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 6,6%
– Nota: 3,49/5

De Molen Tsarina Esra Imperial Porter
– Produto: Imperial Strong Porter
– Nacionalidade: Holanda
– Graduação alcoólica: 11%
– Nota: 4,93/5

demolen1.jpg

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *