Do México: quatro cervejas da Calavera

calavera.jpg

por Marcelo Costa

Surgida em 2009 em Tlalnepantla de Baz, município com 700 mil habitantes a meia hora da Cidade do México, a Cervecería Calavera levanta a bandeira da Cerveza de Autor (título incluso em todos os rótulos da casa) e se declarando “um laboratório de sabores que pretende explorar novas dimensões gustativas da cerveja”. A ousadia já rendeu alguns prêmios aos mexicanos como uma Medalha de Ouro no US Open Beer Competition 2011 (para a Calavera Mexican Imperial Stout) e outras duas medalhas douradas na mesma competição em 2012 (para a LoveCraftBeer e a Yule). No cardápio da casa, 16 rótulos, sendo que cinco já podem ser encontrados com certa facilidade no Brasil (em bons empórios – online ou não): Calavera Mexican Imperial Stout, Calavera Witbier, Calavera Dubbel de Abadía, Calavera Tripel de Abadía e Calavera American Pale Ale, todas entre R$ 16 e R$ 24 (garrafa de 355 ml).

ca_pale2.jpg

A Calavera American Pale Ale é uma cerveja que leva a sério o conceito das APAs chocando lúpulos norte-americanos Cascade com levedura britânica (além de água de manancial e malte de cevada). Na taça, uma espuma exuberante e permanente se destaca sobre uma cerveja na fronteira entre o dourado e o âmbar. No aroma, lúpulos e levedura saem no tapa para ver quem ganha a primeira sensação de percepção do bebedor, e é justo apontar empate em um conjunto que exibe muito cítrico (maracujá, abacaxi, lima), certa dose de condimento (semente de cravo), intensas notas herbais (camomila) e maltadas (trigo). No paladar, a levedura sai na frente despejando acidez enquanto o lúpulo colabora com um tiquinho de amargor (que aumenta na sequencia) quase apagando a doçura. Sobra até um pouco de salgado pelo caminho. O final é seco e rápido, e o retrogosto cítrico e frutado. Bem boa.

ca_dubell.jpg

Friozinho? A Calavera Dubbel de Abadia cai bem. Desta vez, os mexicanos apostam na união do tradicional lúpulo Saaz com as rebeldes leveduras belgas. Na taça, o liquido marrom claro recebeu uma ótima formação de espuma, com boa permanência. No aroma, muito malte em notas frutadas (ameixas), adocicadas (baunilha, caramelo, melaço) e alguma coisa que remete a amadeirado. No paladar, a textura levemente licorosa traz o adocicado em primeiro plano e esquenta a garganta sem mostrar tanto a presença do álcool (são 6,4%). Há uma leve picância e também um leve salgado, mas quase nada de amargor (se você sentir algo, “culpe” o álcool). As notas frutadas e adocicadas que aparecem no aroma retornam com delicadeza no paladar (bastante ameixa e baunilha). O lúpulo é responsável por cortar a doçura no final da dose, mas ela retorna suavemente no retrogosto. Aqui funcionou muito bem com carnes defumadas.

ca_wit.jpg

A Calavera Witbier reúne malte de trigo, malte de cevada, lúpulo Saaz, levedura belga além de laranja e coentro. Na taça, um liquido de cor dourada, de intensa turbidez a frio, apresentou uma espuma tímida, que desapareceu logo na sequencia. No aroma, muito cítrico (laranja, lima, limão) e condimentado (coentro) convivem ao lado de adocicado (caldo de cana e trigo), do floral e da presença ilustre da levedura dispersando acidez. O paladar é levíssimo e saboroso. A acidez chega a fazer a primeiro ataque, mas o cítrico surge com força na sequencia e se sobressai, mas o final, interessantíssimo, é dominado pelo dulçor. O retrogosto consagra o cítrico em uma cerveja deliciosamente refrescante e perfeita para dias quentes e pratos leves (saladas, peixes, frutos do mar, sushi e ceviche). Tão boa e, em alguns pontos, melhor do que algumas representantes belgas.

ca_mexi.jpg

Encerrando o passeio pelas “cervezas de autor” da Calavera com a poderosa Mexican Imperial Stout, uma cerveja escura de 9% de graduação alcoólica e… pimentas selecionadas (não podia faltar). Uma espuma bege abundante e de boa permanência se formou no copo enquanto no aroma é possível perceber (ainda que timidamente se comparada a nomes famosos do estilo) as notas clássicas derivadas de malte torrado: café intenso, chocolate de forma discreta mais caramelo, passas e frutas secas. A pimenta aparece levemente no aroma, mas mostra sua força mesmo no paladar. Ainda assim, o primeiro ataque exibe um equilíbrio, com a doçura surgindo em primeiro plano e, segundos depois, sendo dominada pela acidez e pelo condimentado. O final é seco e quente (a pimenta e o álcool aquecem) enquanto o retrogosto é levemente adocicado. Para acompanhar chilli deve ser uma maravilha.

Calavera American Pale Ale
– Produto: American Pale Ale
– Nacionalidade: México
– Graduação alcoólica: 5,3%
– Nota: 3,14/5

Calavera Dubbel de Abadía
– Produto: Belgian Dubbel
– Nacionalidade: México
– Graduação alcoólica: 6,4%
– Nota: 3,29/5

Calavera Witbier
– Produto: Witbier
– Nacionalidade: México
– Graduação alcoólica: 4,8%
– Nota: 3,42/5

Calavera Mexican Imperial Stout
– Produto: Russian Imperial Stout
– Nacionalidade: México
– Graduação alcoólica: 9%
– Nota: 3,35/5

calavera2.jpg

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.