Entrevista: Maskavo

por Marcos Paulino

O reggae já teve momentos de maior expressão no Brasil. Prata, guitarrista da banda Maskavo, acredita que essa última boa fase do gênero aconteceu em 2006, quando ele, Marceleza (voz) e Bruno Prieto (baixo) lançaram “Transe Acústico”. Nessa época, “Desenho de Deus”, de Armandinho, estava bombando, e outros artistas do segmento pegaram carona.

A Maskavo surfou nessa onda pelos três anos em que durou a turnê do acústico. Porém, chegou a hora de fazer um novo disco, que demorou, mas saiu. O recém-lançado “Maskavo Lovers Rock”, sexto álbum desde que a banda abandonou o sobrenome Roots, em 2000, encontra um cenário musical bastante diferente para o reggae, agora com espaços bem mais tímidos. Entretanto, para Prata, as coisas vão mudar. E para melhor, como ele defende nesta entrevista.

Por que vocês ficaram um período tão longo sem lançar um disco novo?
A turnê do DVD acústico se estendeu por três anos. Viajamos muito, e não deu tempo de compor. Depois do final da turnê, em 2009, tiramos férias, e só então voltamos a fazer músicas, em 2010. Em 2011, começamos a gravar, de forma independente, usando o dinheiro que ganhamos dos shows.

Então, na verdade, além da turnê longa, o processo de gravação também levou bastante tempo?
Começamos a gravar em agosto de 2011 e só terminamos em dezembro, porque tivemos uma turnê no Japão.

Quando se demora tanto tempo para gravar um disco, as ideias vão mudando durante o processo?
Durante a preparação do disco, tivemos bastante tempo pra conversar sobre o que queríamos, e também para elaborar bem os arranjos. Quando chegamos ao estúdio, já sabíamos o que fazer. E nosso produtor, o Rodrigo Sanches, tinha acabado de trabalhar com bandas de fora do país e trouxe muitas coisas legais.

Como você vê a cena reggae neste momento, em comparação com 2006, quando vocês lançaram o trabalho acústico?
Em 2006, o momento era muito bom pro reggae, tinha muitos artistas tocando nas rádios. Hoje o sertanejo universitário tomou conta de muita coisa. Mas, além da gente, há outras bandas lançando ótimos discos, e acho que o reggae deve voltar a aparecer mais na mídia.

Não é só impressão, portanto, que o reggae já esteve muito mais em evidência no Brasil?
Por vários motivos, há aquelas ondas que vem e passam. O reggae teve uma onda muito forte em 2006 e 2007. Acho que agora vamos ocupar um espaço grande novamente, estamos torcendo pra isso. Na internet, há várias rádios de reggae, então os fãs têm muitos lugares pra ouvir.

Você consegue identificar um motivo para esse vai e vem?
Isso acontece com vários gêneros. São vários fatores que levam um estilo a aparecer ou não. O principal deles é o gosto do público. É impossível adivinhar o que a galera vai querer ouvir. Quando lançamos um disco, esperamos que caia em bons lugares pra ter bons frutos. Isso acontece com todo artista de qualquer segmento. O sertanejo universitário tomou os espaços de assalto geral, mas o gosto do público vai mudar e as pessoas vão querer ouvir outras coisas. É preciso estar preparado pra isso.

Que história é essa de “lovers rock”?
As músicas que fizeram mais sucesso do nosso repertório falam de amor. O nome do CD nós tiramos de um movimento de reggae dos anos 70. Antes, o reggae falava muito de protesto. Aí apareceu um pessoal falando mais de amor, que foi chamado de “lovers rock”. Nos identificamos muito com isso.

Que outras influências vocês foram buscar?
A gente experimenta bastante a sonoridade. Neste disco, procuramos usar violão em umas faixas e arriscamos uma batida mais lenta em outra. Também apostamos muito no dub, no delay. Tem uma música em que usamos bastante percussão com batida brasileira.

Quais os próximos passos da Maskavo?
O disco começou a chegar às lojas em dezembro. Mandamos fazer 10 mil CDs, que esgotaram, então fizemos mais 10 mil. Vamos seguir na divulgação do disco, e no meio do ano vamos gravar um show pra virar um DVD em 2014.

******
Marcos Paulino é jornalista e editor do caderno Plug, do jornal Gazeta de Limeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.