Bootlegs: Patti, Neil e Wedding Present

por Marcelo Costa

“Easter Rising, Oregon, 1978”, Patti Smith (Leftfield Media)
“Live in Germany, 1979”, Patti Smith (Immortal)

Em janeiro de 1977, ao rodopiar no palco num show na Flórida, Patti Smith caiu de uma altura de três metros, quebrou vertebras, ferrou o pescoço, precisou cancelar a turnê europeia que faria em seguida e reavaliar a vida. Pouco mais de um ano depois lá estava ela em Oregon tocando o repertório do recém-lançado “Easter” em show transmitido por uma rádio. “Easter Rising” abre com o poema “The Salvation of Rock” (presente no livro “Babel”) e emenda com a poderosa “Babelogue / Rock’n’Roll Niger”. A fúria punk do Patti Smith Group rende versões honestas e deliciosas de “Kimberly”, “Redondo Beach” e “Space Monkey” (em que o momento é mais importante que a técnica), covers de “The Kids Are Alright” (The Who), “Be My Baby” (Ronnetes) e “It’s So Hard” (John Lennon) e um final de noite apoteótico com “Because The Night”, “Gloria” e “My Generation”. Um ano depois, o Patti Smith Group baixava no Reino Unido prestes a lançar seu quarto álbum, “Wave” (que saiu em maio de 1979). Gravado em abril, “Live in Germany, 1979” traz o grupo testando ao vivo o material do vindouro álbum com Patti Smith abrindo o show com sua cover de “So You Want to Be (A Rock ‘n’ Roll Star)”, do Byrds, e enfileirando canções fresquinhas como “Dancing Barefoot”, “Hymn”, “Seven Ways of Going”, “Frederick” e “Revenge” ao lado de versões encorpadas para “Rock’n’Roll Niger”, “Redondo Beach”, “Pumping (My Heart)”, “25th Floor” e “Because The Night” além de um cover de “Jailhouse Rock” (de Leiber e Stoller, do repertório de Elvis). Para o final, em versões matadoras, novamente “Gloria” e My Generation”.

Preço em média: R$ 50 (importado)
Nota: 8

Leia também:
– Um passeio no East Village e Patti Smith, por Thiago Pereira (aqui)
– Patti Smith é o símbolo de um tempo que não existe mais, por Marcelo Costa (aqui)

“Cow Palace 1986”, Neil Young (Leftfield Media)
O Cow Palace é uma arena para 12 mil pessoas em Daly City, na Califórnia, cidade vizinha a São Francisco, que recebeu o primeiro show dos Beatles nos Estados Unidos na turnê de 1964, viu Keith Moon desmaiar no meio de um show do The Who em 1973 (devido a uma overdose de tranquilizantes para cavalo) e é também o local em que boa parte do álbum “Live Rust” (e o DVD “Rust Never Sleeps”), de Neil Young, foi gravado em 1978. Oito anos depois lá estava Neil no mesmo palco, novamente escorado pela Crazy Horse, prestes a retornar seu modus operandi de rei do barulho (posto colocado em xeque com uma sequencia de álbuns pouco convencionais no começo da década de 80). Apesar de ser um show três meses após o lançamento do álbum “Landing on The Water”, em que Neil se aproximava da new wave, “Cow Palace 1986” é uma usina de barulho que em 25 músicas exibe boa parte do repertório do que viria a ser “Life”, álbum que seria lançado apenas em julho do ano seguinte. Estão aqui as porradas “Too Lonely” e “Prisoners of Rock ‘N’ Roll” , o longo (e lindo) country “Inca Queen” e a baladaça “Long Walk Home” (com uma gaita de chorar), faixas então inéditas intercaladas a clássicos como “The Needle and the Damage Done”, “Heart of Gold”, “Down by the River”, “After the Goldrush”, “Like a Hurricane”, “Cortez the Killer” e “Hey Hey, My My” (e também estranhas no ninho com “Sample and Hold” e “Computer Age”, as duas de “Trans”, 1982, álbum em que Neil emulava o… Kraftwerk – com vocoder e tudo) tocados com fúria e paixão.

Preço em média: 45 (importado)
Nota: 8,5

Leia também:
– “Live in Chicago 1992”, Neil Young: versões cruas e emocionais (aqui)
– “Dreamin” Man Live 92”, Neil Young: Um disco para ouvir por mais dezoito anos (aqui)

“Live 1990”, The Wedding Present (Scopitones)
Quarto volume da reedição da série “Official Live Bootleg” – lançada originalmente em fita cassete e vendida em shows pela banda no começo dos anos 90 – e precedida por “Live 1987” (registro de shows em Leicester e Munique), “Live 1988” (apresentações em Roterdã e Valencia) e “Live 1999” (Manchester e Frankfurt), “Live 1990” flagra a primeira apresentação do grupo de David Gedge nos Estados Unidos (em New Jersey) e um show em Londres. O primeiro show abre com uma afiada “Don’t Talk, Just Kiss” e já inclui canções que iriam compor a safra do álbum “Seamonsters”, que o Wedding Present gravaria com Steve Albini no ano seguinte, como “Corduroy”, “Make Me Smile (Come Up and See Me)”, “Crawl” e “Heather”, em que é perceptível certa mudança (a desaceleração) nas composições de Gedge. Os hinos da primeira fase do grupo marcam presença (“Kennedy”, “Brassneck” e “Bewitched”) em um show direto, sem firulas (o som, meio abafado, deixa tudo mais sujo do que realmente é). Cinco meses depois a banda se apresentava em Londres, e já abria o show com uma então canção nova, “Dalliance”, e continuava espalhando pelo set list faixas inéditas como “Dare” e “Niagara” sem esquecer os hits “Don’t Talk, Just Kiss” (aqui em melhor versão) e, claro, “Kennedy”, “Brassneck” e “Bewitched”. Destaque para “Everyone Thinks He Looks Daft”, que abre o primeiro álbum da banda, “George Best” (1987). A qualidade do som (principalmente da bateria) é muito melhor neste segundo registro, o que até permite focar a atenção nas boas letras românticas de David Gedge, um eterno apaixonado desastrado e compulsivo.

Preço em média: R$ 40 (importado)
Nota: 7

Leia também:
– “Live 1987″, Wedding Present, por Marcelo Costa (aqui)
– “El Rey”, The Wedding Present: para ouvir e se apaixonar, por Marcelo Costa (aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.