Sob o CEL: Ringo Starr e a Microhistória

Sob O CEL #7
por Carlos Eduardo Lima

Você sabe o que é microhistória? Eu te conto: é um gênero de pesquisa dentro do estudo da História, empreendido pelos italianos Carlo Ginzburg e Giovanni Levi, cujo propósito é explicar contextos sociais, econômicos, políticos, entre outros, a partir da observação mais reduzida possível. Grosso modo, é como definir toda uma sociedade ou grandes aspectos dela a partir do estudo de um grupo reduzido de pessoas ou mesmo de um indivíduo. Foi nesse conceito que pensei durante todo do show de Ringo Starr e sua All-Starr Band no palco do Citibank Hall lotado (15/11/11). Senão vejamos.

Ringo é, por definição, um coadjuvante. Essencialmente, o baterista, por mais que seja imprescindível para uma banda de rock existir, é uma figura que tende ao status de eminência parda. Salvo raras exceções, o sujeito que fica lá atrás espancando os tambores é um cara menos importante que o guitarrista principal ou o vocalista. Ringo sempre soube disso e, desde o início dos Beatles, pediu para que seu set de bateria fosse colocado num plano mais elevado, sob a desculpa de que queria ver a platéia. Bem, na verdade, Richard Starkey queria ser visto também. Mesmo assim, ele nunca venceu a condição de Beatle menos importante, chegando a ser detonado por muita gente que duvidava de seu talento como baterista.

Porém, Ringo sempre foi um excelente músico e sua presença foi decisiva para que os Beatles fizessem a revolução sonora que se viu a partir de 1965. Até então, o lance era ditar o ritmo das levadas, algo em que, diga-se de passagem, ele é um dos melhores de todos os tempos. Poucos bateristas são tão precisos e capazes de segurar um andamento como Ringo. Para os detratores da criatividade do homem, basta uma audição mais cuidadosa de canções como “A Day In The Life”, “Strawberry Fields Forever”, “Taxman”, “Tomorrow Never Knows”, “I Want You”, “Sexy Sadie”, “Helter Skelter”, enfim, um monte de músicas dos Beatles que têm a centelha de inventividade de Ringo, em criações só dele.

O “detalhe” é que Ringo estava numa banda liderada por dois gênios, cada um a seu modo, que roubavam toda a atenção, além da presença discreta, porém marcante, de um cara como George Harrison. Restava a Ringo ser o “boa praça”, o “engraçado”. Pois bem, os Beatles acabaram em 1970 e cada um deu início à sua respectiva carreira solo. Se analisarmos as trajetórias solo de John, Paul, George e Ringo, elas são, como diriam os professores de geometria, opostas pelo vértice. A origem é comum e inescapável, mas os rumos foram distintos.

Paul montou os Wings, desmontou, gravou discos corretíssimos, alguns clássicos e sempre privilegiou a melodia. John montou a Plastic Ono Band, colocou pra fora seus demônios, desmontou a banda e pariu outros clássicos. George gravou aquele que pode ser o melhor disco de um ex-Beatle, “All Things Must Pass”, além de outros trabalhos muito bonitos, se engajou nas causas sociais, colecionou amigos e carrões. Nosso amigo Ringo gravou um belo tributo às canções que seus pais gostavam em “Sentimental Journey”, com produção de Quincy Jones, além de um belo disco em 1973, chamado simplesmente “Ringo”, com participação de seus ex-companheiros de banda e um monte de amigos. A vida em conjunto nos 60’s, no entanto, sempre os manteve juntos e em termos de comparação, novamente Ringo perdeu para seus ex-colegas.

Na verdade é injusto dizer que “Beaucups Of Blues” e “Goodnight Vienna” são discos discretos, mas Ringo só voltou a gravar álbuns interessantes nos anos 90, com “Time Takes Time” (1992) e “Vertical Man” (1998). Depois vieram os bons “Ringorama” (2003), “Liverpool 8” (2008) e o cortante “Y Not” (2010), que traz parceria com Van Dyke Parks, o letrista de “Smile”, dos Beach Boys, além de Paul McCartney e Joss Stone. Entretanto, o que mantém Ringo em forma e nos palcos é sua All Starr Band. O conceito de uma banda rotativa, liderada por Ringo, pertence ao produtor David Fishof. Com experiência de sobra no ramo do showbiz, Fishof apresentou a idéia a Ringo no distante ano de 1989, chegando a produzir shows da banda até 2003. O próprio conceito é uma vingança com as chamadas “primeiras divisões do rock”.

Se Ringo foi coadjuvante nos Beatles, é possível dizer que, salvo poucas exceções, todos os músicos que participaram e participam da All Starr Band são, de alguma forma, coadjuvantes do próprio rock’n’roll. Gente que figurou em bandas de sucesso, mas não era o mais carismático de seus integrantes; gente que emplacou um ou dois hits em toda a carreira; gente que estava no mais profundo ostracismo, gente talentosa e injustiçada, enfim, um bando de músicos com muita vontade de subir no palco e acertar contas com a vida, com o destino e tudo mais. Não é brincadeira, gente, tudo isso é muito sério.

Imagine Peter Frampton. O cara dominou o mundo em 1976/78. Era jovem, bonito e talentoso o suficiente para ir adiante com seu “Frampton Comes Alive”, um dos discos ao vivo mais famosos e vendidos da história do rock. Que nada. Frampton caiu no ostracismo ao longo das décadas de 1980/90, gravando discos esporádicos e integrou a All Starr Band em 1997. Gente como Todd Rundgren, Billy Preston, Randy Bachman, Felix Cavaliere, Nils Lofgren, Simon Kirke, Eric Carmen, Joe Walsh, Clarence Clemmons, Greg Lake, Howard Jones, Colin Hay, entre muitos outros sujeitos das segundas e terceiras divisões do rock, já estiveram nas fileiras do projeto. Mais impressionante é ver que gente graúda como Levon Helm e Rick Danko (The Band), Jack Bruce (Cream), John Entwistle (The Who) e Dr.John também já bateram ponto por lá. Explica-se: Ringo é, de fato, um boa praça e todo mundo parece gostar muito dele.

O que depreendemos de tudo isso? Claro que a All Starr Band, cujo mote é que “todos os participantes têm seu momento de estrela”, é uma formação para fazer justiça e se divertir. A atual encarnação, apesar de ser a mais fraca, também segue esse lema e traz o baterista Greg Bissonette, os guitarristas Wally Palmar (The Romantics) e Rick Derringer (The McCoys); os tecladistas Edgar Winter (solo) e Gary Wright (Spooky tooth, solo); o baixista Richard Page (Mr.Mister) e o percussionista multitarefas Mark Rivera. Cada um deles assume a função de frontman ao longo da noite e pequenos lados-B são enfileirados no palco para a lembrança fugidia de uns e outros, na base do “ah, eu conheço essa música!”. A sensação vem em “Talking In Your Sleep” e “What I Like About You” (Romantics), “Hang On Sloopy” (The McCoys), “Dream Weaver” e “My Love Is Alive” (Gary Wright) e na colossal “Free Ride”, de Edgar Winter, que também estraçalha tudo em “Frankstein”. Mesmo as babinhas “Kyrie” e “Broken Wings”, do Mr. Mister, não fazem feio – dentro do contexto.

A estrela (trocadilho não-intencional, vejam) é mesmo Ringo, que está em forma do alto dos seus 71 anos. Ele usa e abusa do carisma nato e conquista a platéia em questão de segundos. Manda bala em canções dos Beatles – “I Wanna Be Your Man”, “Act Naturally”, “Boys”, “Yellow Submarine” e “With A Little Help From My Friends”, que vem emendada com “Give Peace A Chance”, de um tal de John Lennon. Versões particularmente legais de “Photograph”, jóia composta por George Harrison em 1973, e da cover dos tempos de Liverpool para “Honey Don’t”, de Carl Perkins, atestam a diversão na platéia e no palco.

Um show de coadjuvantes, gente que viu de perto a fama e a fortuna do rock, que perdeu bondes, tomou decisões erradas, pensou uma coisa e fez outra, viu o bonde virar a esquina, gente que se tornou “has been”, enfim, gente que deu a volta por cima, fazendo o que mais gosta, talvez salvando da lama rasteira do showbiz uma lição de persistência, perseverança e autoconfiança. Posso estar equivocado, mas Ringo Starr e sua All Starr Band são exatamente isso. É justo que ela exista e leve multidões formadas por gente que curtiu tudo isso há tempos.

CEL é Carlos Eduardo Lima, historiador, jornalista e fã de música. Conhece Marcelo Costa por carta desde o fim dos anos 90, quando o Scream & Yell era um fanzine escrito por ele e amigos, lá em sua natal Taubaté. Já escreveu no S&Y por um bom tempo, em idas e vindas. Hoje tem certeza de que o mundo como o conhecíamos acabou lá por volta de 1994/95 mas não está conformado com isso.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE CARLOS EDUARDO LIMA NO SCREAM & YELL

31 thoughts on “Sob o CEL: Ringo Starr e a Microhistória

  1. Depreende-se do texto, e muito bem, que a capacidade técnica de Ringo como baterista, e até composicional, sempre foi um pouco subvalorizada. Ele não foi o tipo de instrumentista do qual se dizia que os Beatles eram John, Paul, George e mais um. Para além das já citadas, Ringo fez a diferença em “Ticket To Ride” (um equilibrista genialmente desiquilibrado), “I Am The Walrus” (num registo épico) ou até “Hello Goodbye” (lúdico). Convém não esquecer que o ábum “Ringo”, de 1973, continha a excelente parceria com George Harrison: “It Don´t Come Easy”, “Back off Boogaloo”, inspirada numa visita para jantar de Marc Bolan, ou “I´m The Greatest”, canção cedida por John Lennon. Realmente, a boa natureza das canções de Ringo Starr assumiu maior eficácia nos anos 90 e 2000, por via dos discos “Time Takes Time” ou “Ringorama”. Parabéns pelo excelente artigo.

  2. Sempre achei Ringo o bobo da corte.
    Acho que ele serviu mais como apaziguador dos ânimos entre os outros três – principalmente Lennon e MacCartney.
    Posso estar sendo bem injusto com o cara, mas é essa a impressão que ainda tenho.
    O Lennon, na biografia escrita pelo Philip Normam, teria dito.
    “Vou cuidar do Ringo enquanto for vivo.” rsrsrsrs
    Gostei muito dessa parte, Cel:
    “Gente que estava no mais profundo ostracismo, gente talentosa e injustiçada, enfim, um bando de músicos com muita vontade de subir no palco e acertar contas com a vida, com o destino e tudo mais. Não é brincadeira, gente, tudo isso é muito sério.”

    PS: Dogville é um bom exemplo cinematográfico de microhistória.

  3. Ah, independente da opinião que se possa ter sobre ringo (e eu, como fã dos quatro) gosto, o texto é muito bom. daria um bom argumento para um filme, ou um romance,

  4. para continuar na referência histórica, ringo e sua all starr band fazem [muito bem] uma bela história dos “vencidos”. ótimo texto, especialmente pelas referências à história, ginzburg e levi. os microhistoriadores [como eu] agradecem e se inspiram!

  5. Excelente texto. Fiquei arrependido de não ter ido, eu adoro The Romantics. Fico pensando também se o Ringo fosse um excelente instrumentista e colocasse solos de bateria e punhetas em excesso, se seria bom para os Beatles.

  6. Aí é que está a questão, gente: o Ringo era o baterista ADEQUADO para a banda. Lembrem-se que ainda não havia uma estética de solos e pirotecnias instrumentais, o que nunca foi a praia do cara. Na função coadjuvante, Ringo era soberano. Outro bom exemplo disso é o próprio Charlie Watts, nos Stones. São músicos que complementam, aparecem discretos, fazem escada e que são absolutamente imprescindíveis.

  7. Eu jamais defenderia que um cara tipo Neil Peart seria melhor para os Beatles.
    Agora, já pensaram o John Bonham lá? Nossaaaa! Na segunda fase dos caras então…
    Querer exaltar o Ringo por ser um baterista meia boca não me parece lógico.
    Cel, Charlie Watts é um puta batera. Toca na manha, com classe. Influência total do jazz.
    Ser discreto é uma coisa, ser banal é outra.

  8. Pra fazer algo super bom em termos de arte não precisa ser técnico. Baterista meia boca é quem não segura ritmo. Se for comparar as qualidades técnicas dos Beatles e do Rush por exemplo seria covardia mas, inversamente proporcional a importância das duas para o mundo e para os músicos que vieram depois.

  9. Vi um show do Ringo no Multishow HD e achei bem fraco… Sei lá, fiquei com a impressão de que ele era um jogador de futebol que decidiu cantar. Saca?

  10. Arlen, nem do Rush eu gosto – foi só pra citar um batera reconhecido por sua exuberância técnica.
    Cel, o Ringo não comprometeu o som dos Beatles. Não há dúvida em relação a isso.
    Mais que um batera melhor melhoraria o som dos caras acho que também não resta dúvida.

    PS: Eu não iria a um show desses nem de graça.

  11. Cara, não vou tentar mudar a sua opinião quanto ao assunto. Cada um tem suas preferências e ponto final. A defesa do Ringo como músico não passa por dizer que ele é meia-boca ou algo assim, é dizer que ele é um excelente baterista, da rara espécie dos não-firuleiros, seguradores de ritmo e que jogam pro time. Se ele era o mais discreto numa banda de gênios…pena.

  12. Novamente acho que vc confunde discrição com falta de recursos, meu caro Cel.
    Tb discordo que bateristas não firuleiros sejam uma espécie rara. Tá cheio de batera bom que tem a concisão como norte por aí.
    No mais, a defesa ou o ataque ao Ringo não passa por palavras e sim pelo som. Basta ouví-lo.
    Pelo meu parâmetro de bom baterista acho-o meia boca.
    Ponto final pra mim tb.

    Abraço

  13. Definir Ringo Star como “baterista meia boca” é tão absurdo como taxá-lo de gênio. Se não fosse pelo menos um bom baterista, os Beatles não teriam produzidos as maravilhas que fizeram. No mais, em canções como “Rain”, “Tomorrow Never Knows”, “In My Life”, “A Day in the Life”, “Helter Skelter”, entre outras, vemos ele criando novas maneiras de se trabalhar as baquetas. Sim, outros bateristas foram mais virtuosos, mas Ringo tem seu lugar na história.
    Como cantor e compositor a história é outra. É claro que sua voz anasalada deu colorido especial a pérolas como “With a Little Help With My Friends” e “Yellow Submarine”. Suas tentativas de composição nos Beatles foram até legais (“Don´t Pass me By” e “Octopus Garden”), mas não estão entre os clássicos do rock como a maior parte do catálogo do fab four. Sua carreira solo teve lá seus bons momentos, mas nada mais.

  14. Ringo teve seus bons momentos, claro, mas se vcs já ouviram outras bandas fazendo covers dos Beatles sabem que o baterista poderia ser um pouco melhor.

  15. Falam mal do Ringão, que não sabe tocar, que sempre foi um nada, dentro dos Beatles. Eo Phil Rudd, do AC/DC?? Por um acaso, ele é um baterista, que faz viradas, complexas, ou complicadas??? O AC/DC, é minha banda de rock favorita, mas eu sempre achei o Phil, um batera limitado. Tudo bem, o AC/DC, é uma banda, que o instrumento mais importante, é a guitarra, mas umas viradas, mais inteligentes, e criativas, seria fundamental. Os Beach Boys, sempre foram, uma bandinha pop, e berega, e nunca, niguém, falou mal deles. Quem não gosta, do Ringo, foda-se. Ele é o cara!!

Deixe uma resposta para Arthur Matos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.