CDs: Gold Motel e Rod Jones

por Adriano Mello Costa

O exercício do devaneio pode ser mais ou menos esse: o Cardigans encontrou o Camera Obscura em algum dia de verão na Califórnia contemplando o sol e o mar. Se apaixonaram. Amor de verão a primeira vista, se é que você acredita nisso. Como fruto desse enlace tiveram uma linda filha chamada Gold Motel, que resolveu não só seguir o caminho dos pais, como também dos avôs chamados Beach Boys, The Kinks e The Monkees.

Devaneios a parte, o quinteto Gold Motel – que estréia em 2010 com este “Summer House” – parece realmente o resultado dessa mistura. Sua vocalista e tecladista Greta Morgan deixou de lado sua banda, The Hush Sound, e partiu para viagens mais pop’s e ensolaradas junto com E. Hehr (guitarra), Dan D. (guitarra e vocais), Matt Minx (baixo) e Adam Coldhouse (bateria). O resultado é um trabalho deliciosamente alegre e descompromissado.

São apenas 10 faixas e a metade já era conhecida do EP lançado ano passado, que ganharam uma roupagem um pouco melhor aqui. Com exceção de “Who Will I Be Tonight?”, todo o registro é para cima, ideal para começar bem o dia. As letras, quase todas de autoria de Greta Morgan, não destacam muitos temas e tratam basicamente do cotidiano e de amores em geral. Nada muito complexo para uma proposta musical que não pede isso.

Em “Make Me Stay”, que abre com um teclado pulsando, por exemplo, a vocalista canta: “Eu não sei fugir do amor (…) Você não vai mudar meu coração? (…) Você não vai me fazer ficar?”. Em “The Cruel One”, outra que vem puxada por teclados, o tom já é meio melancólico, com versos como “Eu estava usando a solidão e agora ela está me usando”. As letras acabam não importando muito, já que as melodias sessentistas tomam maior relevância.

“Summer House” é um daqueles discos para colocar no player e deixar canções como “We’re On The Run”, “Perfect In My Mind”, “Safe In L.A.” e “Don’t Send The Searchlights” dar um toque mais alegre ao dia. Tudo é bem leve, casual e, às vezes, até mesmo juvenil. Encanta de maneira simples e doce (sem ser açucarado demais), caracterizado pelo competente vocal de Greta Morgan. Se por acaso passar por frente desse “Gold Motel”, entre e se hospede um pouco.

Site oficial: http://www.goldmotel.com
My Space: http://www.myspace.com/goldmotel

******* 

Junto com o Idlewild, o guitarrista escocês Rod Jones já prestou alguns bons serviços a música, principalmente em discos como “The Remote Part” (2002) e “Make Another Word” (2007). “A Sentimental Education” é seu primeiro vôo solo. O vocalista e líder do Idlewild, Roody Woomble, já tinha se aventurado por esse caminho no bonito “My Secret Is My Silence” (no qual Rod Jones participou) em 2007.

“A Sentimental Education” (não, não tem nada a ver com o Kid Abelha) traz 12 canções em pouco mais de 34 minutos. Uma pequena coleção de folk e country-rock dos anos 60. Gravado em sua própria casa em Leith, na Escócia, e masterizado posteriormente em Cardiff, no País de Gales, o disco é um retrato singelo de um músico criando, compondo e produzindo, sem estar muito interessado se será ouvido ou não. E talvez seja nisso que resida a maior qualidade.

Rod Jones chamou alguns amigos como Josef Sykora nos teclados, Jacqueline Irvine no violão e vocais e Catrin Pryce-Jones no violino para engrossar o corpo das suas músicas. Os temas não são muito variados, transitam por amores, cotidiano e tempo, apesar de algumas viagens diferentes com “A Pirate Song”, uma das poucas canções agitadas do disco. Na grande maioria temos a voz pequena do músico, funcionando bem em cima de bases suaves.

As influências vão se mostrando a cada faixa. “Sing It Alone” é um folk bem típico, com vocal dobrado, ao estilo de tantos nos anos 60. “Wonderful” parece um Simon And Garfunkel mais moderno e deliciosamente pop. “Your Deaf Heart” abraça Crosby, Stills, Nash And Young. “No Sound” evoca o som do The Byrds. A bonita “The Longingness Of Time” lembra Bert Jansch ou até mesmo o Pentagle, grupo do qual o músico também fez parte.

“A Sentimental Education” muito provavelmente vai passar batido para a grande maioria dos seus potenciais ouvintes. Afinal, são tantos lançamentos no dia a dia e diversos músicos produzindo nessa mesma seara. No entanto, aqueles que escutarem o álbum, muito provavelmente vão voltar para ele algumas vezes e sacar no player canções como “Broken Flowers”, com seus violinos e melodia, colocando assim um pouco mais de beleza no ar.

Site Oficial: http://www.rodjonesmusic.com
My Space: http://www.myspace.com/rodjonssolo

*******

Adriano Mello Costa assina o blog Coisa Pop

*******

Leia também:
– My Secret Is My Silence, Roddy Woomble, por Marcelo Costa (aqui)
– “Make Another World”, Idlewild, por Marcelo Costa (aqui)

5 thoughts on “CDs: Gold Motel e Rod Jones

  1. Gosto muito do Idlewild, não sei porque mas pra mim são os Smiths da Escócia e, os dois discos citados deles são obras de arte. Vou procurar ouvir porque este cara(Ron) tem o dom das boas melodias.

Deixe uma resposta para arlen Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.