Discos: Comadre Fulozinha e Lestics

Por Adriano Mello Costa

“Hoje”, Lestics (Independente)

Olavo Rocha e Umberto Serpieri, da ótima banda Gianoukas Papoulas, criaram em 2007 um projeto paralelo chamado Lestics, lançando dois bonitos discos que passaram despercebidos por muita gente. “9 Sonhos” e “Les Tics” não tinham maiores pretensões, mas com um forte alicerce no folk rock acabaram por conquistar diversos ouvintes.

No decorrer do ano de 2008, Olavo e Umberto recrutaram para o projeto os músicos Marcelo Patu (baixo), Lirinha (guitarra) e Felipe Duarte (bateria), o que resultou em uma maior consistência e uma sonoridade mais encorpada. Agora em 2009, o Lestics apresenta mais um trabalho, “Hoje”, que como os anteriores é disponibilizado pela banda inteiramente para download gratuito em seu site oficial.

Em “Hoje”, o Lestics é uma banda em forma e não somente em conteúdo, inclusive nas composições, que quatro integrantes passam a dividir. O alicerce continua sendo o folk rock, que desta vez ganha tons mais “rock” do que “folk”. As letras, um ponto forte dos discos de 2007, continuam sendo um diferencial e transitam entre alguns sonhos e muitas dúvidas e conflitos pessoais, tocados ocasionalmente por alguma ironia.

“Plano de Fuga” abre o disco com violões fortes e os versos: “um fiapo de fumaça se desprende dos escombros (…), o seu plano de fuga deu errado (…), talvez nem tudo esteja perdido, a esperança é maior do que seus esforços (…), a esperança é quem faz a contagem dos corpos”. Das demais canções, pode-se destacar a ironia de “Mania de Organização”, a reflexiva “Um Bem, Um Mal”, o pop rock de “Sem Título Número 4” ou a quase doçura de “Leve”.

Em faixas como “Velho”, a banda consegue quase tocar o céu, em uma sublime canção sobre o passar do tempo. Em “Hoje”, o Lestics mostra uma sonoridade agradabilíssima, além de inteligente e bem produzida, merecendo uma atenção bem maior do que lhe foi concedida anteriormente, surpreendendo um pouco mais a cada nova audição e demonstrando no fim que a simplicidade, pode sim ser bem sofisticada.

O download dos três discos pode ser feito em: http://www.lestics.com.br

Leia também:
– “9 Sonhos” e “Les Tics”, por Marcelo Costa (aqui)

*******

“Vou Voltar Andando”, Comadre Fulozinha (Independente)

O Comadre Fulozinha foi formado em 1997 dentro da forte cena de Recife, que exalava novidade para o resto do país com sua repaginagem de regionalismo com uma textura mais pop e moderna. O grupo lançou o primeiro disco em 1999, quando ainda respondia por Comadre Florzinha e o segundo “Tocar Na Banda” em 2003. Os dois trabalhos receberam diversos elogios da crítica e cativaram um pequeno público.

Da formação original, que sofreu diversas alterações no decorrer dos anos, só ficou a percussionista e vocalista Karina Buhr, que em 2009 comanda seu grupo em mais um trabalho, este bonito “Vou Voltar Andando”. O disco traz dez canções espalhadas por 40 minutos que mantêm viva a sonoridade forte, baseada principalmente em percussões e vocais, mas que desta vez aparecem mais suaves e mais liricos.

A atual formação conta além de Karina com Mairah Rocha (vocal e percussão), Flávia Maia (vocal e percussão), Letícia Coura (vocal, percussão, cavaquinho e violão) e Marcelo Monteiro (saxofone e flauta), além de Dani Zulu (vocal e percussão) que faz participação especial no disco. A mistura de baião, côco, cirandas e maracatus se faz presente, mas é completamente mais suave que os registros anteriores, talvez por culpa do trabalho solo de Karina Buhr.

O resultado disso é que em meio a congas, pandeiros, caixas, ganzás, sax, trombone, tuba, violão e muitos intrumentos mais, temos melodias bem resolvidas em todas as canções, estas sem exceção, composições de Karina Buhr. Já na abertura, somos apresentados a belíssima “Presta Atenção”, que teima em retornar e tocar novamente. Outros destaques um pouco maiores são “Passarinho”, “2 de Janeiro”, “Rosa Alvarinha” (outro belo momento) e “Palo Santo”.

Em optar por fazer um trabalho um pouco mais voltado para a mpb, soando mais pop e flertando com outros estilos, experimentando entre eles durante este “Vou Voltar Andando”, o Comadre Fulozinha constrói seu melhor disco na carreira e consegue emocionar em várias passagens. Um trabalho simples e singelo, delicado e forte. Um trabalho para ser escutado e apreciado sem se preocupar com a moderação.

My Space: http://www.myspace.com/comadrefulozinha

******

Adriano Mello Costa assina o blog Coisa Pop