“Os Eleitos”, Tom Wolfe

Esse você precisa ler: “Os Eleitos”, Tom Wolfe

Por Jorge Wagner

“Não vejo no jornal diário nada que me dê vontade de guardar”, costuma declarar o jornalista Sergio Vilas Boas. Professor da Associação Brasileira de Jornalismo Literário (ABJL) e editor executivo do Texto Vivo, Sergio diz sentir falta de um certo fator humano, de histórias universais e temas que possam ser abordados em profundidade, possibilitando ao leitor refletir sobre si mesmo.

Bem… num mundo onde o troféu de jornal mais popular do Rio de Janeiro vai para as mãos de um tablóide como o Meia Hora (um apanhado de micronotícias do tipo finjo-que-informo-e-você-finge-que-acredita sobre novelas, futebol, mulheres frutas e fatos bizarros como o “ET” morto a pedradas no Panamá), temos que concordar: não há nada que valha a pena ser guardado.

A grande verdade, porém, é que por mais que saudosistas venham a dizer que no passado as coisas não eram bem assim, o jornalismo diário – com sua pretensa objetividade, suposta imparcialidade e suas algemas às “perguntas básicas” quem/o que/quando/onde/como/por que – foi, desde sempre, alvo de críticas. O efêmero, o denuncismo barato (de assuntos logo substituídos por outros mais “quentes”, no jargão jornalístico), não agradam a muita gente. E ainda bem.

Pois foi a necessidade de aprofundamento que fez vir ao mundo obras como “Os Sertões”, de Euclídes da Cunha. Foi a busca pelo tal fator humano que gerou reportagens como “Hiroshima'”,  de John Hersey, e a vontade de verter o efêmero em perene que fez Truman Capote transformar uma pequena nota sobre o assassinato de uma família em uma das grandes obras primas no jornalismo mundial.

Muita coisa foi publicada na imprensa de todo o mundo quando sete pilotos de teste oriundos das forças armadas foram designados para serem os primeiros astronautas norte-americanos, na segunda metade da década de 1950. No entanto foram necessários mais de 20 anos para que o assunto ganhasse sua reportagem definitiva. Falamos de “Os Eleitos” (“The Right Stuff”, no original), lançado por Tom Wolfe em 1979.

A imprensa, no auge da procura pela suposta busca pela objetividade, deu início a uma verdadeira corrida atrás de informações sobre o cotidiano, famílias e hábitos de cada um desses sete homens, culminando em um contrato de exclusividade com a revista Life – que se comprometia em explorar tudo o que parecesse bonitinho na vida pessoal das novas celebridades, deixando de fora o que pudesse denegrir a imagem dos pilotos ou colocar em dúvida a confiabilidade da recém-nascida NASA – ou seja, uma grande parte da história. Não foi o caso do livro de Tom Wolfe…

Um dos quatro grandes nomes (ao lado e Gay Talese, Norman Mailer e Truman Capote) do que se convencionou chamar New Journalism, Wolfe, com seu estilo ironicamente bem humorado, se aprofundou na pré-história da astronáutica, quando pilotos se esforçavam para baterem recordes de velocidade a bordo de aviões que precisavam serem levados “de carona” para o céu – detalhando, inclusive, a história de Chuck Yeager, o primeiro piloto a ultrapassar a barreira do som.

Se aprofundou no sentimento indizível, o não-estou-nem-aí, que esses homens mal remunerados nutriam em relação à grande possibilidade de morrerem no cumprimento do dever. Apurou com detalhes as experiências ditas científicas – algumas delas no mínimo degradantes – as quais eram submetidos os astronautas em treinamento, bem como a dificuldade que alguns desses homens possuíam em manter as calças abotoadas, as competições internas, os medos, as frustrações, a insistência para que fossem mais do que cobaias dentro de uma cápsula e tivessem controle sobre o vôo. E o melhor de tudo: soube como usar cada uma dessas informações no momento adequado, através de um texto de fácil assimilação, que pode ser lido por qualquer um, conheça ou não o mínimo da história sobre a corrida espacial.

“Os Eleitos” tornou-se um clássico. Levado às telas em 1983, sob a direção de Philip Kaufman, com um elenco com nomes como Sam Sheppard, Ed Harris, Barbara Hershey, Dennis Quaid e Scott Glenn, além do próprio Chuck Yeager, já senhor, em uma ponta. Indicado ao Oscar em oito categorias (entre elas a de Melhor Filme), levou as estatuetas de Melhor Trilha Sonora, Melhor Som, Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Montagem. Lançado no Brasil pela editora Rocco em 1988, vendeu o suficiente para que fosse reeditado mais duas vezes, sendo a terceira edição datada de 1992. Pode ser encontrado no site Estante Virtual com preços indo de R$ 9,50 até R$ 26.

Trata-se de um livro que não poupa informações, sejam elas dignas de orgulho ou de vergonha. É um livro sobre homens que por mais corajosos que pareçam a princípio, cometem erros, urinam nas calças, detonam escotilhas antes da hora. Tom Wolfe despe os homens de suas máscaras para mostra-los tão humanos como qualquer outro e, com isso, publica aquele que pode ser apontado como o melhor de seus trabalhos. Trata-se, sem dúvida, de um livro que Sergio Vilas Boas deve ter em sua estante. E que você deve ler.

*******

Jorge Wagner é jornalista e morador do município de Paracambi, no interior do Rio de Janeiro.

3 thoughts on ““Os Eleitos”, Tom Wolfe

  1. Olá, tudo bem? Sou editor-assistente do site Digestivo Cultural e gostaria de saber se o autor e o Scream & Yell poderiam nos autorizar a republicar o texto “Os Eleitos”, com os devidos créditos e link apontando para o S&Y.

    Atenciosamente,
    Rafael Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.