Ludov, Lucy and The Popsonics e Bonde do Rolê

“Disco Paralelo”, Ludov (Mondo 77)
Após um EP encantador (“Dois a Rodar”, 2003), o Ludov pisou no freio rocker privilegiando o pop na estréia (“O Exercício Das Pequenas Coisas”, 2005). “Disco Paralelo” é um passo adiante na busca pelo pop perfeito. Os detalhes cuidadosos de guitarra e o vocal personal de Vanessa impressionam – em uma atmosfera calma que funde pop, rock e MPB – mas ainda não representam o poder do grupo ao vivo. Em estúdio, a banda soa certinha demais. Principal nome do novo rock paulista, falta ao Ludov arriscar.
Nota: 6
Preço em média: R$ 15 (nacional)

“A Fábula (ou a Farsa?) de Dois Eletropandas”, Lucy and The Popsonics (Monstro)
O casal brasiliense Fernanda (vocal e baixo) e Pil (guitarra), acompanhados da bateria eletrônica Lucy, surpreende nesta estréia com oito electropunks em pouco mais de 22 minutos de batidas rápidas, guitarras altas e vocal chiclete. A primeira metade do álbum leva vantagem sobre a segunda, com as ótimas “Garota Rock Inglês” (em que um punk se apaixona por uma garota british e explica: “Eu não leio Byron nem escuto Coldplay”) e “Coração Empacotado” (hit indie) comandando a festa.
Nota: 6,5
Preço em média: R$ 23 (nacional)

“With Lasers”, Bonde do Rolê (Domino Records)
Funk curitibano? Música de banheiro de colégio? Nerdismo pop? Dicionário de palavrões? A brincadeira Bonde do Rolê é tudo isso, mas pouca gente está disposta a encará-los. Ao vivo eles são ruins e engraçados. Em estúdio são infantis e desbocados. Impossível levá-los a sério, mas é preciso bom humor. Aqui mesmo a ficha demorou a cair: quando percebi, não parava de cantar o refrão de “Solta o Frango”. Sinal de bom pop. Se as rádios descobrirem “Quero Te Amar”, eles vão ser maiores que os Mamonas.
Nota: 7
Preço em média: R$ 45 (importado)

10 thoughts on “Ludov, Lucy and The Popsonics e Bonde do Rolê

  1. Achei Disco Paralelo bem fraco, muito inferior ao bom Dois A Rodar e ao excelente O Exercício das pequenas Coisas.

    Lucy and The Popsonics eu ainda não ouvi.

    Ouvi With Lasers faz uns dois meses. Não curti muito na primeira vez. Vou dar mais uma chance.

  2. well well well well well… meu comentário sobre lucy e os popsonics…. cansei de ser sexy em versão pocket? pelo menos foi a impressão que eu tive num show deles aqui n`a obra, em belzonte de minas gerais.

    tomara que esse ludov novo esteja no nível de dois a rodar. o disco deles seguinte achei um retrocesso.

    que atirem as pedras.
    (bitter today)

    grande abraço.
    hasta.
    a.

  3. Não consigo gostar de Bonde do Rolê, mamos já fizeram isso, mas pelo menoos usavam samples melhores…acho tosco e completamente descartavel…vc imagina uma discografia do BdoR?

    Eu gosto de algumas coisas toscas, mas essa não dá…

  4. Não adianta, eu já tentei ouvir bonde do rolê inúmeras vezes mas nem o refrão maldito do “solta o frango” consegue se fixar na minha cabeça.

  5. Salve Mac,
    Tambem achei isso do novo do Ludov, está tudo muito bonitinho e limpinho demais…acabou sendo um bom disco no que podia ser mais…. 🙂

  6. “Se as rádios descobrirem “Quero Te Amar”, eles vão ser maiores que os Mamonas.”

    Bonde do Rolê é o novo Mamonas? desculpe-me, mas isso foi uma ofensa a qualquer pessoa que saiba alguma coisa de música. Se você queria escrever um texto que nem aquelas recomendações da VEJA, você conseguiu. Bonde do Rolê só demonstra a enorme hipocrisia da “ceninha” indie, que já é bem patética. e hipócrita. “é 60 real a chupeta da sandrinha”/”James Bond da o cu!” – isso é engraçado? então acho que realmente o indie engole qualquer coisa MESMO. Sou chato? não, só tenho respeito pela música, o que os integrantes de um lixo como Bonde do Rolê nem sabem direito do que se trata para poder ter alguma coisa.

  7. kkkkkk.
    todo mundo metendo o pau no Bonde do Rolê. achei que só eu achasse aquele álbum uma %!@$&@#

    na verdade, o problema é a estética de “álbum”. isso está totalmente ultrapassado e fora de razão para o tipo de música e conceito de determinadas bandas atuais.
    tipo, o cd do Bonde do Rolê tem umas 4 músicas muito boas, tipo ‘office boy’ e ‘dança do zumbi’, mas muita coisa ali é medícore, piadinhas sem graça e de instrumental idem, feitos apenas porque precisavam da %!@$&@#de um álbum completo.

    se fosse um ep com no máximo 5 músicas seria fódaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.