Random header image... Refresh for more!

Category — Prata da Casa

Mostra Prata da Casa 2016

Na semana que vem rola a Mostra Prata da Casa 2016, no Sesc Pompeia, o “best of” da curadoria do grande Ricardo Alexandre! Bora lá que tá fino! Infos aqui: https://goo.gl/HMuN4j

14/02 – Carne Doce (GO) + Ventre (RJ)
15/02 – Duda Brack (RS) + Laya (CE)
16/02 – Two Wolves (GO) + E a terra nunca me pareceu tão distante (SP)
17/02 – Inglês (SP) + The Outs (RJ)
18/02 – Barro (PE) + Güido (SP)

Serviço
Mostra Prata da Casa 18° edição – O Melhor de 2016
Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93, Pompeia, São Paulo
de 14 a 18 de fevereiro ( Terça a Sábado) – Às 21h
De R$ 6,00 ( comerciários) a R$ 20,00 ( inteira)
Vendas online: https://goo.gl/HMuN4j

fevereiro 8, 2017   No Comments

Prata da Casa 2015, curadoria do Miranda

miranda1.jpg

Um dos principais divulgadores de novos talentos na cidade de São Paulo e um dos mais tradicionais projetos da área de música do Sesc Pompeia, o Prata da Casa chega a sua 16ª edição em 2015. Iniciativa que abre espaço para trabalhos de novos grupos e artistas tem início no dia 5 de maio, com apresentação de Felix Robatto, na Choperia, às 21h.

Neste ano, a curadoria do Prata da Casa fica por conta da equipe de programação do Sesc Pompeia e do produtor musical Carlos Eduardo Miranda, que entre os trabalhos desenvolvidos foi responsável pela produção do Skank, O Rappa, entre outros; criou e dirigiu o Trama Virtual e colaborou com textos para a revista Bizz.

Confira a programação de maio do Prata da Casa 2015:

– Félix Robatto (PA) – 05/05, terça-feira, às 21h.
– Adriano Cintra (SP) – 12/05, terça-feira, às 21h.
– Guri (RS) – 19/05, terça-feira, às 21h.
– Zé Manoel (PE) – 26/05, terça-feira, às 21h.

Félix Robatto foi integrante do La Pupuña e é um pesquisador da música latino-amazônica. Seu trabalho mostra uma música contemporânea paraense construída a partir de elementos da guitarrada, surf music, música latina e pop. Félix irá lançar no Prata da Casa seu primeiro disco solo, “Equatorial, Quente e Úmido” (2015)

Adriano Cintra já fez parte dos grupos Caxabaxa e Ultrassom, além do maior fenômeno da musica brasileira no início da década passada: Cansei de Ser Sexy – ou CSS, como é internacionalmente conhecido. Adriano estreou solo em 2014 com “Animal”, lançado pela DeckDisc.

Além de dividir o palco com nomes como Otto, China e Junio Barreto, Guri Assis Brasil ousa com projetos próprios e lança um apanhado de belíssimas canções rock com viés indie pop.”Quando Calou-se a Multidão”, seu disco de estreia, pode ser baixado gratuitamente no www.guriassisbrasil.com.br

Zé Manoel é um jovem pianista de Petrolina (PE), que chega meio que de surpresa no cenário da nova música popular brasileira. Ele está lançando seu segundo disco, “Canção e Silêncio” (2015). Ouça “Quem Não Tem Canoa Cai N’Agua” aqui.

Local: Choperia do Sesc Pompeia
Grátis – Retirada de ingressos com 1 hora de antecedência.
Não recomendado para menores de 18 anos.

Mais sobre o Prata da Casa

abril 29, 2015   No Comments

Mini-doc: Prata da Casa 2014

450prata.jpg

“Entre maio e dezembro de 2014, a 15ª edição do projeto Prata da Casa trouxe 27 artistas da nova geração para se apresentar no palco do SESC Pompeia, uma pequena amostra do alto nível de qualidade da música que vem ecoando pelos mais diversos cantos do país. Não à toa, nove estados estiveram representados no Prata da Casa, mostrando uma diversidade sonora que dá samba, rock, rap, ciranda, folk, pop, punk, noise e tudo mais. O Rio Grande do Sul, por exemplo, foi representado pela delicadeza lírica de Gisele De Santi, pela reinvenção de Ian Ramil e pelo shoegazer melódico da Loomer; com extremos semelhantes, o Pará marcou presença através do suingue charmoso de Natália Matos e do stoner pesado do Molho Negro; do Rio surgiu o pop esquizofrênico do Baleia; de Brasília, o rock and roll urgente da Cassino Supernova; terra de muitos sons, o Ceará mostrou força com o rap de Don L e RAPadura, com o proto-punk estiloso de Jonnata Doll e com a sensualidade cativante de Paula Tesser; das Gerais, a tropicália do TiãoDuá chacoalhou o público, Jennifer Souza fez uma apresentação emocionante e Juliano Gauche, que tem um pezinho no Espírito Santo (e, agora, em São Paulo), fez um show pra capeta nenhum colocar defeito; de Sergipe, o duo The Baggios mostrou personalidade rocker enquanto a Coutto Orchestra encheu o espaço da choperia com lirismo musical; Pernambuco brilhou com a classe de Bruno Souto, a liberdade criativa de Tagore e a empolgação do samba & blues do Mexidinho; por fim São Paulo, um estado cada vez mais plural, que consegue abrigar debaixo de suas asas o bom gosto musical de Paulo Almeida, a sonoridade experimental de Rumbo Reverso e HAB, a voz poderosa de Camila Garófalo, o pop dançante dos Primos Distantes, a poesia circense de Peri Pane e o barulho contagiante de Giallos e Herod. 27 artistas, 27 grandes shows, 27 provas de que a música brasileira vive um momento criativo que merece ser acompanhado bem de pertinho, de preferência na beira do palco, admirando jovens artistas que merecem a sua atenção”, Marcelo Costa.

Mais sobre o Prata da Casa

março 9, 2015   No Comments

10 shows na Mostra Prata da Casa

Tudo o que bom, dura pouco, diz o ditado popular. A minha gestão como curador auxiliar do Sesc no projeto Prata da Casa se encerra com uma mostra de 10 (dos 27) shows, que passa a régua na edição 2014 do projeto. De 3 a 7 de março, às 21h, o Sesc Pompeia relembra alguns dos projetos mais emblemáticos apresentados no ano anterior. Em março, o evento une dez bandas em cinco dias seguidos de apresentações na unidade, com ingressos que custam entre R$6 e R$20.

Se não houve facilidade para fechar a lista dos 27 escolhidos durante o ano (cheguei a ter 80 possíveis nomes), escolher apenas 10 shows foi torturante. Gostei de todos os shows, uns mais, outros menos, mas cheguei a ter 14 nomes, que fui organizando seguindo critérios que buscavam usar esse balanço como um retrato real do que foi o ano dentro do Prata da Casa. Apesar da dor no coração dos shows que ficaram de fora, a lista representa bem a proposta do projeto, e me orgulho. Abaixo, o release oficial.

“27 artistas, 27 grandes shows, 27 provas de que a música brasileira vive um momento criativo que merece ser acompanhado bem de pertinho, de preferência na beira do palco, admirando jovens artistas que merecem a sua atenção”, afirma o editor do site de música Scream & Yell e curador do projeto em 2014. Marcelo passou por redações do Notícias Populares, Zip.Net, UOL, Terra e IG, além de colaborar com revistas específicas da área, como Billboard Brasil e Rolling Stone. Já como crítico musical, integra a APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) na categoria Música Popular e participou da Academia do VMB (MTV), do júri do Prêmio Multishow e do Prêmio Bravo.

Criado em junho 1999, o projeto tem como objetivo introduzir novos artistas para a cena musical brasileira e também abrir espaço para apresentar seus trabalhos. Os espetáculos do Prata da Casa acontecem sempre às terças-feiras, às 21h. No palco da Choperia, o projeto revelou artistas como Vanessa da Mata, Céu e Vanguart. “Uma pequena amostra do alto nível de qualidade da música que vem ecoando pelos mais diversos cantos do país”, afirma o curador do Prata 2014.

03/03. Terça-feira, às 21h
Bruno Souto e Jonnata Doll e Os Garotos Solventes

Um compositor pernambucano e um grupo cearense prometem abalar as estruturas do Sesc Pompeia no primeiro dia da Mostra. Originário do grupo Volver, em 2013 Bruno Souto lançou seu álbum solo “Estado de Nuvem”, considerado um dos melhores do ano e que embalou o espetáculo na Choperia. Do Ceará, outra banda encantou o público em 2014: Jonnata Doll e Os Garotos Solventes. Com o rock’n’roll contagiante e um vocalista inspirado no lendário Iggy Pop, o conjunto volta aos palcos para trazer mais “protopunk” de Fortaleza.

04/03. Quarta-feira, às 21h
Jennifer Souza e Ian Ramil

Com uma mistura delicada de referências que deslizam entre Bossa Nova e Radiohead, Jennifer Souza e Ian Ramil apresentam o novo momento da música brasileira. Sensibilidade e lirismo traduzem ambos, e a noite abriga tanto o sotaque mineiro de Jennifer quanto o gaúcho de Ian. O público que já se emocionou durante o Prata da Casa 2014, pode acompanhar novamente o trabalho tocante dessas duas revelações da música na Mostra.

05/03. Quinta-feira, às 21h
Herod e Giallos

A terceira noite reúne o que teve de mais intenso em 2014: Herod e Giallos. Rock com direito a muita guitarra e berros estridentes é garantia com os dois grupos paulistanos.“¡CONTRA!”, álbum de estreia do Giallos, trouxe uma homenagem aos Replicantes e ao MC5 com canções recheadas de blues punk. A Herod, para o seu show no Sesc Pompeia, apostou em um terceiro guitarrista que incrementou na interpretação de “Limbo”, música que fez o público tremer no ano passado.

06/03. Quinta-feira, às 21h
The Baggios e Coutto Orchestra

Duas bandas de Sergipe com dois momentos simbólicos no Prata 2014. O The Baggios promoveu uma integração ímpar com a plateia quando o guitarrista Júlio Andrade improvisou umriff e o conjunto se deparou com o público cantando na sequência. Essa batalha aconteceu em meio ao duo de guitarra e bateria embalando um blues rock do sertão. Já durante a apresentação da Coutto Orchestra, o músico Aragão, da banda NaurÊa, foi chamado ao palco pelo grupo para uma versão de “Dorival Caymmi”, do repertório do músico convidado. Arrepiante é a palavra que melhor representa a noite de sexta-feira da Mostra.

07/03. Sábado, às 21h
RAPadura e Mexidinho

A agitação no sábado conta com o samba-blues de Mexidinho e a fusão de estilos de RAPadura. De Recife, Mexidinho trouxe no Prata 2014 um momento de descontração com o público, ao criar três rodas de ciranda para balançar os espectadores com as canções do compositor. O cearense RAPadura também conquistou a plateia com junção de Luiz Gonzaga e rap, com um dos shows mais celebrados do projeto.

Mais sobre o Prata da Casa

fevereiro 27, 2015   No Comments

Prata da Casa #27: Tagore

tagore1.jpg

tagore2.jpg

tagore3.jpg

Encerrando a programação do Prata da Casa 2014, a última atração do ano foi a banda pernambucana Tagore, quinteto que traz à frente o violonista e vocalista Tagore Suassuna e o multi-instrumentista João Cavalcanti (que se alterna entre baixo, guitarra e sintetizador). Responsável por um dos grandes álbuns de estreia do ano, “Movido a Vapor”, e com 35 shows realizados no decorrer de 2014, o quinteto pernambucano fez um belo show, notadamente psicodélico, que conquistou o bom público presente.

Descaço e descabelado, Tagore conduziu o grupo com maestria mostrando canções do álbum de estreia  assim como números inéditos (uma faixa instrumental que ainda está sendo trabalhada para o futuro disco). Clayton Barros (um dos produtores de “Movido a Vapor” e integrante da banda Os Sertões) participou da climática “2012”, acrescida de citação de “Tomorrow Never Knows”, dos Beatles. Entre os grandes momentos destaque para o novo clipe da banda, “Poliglota”, e a empolgante versão de “Dois Navegantes”, do repertório do Ave Sangria. Um fecho de ouro para um ano especialíssimo.

As fotos são de Liliane Callegari (mais aqui). Abaixo, dois vídeos.

Mais sobre o Prata da Casa

dezembro 23, 2014   No Comments

Prata da Casa #26: Peri Pane

Reta final da minha participação como curador do projeto Prata da Casa, do Sesc Pompeia, a penúltima atração de 2014 fez um belo show numa choperia remodelada, com as mesas frente ao palco, para permitir que o público assistisse ao concerto atenciosamente. Peri Pane mostrou o delicado show “Canções Velhas Para Embrulhar Peixes”, que contou com a participação do poeta ArrudA declamando seus poemas, Marcelo Dworecki se alternando entre o violão, o cavaquinho e as histórias, Otávio Ortega no piano e acordeon, e Barbara Eugenia cantando três números.

Com flores na mão, ArrudA enfeitou Peri com flores e declamou “Tomara”, belo poema gravado por Gustavo Galo no álbum “Asa”. “Note” surgiu primeiro numa versão com a banda, e depois, já no final da noite, no clipe oficial, lançado no Sesc Pompeia. Peri Pane contou histórias sobre vendedores que embrulhavam peixes em partituras de Bach, cães na chuva em São Paulo e a morte dos ácaros. Chamou Bárbara para cantar a bela “Sambinha” e ainda abriu espaço para canções novas, que vão integrar “Canções Velhas Para Embrulhar Peixes 2” numa bela noite de música e poesia.

As fotos são de Liliane Callegari (mais aqui). Abaixo, dois vídeos.

Mais sobre o Prata da Casa

dezembro 12, 2014   No Comments

Prata da Casa: Dezembro de 2014

Apenas duas terças-feiras abrigam o último mês do Prata da Casa 2014, encerrando a minha curadoria do projeto com 27 shows. Teremos mostra com os 10 melhores shows em fevereiro, mas isso a gente conversa lá em 2015, por os dois últimos shows do Prata da Casa 2014 são bastante especiais: Peri Pane e Tagore. Não perca!

PERI PANE (SP) – 09/12/2014
O compositor Peri Pane, codinome de Marcos Dávila, é um artesão musical que, na busca por referencias, foge do óbvio de maneira inteligente. Cada exemplar de seu primeiro disco, o emblemático “Canções Velhas Para Embrulhar Peixes”, de 2012, foi inspirado no coletivo Dulcinéia Catadora, que faz livros com capas de papelão, e, por isso, é feito a mão e numerado (o artista plástico Rafael Gentile assina o belo trabalho gráfico). O repertório traz, além de canções próprias, parcerias inspiradas com o poeta arrudA, aconchegadas numa sonoridade esparsa, cuja base é o violão – acompanhado de violoncelo, acordeom e piano – exibindo uma delicadeza comovente.

TAGORE (PE) – 16/12/2014
Do encontro do compositor Tagore Suassuna com o multi-instrumentista João Cavalcanti surgiu, em 2010, o EP “Aldeia”, primeiro registro da dupla, que saiu atrás de amigos para formar a Tagore, quinteto que lançou seu primeiro disco, “Movido a Vapor”, em 2014, e soa como um empolgante fruto do cenário roqueiro brasileiro setentista embalado em rocks rurais, baião e folk. No oceano de referencias saltam nomes como Raul Seixas, Beatles e Gil além de Tom Zé e Alceu Valença (os dois últimos presentes no disco através de regravações de “Todos os Olhos” e “Morena Tropicana”) e heróis locais como Ave Sangria e Lula Côrtes. Um som para não deixar ninguém parado!

Mais sobre o Prata da Casa

dezembro 9, 2014   No Comments

Prata da Casa #25: Camila Garófalo

Encerrando o novembro feminino na programação do Prata da Casa, do Sesc Pompeia, a paulista Camila Garófalo (escudada por uma ótima banda: Rafael Castro na guitarra, Fabiano Boldo no baixo, Filipe Franco no teclado e Juliano Costa na bateria) fez uma apresentação intensa, marcada por sua voz, forte, por sua postura inquieta no palco e pelas belas participações de Verônica Ferriani (que apresentou sua “Boca de Ouro”) e Tatá Aeroplano (com quem Camila dividiu uma grande versão de “Na Loucura”, do disco solo de Tatá).

Apresentando as canções de seu álbum de estreia, “Sombras e Sobras” (download gratuito aqui), Camila Garófalo parecia tomada pela energia do palco da choperia do Sesc Pompeia. O ótimo público, reconhecendo e valorizando a atuação da cantora, aplaudiu muito números como a excelente “Sobras”, primeiro single e clipe do disco, “O Velho” e a psicodélica “Mato e Morro”. Camila ainda apresentou músicas inéditas, como a balada rock and roll “Solidão”, que a emocionou durante a apresentação. Um show vigoroso numa noite intensa de rock and roll gritado do fundo do âmago. As fotos são de Liliane Callegari. Abaixo, dois vídeos.

Mais sobre o Prata da Casa

dezembro 3, 2014   No Comments

Prata da Casa #24: Natália Matos

A terceira noite do mês feminino do Prata da Casa 2014 trouxe do Pará a pequenina e charmosa Natália Matos, que faz por merecer o uso do clichê “se agiganta em cena”. Mais do que isso: Natália literalmente desfilou pelo palco do Sesc Pompeia como se estivesse toda a vida se apresentando neste local – e era nada menos do que a sua primeira vez “neste palco que já vi tantos grandes shows”, relembrou em certo momento. Sob o comando certeiro de Guilherme Kastrup, impecável na bateria, a banda fez a cama perfeita para que Natália se sentisse em casa, e deslumbrasse.

O show trouxe o repertório do disco que Natália Matos lançou em 2014, com apoio da Natura Musical (aqui faixa a faixa), e que junta seus anos vividos em São Paulo (foram oito no total) com a sonoridade paraense que corre desde cedo em suas veias. As duas primeiras faixas do disco, as ótimas “Cio” e “Beber Você”, também abriram o show, que ainda destacou a bela “Coração Sangrando” (de Dona Onete) e, emendadas uma na outra, “Um Amor de Morrer”, parceria de Romulo Fróes e Clima, e “Linda Flor”, do repertório de Dalva de Oliveira. Mais uma grande noite na choperia do Sesc Pompeia.

As fotos são de Liliane Callegari (mais aqui). Abaixo, dois vídeos.

Mais sobre o Prata da Casa

novembro 26, 2014   No Comments

Prata da Casa #23: Gisele De Santi

A segunda data do mês feminino da programação 2014 do Prata da Casa foi ocupada com delicadeza pela gaúcha Gisele De Santi, que trouxe para o palco da choperia do Sesc Pompeia um excelente quarteto de jazz (Alexandre Viana no piano, Luque Barros no baixo, Rodrigo Panassolo na guitarra e Kabé Pinheiro na bateria) que só fez valorizar a voz absolutamente encantadora e afinada da compositora, que ainda convidou a amiga Verônica Ferriani para participar da noite, em um dos grandes momentos do show.

No repertório, Gisele pinçou canções de seus dois álbuns solo (baixe aqui) e surpreendeu o público com uma bela versão de “Someone to Watch Over Me”, de George Gershwin (com letra de Ira Gershwin), já gravada por Judy Garland, Frank Sinatra e Amy Winehouse (entre muitos). O público, se sentindo na sala da casa da cantora, sentou-se no chão da choperia para assistir a uma das apresentações mais intimistas e delicadas desta temporada do Prata da Casa numa noite de música emocional. Lindo.

As fotos são de Liliane Callegari (mais aqui). Abaixo, dois vídeos.

Mais sobre o Prata da Casa

novembro 17, 2014   No Comments