Random header image... Refresh for more!

Category — Europa 2013

Sobre Elvis Costello em Londres, 2013

elvis1.jpg

Foto: Marcelo Costa

Em junho vi Elvis Costello pela segunda vez no Royal Albert Hall (a primeira foi no ano passado), e na correria da viagem acabei publicando um textinho rápido apenas no Facebook. Republico aqui, para deixar guardado e achar com mais facilidade…

Elvis Costello em Londres, no Royal Albert Hall, com mais um show da The Spectacular Return of ‘The Spectacular Spinning Songbook’, ou como diz Marco Barbosa (que assistiu ao show da noite anterior), o “roletrando”. Teve “I Want You”, isso que mais importa (não tinha rolado quando vi no ano passado). Teve “Oliver’s Army” porque um mano acertou uma martelada na primeira (no “jogo” Hammer of Gods) e resistiu quanto quase todo o teatro pediu pra ele escolher “She” (ele tinha direito de escolher qualquer canção) e mandou “Oliver’s”. Teve Johnny Cash (vídeo no fim do post). Teve “Everyday I Write The Book” em versão soul. E teve, novamente, Steve Nieve fechando a noite tocando “(What’s So Funny ‘Bout) Peace, Love And Understanding?” no Grand Organ do Royal Albert Hall. Ah, duas horas e cincoenta de show…

Ps. O amigo Bruno Capelas falou mais detalhadamente do show aqui

elvis2.jpg

01. I Hope You’re Happy Now
02. Tear Off Your Own Head
03. I Can’t Stand Up For Falling Down
04. High Fidelity
05. Uncomplicated
06. Mystery Dance
07. Radio, Radio

Girl Jackpot
08. This Year’s Girl
09. Sulky Girl
10. Girls Talk

11. 45
12. I Want You
13. (The Angels Wanna Wear My) Red Shoes
14. Riot Act
15. Either Side Of The Same Town

Cash Jackpot
16. Cry, Cry, Cry
17. Song With Rose
18. Brilliant Mistake
The Hammer Of Songs
19. Oliver’s Army
20. Man Out Of Time
21. Shipbuilding

Joanna Jackpot
22. She
23. Shot With His Own Gun
24. London’s Brilliant Parade
25. Tramp The Dirt Down

bis
26. Indoor Fireworks
27. A Slow Drag With Josephine
28. Jimmie Standing In The Rain
29. Watching The Detectives / Help Me
30. Everyday I Write The Book
31. (I Don’t Want To Go To) Chelsea
32. Pump It Up
33. (What’s So Funny ‘Bout) Peace, Love And Understanding?

classid=”clsid:d27cdb6e-ae6d-11cf-96b8-444553540000″ height=”300″ width=”450″>

Leia também:
– Londres 2012: Noite clássica com Elvis Costello (leia aqui)
– Três vídeos: Elvis Costello no Royal Albert Hall, 2012 (aqui)
– Londres 2013: Costello em Londres, por Bruno Capelas (aqui)

julho 25, 2013   No Comments

Europa 2013: Um passeio cervejeiro

beer2.jpg

Geralmente, quando termino uma viagem, tento colocar as ideias em ordem escrevendo um resumo que busca unir os pontos perdidos entre uma cidade e outra, e encerrar a aventura no formato balanço. Desta vez, porém, o balanço será um pouco diferente. Esta viagem de junho para a Europa foi a minha primeira viagem após ter me formado Sommelier de Cerveja, e isso me fez olhar as coisas de um modo ligeiramente diferente, buscando as raízes (e curiosidades) de algumas escolas cervejeiras.

beer3_1.jpg

Afinal, toda essa minha paixão por cervejas começou seis anos atrás numa cidadezinha da Bélgica, a Disneylândia dos cervejeiros. Por isso eu precisava resolver algumas questões: como pisei tantas vezes em Londres e nunca bebi uma Real Ale? Como em diversas passagens por Bruxelas, não enchi a minha taça de Lambic? E como tive a cara de pau de passar por Berlim e não beber Berliner Weisse? Chegou a hora de resolver tudo isso.

beer4_1.jpg

Real Ale, Lambic e Berliner Weisse são estilos de cervejas característicos e totalmente ligados à cidade/país em que são produzidos. Impossível beber Lambic fora de Bruxelas, por exemplo. Porque a Lambic é uma cerveja feita através de fermentação espontânea, e depende do trabalho do fungo Brettanomyces, conhecido no meio pelo apelido carinhoso de Brett, que só é encontrado nos arredores da cidade belga, e não existe Lambic sem ela – pode até ser uma cerveja parecida, mas não é Lambic, é outra coisa.

beer5_1.jpg

Já a Real Ale britânica (também conhecida como Cask Ale) é uma cerveja que passa por uma primeira fermentação rápida e morna, e depois, com provável adição de açúcar para que a levedura siga trabalhando, uma segunda fermentação (com o barril já lacrado) que gera gás carbônico. O processo continua no porão do pub, com o adegueiro (do pub) trabalhando no nível de carbonatação. A cerveja que chega ao copo do cliente, no bar, está vivíssima (e morna!).

beer42.jpg

A Berliner Weisse, por sua vez, é uma cerveja de trigo que remete a champanhe (as tropas de Napoleão, quando invadiram a cidade e descobriram a Berliner, a apelidaram de “champanhe do norte”), por sua acidez pronunciada e seu leve aroma frutado. A acidez é tanta que em Berlim costuma-se adoça-la com essências e xaropes. Muita gente, inclusive, adoça lambics belgas com açúcar, e é preciso lembrar-se das versões Gueuze e Kriek. Está tudo em casa. Abaixo, o passeio, cidade por cidade.

beer7_1.jpg

LONDRES
A ideia de passar por Londres desta vez era bater ponto nas duas principais defensoras da escola Cask Ale em atividade na cidade: o Cask Pub & Kitchen e o Craft Beer & Co. A primeira coisa que você precisa saber sobre Real Ale: elas são servidas em temperatura ambiente, mornas. O termo estúpido “estupidamente gelada” não existe aqui, porque eles não precisam esconder o sabor da cerveja sobre uma camada de gelo (e, é bom lembrar, eles passam cerca de 9 meses por ano enfrentando o frio).

beer8_1.jpg

O Craft Beer & Co (82 Leather Ln, pertinho da St. Pauls – eles têm outros três endereços) é o típico pub britânico. No final de tarde destes raros dias ensolarados, sua calçada está tomada por clientes, o que torna fácil encontrar uma mesa vazia lá dentro (embora o barato seja mesmo ficar na rua com amigos). Eles mantêm no cardápio mais de 400 rótulos diferentes de cervejas em garrafa, mas viemos aqui para provar as Cask Ale (e também as Keg Ale, lote de cervejarias artesanais em barril de alumínio).

beer10_1.jpg

Quem está acostumado ao modo brasileiro de servir cerveja (beeem gelada) vai estranhar, mas tente se concentrar no sabor. Minha primeira opção foi seguir a tradição e abrir os trabalhos com uma Tyne Bank Monument Bitter, que segue o estilo tradicional britânico. É uma cerveja levíssima, com bastante percepção de malte. Na sequencia, uma sensacional Partizan Black Coffee IPA, e, pra fechar, uma garrafa de Kernel Amarillo IPA. Pura felicidade líquida.

beer12_1.jpg

Neste primeiro momento já fica claro que os novos cervejeiros britânicos querem seguir o modelo de servir cerveja como os antigos britânicos, mas não aquela mesma cerveja bitter. O que temos aqui é uma bonita encenação de influências. Os Estados Unidos, última grande escola cervejeira, foram imensamente influenciados pelos ingleses. Agora a coisa muda de figura: os ingleses deixam de ser influenciadores para serem influenciados pelos norte-americanos. O cenário só melhora.

beer13_1.jpg

Já o Cask Pub & Kitchen (um dos primeiros pubs a levantarem a bandeira das cervejarias artesanais no Reino Unido) fica um pouco fora de mão, em Pimlico, mas é de fácil acesso (pertinho da estação de metrô Victoria) e basta olhar a placa com os prêmios e elogios na entrada para saber que a viagem valeu a pena. Uma pena que a cozinha não estivesse funcionando no dia (ok, havia tortas), mas o cardápio de cervejas da casa valeu a visita.

15_1.jpg

Enquanto esperava amigos, decidi escolher uma cerveja leve, pra abrir a tarde com calma. Escolhi a Dark Star Golden Gate, uma boa American Pale Ale, cujo pint equivale a um almoço. Na sequencia, duas das melhores cervejas da viagem: a excelente Titanic Cappuccino Stout, de Leicestershire, seguida da ótima Espresso Coffee Stout, da Bexar County Brewery, de Cambridgeshire. Todas com menos de 6% de álcool (os ingleses ainda estão pegando leve).

beer11.jpg

Como descobrir se o pub em que você está bebendo (ou querendo beber) tem Cask Ale? Simples: o braço da torneira é, normalmente, de madeira, e o barman precisa puxar (no braço) a cerveja do barril que está no porão para o copo (diferente dos chopps que estamos acostumados, em que essa função é mecânica). Duas puxadas enchem um copo de half pint; quatro equivalem a um pint (por isso o número maluco de 568 ml). É bem visual.

beer16.jpg

A passagem por Londres ainda contou com uma visita ao Belgo Centraal (o bar belga da cidade), e outra ao The Rake, excelente pub ao lado da Borough Market em que bebi, anos atrás, uma das melhores cervejas em viagem, uma De Molen Amarillo sensacional, e que desta vez tinha, na pressão, a Brooklyn Sorachi Ace. Excelente. Ainda rolou uma passagem no ótimo empório de cervejas dentro da Borough Market – o que rendeu uma Snake Dog IPA, da Flying Dog, em latinha.

beer17.jpg

BERLIM
Entre os séculos 16 e 19, a Berliner Weiße era a bebida alcoólica mais popular da Alemanha com cerca de 700 fábricas a produzindo para abastecer o mercado. Após duas grandes guerras, que devastaram a cidade, e a chegada de cervejas concorrentes da Baviera apresentando outros estilos ao público, a produção da Berliner Weiße caiu vertiginosamente a ponto de, hoje em dia, apenas duas fábricas em Berlim (da mesma empresa) a produzirem seguindo as receitas tradicionais.

beer18_1.jpg

Porém, basta chegar o verão para que a Berliner Weiße retorne aos supermercados e a mesa dos bares berlinenses. Seu processo de produção inclui a adição de bactérias (Lactobacillus) na segunda fermentação com o intuito de deixa-la ácida e efervescente (como um champanhe). O resultado é uma cerveja de trigo de ataque violentamente seco e amargo, mas com um final levemente frutado. Que não conhece pode até achar que é uma cerveja estragada – ela é assim mesmo!

beer19_1.jpg

Mas então qual a graça da Berliner Weiße? Seu baixíssimo nível alcoólico (3%) e sua acidez. Isso mesmo. O baixo nível alcoólico privilegia seu consumo no verão e sua enorme acidez fez com que os berlinenses misturassem xaropes de frutas e/ou ervas para abrandar seu ataque, criando um espécie de drink. Os mais tradicionais são os xaropes de framboesa (Himbeersirup) e de ervas (Waldmeistersirup), mas é possível encontrar desde aromatizantes de maçã, pêssego e abacaxi, entre outros.

beer24.jpg

Em supermercado é possível comprar a mistura já pronta (em dezenas de versões), mas em bares e restaurantes a mistura pode ser feita na hora. Porém, na busca pelos sabores verdadeiros, decidi começar pela versão tradicional, pura, sem adição de aromatizante. Hora de encarar a história. Estava com o casal de amigos Rodrigo e Carol quando fiz o pedido, e o divertidíssimo garçom da Casa das 100 Cervejas, em Potsdamer Platz, Nemanja, um sérvio fã de cervejas belgas, recusou:

beer20.jpg

– “Não, você não quer beber isso”;
– “Quero sim”;
– “É horrível”.
– “Eu preciso experimentar!”
– “Ok, mas não diga que não avisei” (após fazer uma cara de desagrado).

beer21.jpg

Cerveja na taça, cerveja bebida. Em um mapa cervejeiro, a Berliner Weiße fica no meio do caminho entre uma lambic e uma saison belgas. No aroma já é possível perceber a força da acidez, mas também alguma sensação de trigo e cítrico (limão). O paladar é aquela paulada que remete desde sal de frutas até água tônica e, claro, champanhe. É terrível? De forma alguma. Diria que é provocante. Mas beber uma garrafa de 600 ml deve ser um belo desafio.

beer22.jpg

Na sequencia – ainda sob protestos do Nemanja – vieram as versões com aromatizantes. A de framboesa é ótima e refrescante. A de pêssego também não decepciona, mas a de maçã verde é absolutamente intragável. “Lembra coco de neném”, definiu depois o garçom, com todos na mesa concordando. No saldo final, curti a Berliner Weiße (principalmente a de framboesa). No dia seguinte eu já tinha partido para Oslo, e Rodrigo e Carol voltaram a Casa das 100 Cervejas:

– “Onde está o seu amigo?”
– “Ele já viajou…”
– “Que nada, ele deve estar no hotel passando mal depois daquelas cervejas de ontem”…

beer25.jpg

Ps. Se você for para Berlim, de uma passada na Das Haus der 100 Biere e peça Berliner Weiße ao Nemanja. Vale a experiência (e a amizade do garçom).

beer26.jpg

OSLO
A Noruega é frequentemente descrita como um país com as bebidas com preços mais altos do mundo, mas eu não sabia disso quando cheguei a Oslo, e fui a um empório procurar cervejas locais. Dentro os pouco mais de 90 rótulos em exposição, absolutamente nenhuma ultrapassava 4,7% de álcool. No bar do mesmo empório, no mesmo mercado, havia belgas tradicionais (Duvel, La Trappe e outras) e várias locais, entre elas a Nøgne 500, de 10% de graduação alcoólica. Bora compra-la e leva-la para o hotel, certo. Errado.

– “Então, não posso vendê-la para você levar. A lei só permite que você consuma aqui no bar”, explicou o garçom.
– “Como assim?”
– “Há uma lei aqui na Noruega que limita a bebida vendida diretamente ao público em supermercados e empórios a até 4,75% de álcool. Acima disso só é possível comprar bebidas alcoólicas em restaurantes e bares autorizados para consumo no local, ou em liquid stores (Vinmonopolet) controladas pelo governo”.
– …
– “Vocês podem bebê-la aqui, mas há um liquid store logo na outra esquina”, informou, já avisando. “Aqui é até sossegado. Na Suécia, o limite de álcool é de 3,5%”…

beer27.jpg

Bebemos ali, e depois partimos para a tal liquid store, que, em um belíssimo sábado de sol, mais parecia uma loja de atacado vendendo bebida pela metade do preço, tal a quantidade de noruegueses ensandecidos com garrafas e garrafas debaixo do braço para o fim de semana, afinal, a lei é rígida: as lojas fecham às 20h durante a semana e às 18h todos os dias antes dos feriados (incluindo domingos, em que não é possível comprar nada alcoólico acima de 4,75%).

beer28.jpg

Eu já havia comprado algumas cervejas da nova escola norueguesa (vale ler essa coluna de Diego Cartier e Marcelo Cury) no primeiro empório pelo qual passei (escrevi sobre elas aqui), e aproveitei a liquid store para pegar rótulos mais alcoólicos da Nøgne, que começou a ser importada para o Brasil em abril deste ano, embora ainda assim saíssem mais em conta compradas em Oslo (cinco cervejas = 243,50 coroas norueguesas = R$ 98) do que em um empório brasileiro.

beer29.jpg

ESTOCOLMO
No quesito “cerveja”, melhor esquecer a cidade mais linda da viagem (e uma das mais lindas do mundo). A passagem por Estocolmo foi rápida (apenas dois dias), as cervejas eram caras (havia um bar belga na rua paralela ao hostel, mas minha economia em frangalhos não permitiu que eu ousasse entrar no lugar), e, nos Seven Eleven, tanto a Carlsberg quanto a Heineken traziam em destaque em seus rótulos a graduação alcoólica: 3,5%. Melhor beber água, certo. Ok, não. Na dúvida, peguei uma de cada.

beer30.jpg

EINDHOVEN / DELFT
Meu QG para cobertura do festival Best Kept Secret, a cidade da marca de eletrônicos Phillips e do time PSV é tomada pela cerveja local Bavaria (se eles soubessem o asco que um brasileiro sente ao ver este nome em uma cerveja, provavelmente processariam a nossa embaixada por manchar séculos de história), mas há também bares com cartas de cervejas interessantes (de norte-americanas a belgas) e churrascarias com carne argentina. Bela combinação, hein.

beer32.jpg

Ainda assim preferi ir para a única vendinha indiana do centro, todos os dias, e abastecer o quarto toda noite com Hoegaarden Rosee, La Trappe e Duvel (preço máximo: 2,40 euros cada). Na ida para Delft, a caminho de Haia, encontrei duas cervejas em homenagem ao pintor Johannes Vermeer. Comprei um par para trazer pra casa e outro para beber na praça, e gostei muito da versão Gruyt, que segue uma receita do século 13, sem lúpulo.

beer31.jpg

Porém, o ponto alto cervejeiro da passagem pela Holanda foi à visita ao mosteiro onde é produzida a La Trappe, uma das oito abadias que tem autorização para ostentar o título “trapista” em suas cervejas (a única abadia holandesa). Eu havia reservado o tour (10 euros com direito a uma cerveja no final) no dia anterior, e me juntei a mais 30 pessoas, dentre estes apenas eu de brasileiro, um casal de belgas, um de norte-americanos, e três russos (e todo o restante, holandês)

beer33.jpg

O tour é em dutch (neerlandês, língua indo-europeia do ramo ocidental da família germânica), mas como éramos sete que não entendiam patavina do que o divertido guia estava falando, ele fazia um pequeno resumo em inglês (“Highlights, highlights”, ele dizia), contando anedotas da criação da cervejaria, explicando a produção das cervejas e tudo mais. Quem já fez dois tours em cervejaria sabe que todos os demais serão iguais. O interessante, na verdade, é ouvir uma ou outra curiosidade e conhecer o local. E, no caso da La Trappe, estar em um templo trapista arrepia.

beer34.jpg

Como já fiz alguns tours por cervejarias, e conheço o processo clássico de produção de trás pra frente, em boa parte do passeio eu estava à frente do grupo, e o guia pedia: “Brasil, chame os outros para eu contar mais uma história”. No final, escolhi uma La Trappe Bock, e bebi mais três pints no restaurante da casa. Feliz, passei na lojinha e fiz um pequeno estrago. Comprei um pack com as oito cervejas da casa, chocolates para a esposa, duas versões de taças e uma blusa. Consegui resistir aos queijos. Ainda bem.

beer35.jpg

Você deve estar se perguntando: por que comprar um pack da La Trappe se quase todas as cervejas do mosteiro são vendidas e encontradas com facilidade no Brasil? Porque, primeiramente, aqui as oito cervejas não custariam os 11 euros que custaram; segundo porque eu queria experimentar La Trappes que não ficaram meses no porto esperando liberação do governo brasileiro para ir para a prateleira de empórios e supermercados. Essas que eu trouxe demoraram seis dias entre o mosteiro e a minha casa.

beer36.jpg

BRUXELAS
Ponto final do passeio cervejeiro, e não à toa. Já contei aqui sobre os bares que passei (e bebi), mas o grande motivo de voltar para Bruxelas (na minha quarta passagem pela cidade) era beber lambic direto da torneira. Questão de honra. E o passeio não foi desperdiçado. Com a compania do casal Leonardo e Aline (mais a amiga Suzane), passei uma tarde inteira na Brasserie Cantillon, cervejaria que defende em alguns de seus rótulos o posto de “Lambic mais autêntica da Bélgica”.

beer37.jpg

Logo que entrei, já fui tratando de me embrenhar no tour (7 euros). Porém, me confundi. Ao invés de esperar o tour em inglês, acabei acompanhando o tour em francês. Se dutch é quase impossível de ser entendido para novatos, o francês do senhor grisalho que comandou o tour soou absolutamente tranquilo, e o passeio pela velha casa foi bastante especial, com a intervenção divertida de algumas pessoas que não entendiam de cara o processo para se fazer lambic:

– “Onde está a Brettanomyces?”, perguntou um rapaz.
– “Aqui. Ali. Em todo o lugar dentro desta casa. Você está respirando-a”, observou o guia.

beer38.jpg

Ao final do tour, duas taças são cortesias para o freguês (encarei a Gueuze tradicional e a Rose Gambrinus e, na sequencia, ainda bebemos uma Cognac Gueuze, a Cantillon 50ºN-4ºE, que ainda nem rótulo tinha), e não espere facilidade: Jean-Pierre Van Roy, o dono da Cantillon, se recusa terminantemente a adoçar suas cervejas (para alegria dos puristas), o que justifica a definição matadora do mestre cervejeiro Garrett Oliver, “o cérebro diz ‘doce’, a língua diz ‘ácida’. Eis uma cerveja brilhante e inflexível”.

beer39.jpg

Na hora de deixar Bruxelas, dor no coração… e nos braços, afinal 38 garrafas se acotovelavam em duas malas bastante pesadas (combinando 48 quilos no total), e por mais que o processo de “empacotamento” tenha sido cuidadoso, sempre fica a dúvida: será que elas vão chegar inteiras no Brasil? Sim, chegaram. E junto com elas mais 10 compradas no Duty Free de Bruxelas, uma perdição (10 euros o pack com quatro garrafas de La Chouffe mais taça é muita tentação – e nem falei dos queijos Chimay)…

queijo.jpg

O balanço da passagem pelo território das três escolas cervejeiras clássicas foi altamente positivo. E viciante. Não sei se provarei novamente Berliner Weiße quando voltar para Berlim (embora ainda precise beber Kölsch em Colônia, Altbier em Düsseldorf, e Dunkles, Marzens e Helles em Munique), mas com certeza explorarei com mais cuidado o desenvolvimento da nova escola inglesa tanto quanto quero visitar outros mosteiros trapistas, e retornar para passar outras tardes na Brasserie Cantillon. Afinal, a sede é interminável…

beer1.jpg

Leia mais: Diário de Viagem Europa 2013 (aqui)

julho 9, 2013   No Comments

Europa 2013: Rodando bares em Bruxelas

monasteriu2.jpg

Beber em Bruxelas não é um desafio, mas um prazer que se pode fazer em qualquer esquina – desde que você saiba o caminho de casa após a terceira garrafa. Afinal, qualquer lojinha destaca um cem números de cervejas belgas que vão fazer você feliz a preços módicos, mas, ainda assim, entrar em um autentico “boteco” belga (que poderá ser um bar, um café, um bistrô ou uma brasserie – ou tudo isso junto) é praticamente voltar no tempo. Abaixo, alguns lugares que visitei nos meus dois dias e meio desta viagem separados para Bruxelas, e que você encontrará cerveja de excelente qualidade – e eventualmente comerá alguma coisa. Mas vá devagar e tenha em mente o mantra “beba menos, beba melhor”, porque a coisa aqui é séria

mortsubite.jpg

A La Morte Subite
Rue Montagne-aux-Herbes Potagères 7
http://www.alamortsubite.com/

Conheço Márcio LC desde o século passado, quando o Scream & Yell ainda era um fanzine em papel, e éramos apenas sonhadores fãs de boa música. Márcio mora em Bruxelas desde aquela época, o que não o impediu certa vez de me mandar uma coletânea “Best of 2001”, que foi trilha sonora pessoal durante aqueles meses incertos de recém-morador de São Paulo, sem muitas perspectivas, mas com muitos sonhos (Air, Royksopp, Spiritualized, Tindersticks, Mogwai, Bonnie Prince Billy, Nick Cave e outros caíram a perfeição na escuridão de noitadas em claro). Apesar de conversamos bastante naquela época, nunca tinha encontrado Márcio pessoalmente (eis uma das características marcantes do mundo moderno – para o bem e para o mal), e essa passagem em Bruxelas serviu para brindarmos aos velhos tempos.

mortsubite2.jpg

Márcio recomendou irmos ao A La Morte Subite, um café brasserie fincado no mesmo local desde 1928, e que serve algumas das especialidades da marca. Abrimos a noitada com uma Mort Subite Gueuze sur Lie, uma típica cerveja azeda e saborosa, caracterizada por uma fermentação espontânea, e que você irá encontrar em apenas uma cidade do mundo: Bruxelas. Excelente. O Café, mensalmente, aposta em um rótulo de alguma micro cervejaria belga, e a deste mês era a La Corne du bois des pendus Tripel 10. Uma das melhores da noite, que ainda contou com uma espetacular Westmalle Double Brune tirada da torneira, sem muita carbonatação, e altamente frutada, uma Grimbergen Optimo Bruno e, pra fechar, uma deliciosa A La Morte Subite Blanche. Noitada perfeita (e nem comentei do excelente omelete).

moedor1.jpg

Moeder Lambic
Place Fontainas 8
http://www.moederlambic.com/

Um amigo já havia avisado: se quiser beber Cantillon de torneira, vá ao Moeder Lambic. Mas o parceiro também sommelier de cervejas Leonardo Dias já havia passado pelo local em janeiro com sua esposa, Aline, e conhecia bem o pedaço. Camelamos muito durante o dia inteiro (o que inclui uma tarde de degustação de lambics na fábrica da Cantillon e um jantar no restaurante de “cuisine à la bière” In’t Spinnekopke – Albergue da Aranhazinha –, dica retirada de um livro do grande Garrett Oliver, mestre cervejeiro da Brooklyn Brewery, cujo final da noitada de dia claro, inesquecível, foi um sorbet de cerveja kriek, absolutamente sensacional – não que a carne cozida em cerveja lambic abaixo tenha deixado a desejar, pelo contrário).

albergue1.jpg

Do Albergue da Aranhazinha partimos para a Moeder Lambic, e o bar estava absolutamente lotado, ao contrário do começo do ano, em que Leo e Aline estavam em uma das raras mesas ocupadas do local, o que facilitou o atendimento especial. Desta vez, a concorrência era feroz, e nós, estrangeiros, ficamos meio perdidos. Mas vale muito ir ao lugar, um dos raros templos cervejeiros em Bruxelas que abre a sua carta para cervejarias de outros países (há no cardápio online e mesmo em uma lousa no bar a lista de cervejarias convidadas). A especialidade da casa é lambic, mas as mais de 60 torneiras são uma oferta paradisíaca para aqueles que querem se aprofundar no território das boas cervejas.

moneuse.jpg

O cansaço, no entanto, nos vitimou. E a demora no atendimento abaixou o pique que o sorbet de cerveja kriek nos trouxe após o jantar especial. A ideia inicial era encarar uma Papa IPA, de uma cervejaria da cidade, a Brasserie de la Senne, e ver como os novos cervejeiros belgas estão se movimentando nesse mercado mutante de cerveja artesanal (o fato de belgas apostarem em India Pale Ale mostra que, definitivamente, os Estados Unidos se inscreveram como uma escola altamente influente), mas acabamos por dividir uma ótima saison da Brasserie de Blaugies, a La Moneuse, mais caramelada e menos frutada que as saisons mais famosas, e por isso bem interessante. Foi só essa, mas quero voltar ao Moeder Lambic.

delirium.jpg

Delirium Café / Delirium Monasterium
Impasse de la Fidélité 4
http://deliriumcafe.be/

Boa parte das pessoas que já foram alguma vez para Bruxelas, já passou pelo Delirium Café, boteco que está no Guiness, Livro dos Recordes, como o local com mais cervejas disponíveis para o cliente em todo o mundo, o que praticamente o transforma em um shopping center alcoólico para os fãs de boa cerveja. O catálogo cardápio é um sonho, com centenas e centenas de rótulos, e não só belgas (apesar deles serem a maioria), mas italianos, norte-americanos, alemães e até brasileiros (Skol, Xingu e uma chamada Samba do Brasil não nos representam em terras belgas – vou escrever um e-mail pra lá sugerindo algumas artesanais nacionais como a Wäls, Way, Bodebrown e Colorado).

fleurac.jpg

Diante de tanta oferta e algumas promoções (como boa parte da linha Baladin 750 ml por 10 euros), acabei escolhendo um rótulo da francesa La Brasserie de Fleurac: Fleurac Triple Brune IPA, uma cacetada de 8% de álcool envelhecida em barris de carvalho. Fiquei seduzido pelo Triple IPA, mas achei o álcool exageradamente presente, o que a torna um pouco desbalanceada. Para manter o nível alcoólico, a próxima, já no Delirium Monasterium, parte do Delirium Village especializado em cervejas trapistas (com ou sem título oficial), foi uma Engelszell Gregorius Trappistenbier, a tal nova trapista austríaca, uma surpresa de 9,7% de álcool, notas intensas de baunilha, caramelo e nozes (tanto no aroma quanto no paladar) e alto teor de causar rubor nas faces.

monasteriu1.jpg

Na mesa ao lado, um grupo de espanhóis dividia uma belíssima taça de dois litros de La Trappe Quadrupel (21 euros, segundo o cardápio). Alguns amigos, assim que postei a foto no Facebook (as duas imagens que ilustram este texto são da Aline), lembraram das torres de chopp tão famosas em praças de alimentação de shopping centers brasileiros, mas no caso da taça de dois litros de La Trappe Quadrupel, a coisa faz todo sentido porque estamos diante de uma cerveja que muda o sabor conforme sua temperatura sobe, e fica ainda melhor (ao contrário das torres brasileiras, que precisam manter o líquido estupidamente gelado, para que ele não perca a talvez única qualidade que tem, que é a refrescância). Ainda voltarei ao Delirium Monasterium com uma turma de amigos para encarar uma taça de dois litros…

bonvieux.jpg

Au Bon Vieux Temps
Impasse Saint-Nicolas 4

Há certa magia em torno da cerveja trapista Westvleteren, feita na abadia de Saint Sixtus. Falei um pouco sobre o assunto quando escrevi da Westvleteren 8, e, naquela época, era um pouco mais difícil e mais caro encontrar um exemplar da cerveja mítica por ai dando sopa (mesmo em Bruxelas). Hoje, após um projeto de modernização do mosteiro que colocou centenas de milhares de caixas no mercado (uma manchete dizia que havia mais fila para comprar Westvleteren do que o então recém-lançado iPad 2), é até mais fácil encontrar as três Westvleteren (6, 8 e 12) em bons empórios, seja em Amsterdam, Paris ou Bruxelas. O preço irá variar entre 10 e 20 euros a garrafinha de 330 ml, a não ser que você decida ir até o mosteiro.

roche.jpg

Ainda assim é possível beber a Westvleteren 12, eleita a melhor cerveja do mundo, em um café de Bruxelas pagando 10 euros (mais barato, por exemplo, do que no Bier Tempel, tradicional reduto cervejeiro bruxelense). O local se chama Au Bon Vieux Temps, e fica numa vielinha perto da Grande Praça. A senhora espanhola é atenciosa, e o cardápio da casa traz várias trapistas, mas eu não podia perder a chance de beber uma 12 sem que ela tenha sofrido tanto para chegar ao Brasil (há sobre minha geladeira, neste momento, uma 6, duas 8 e duas 12 – a primeira trazida na viagem deste ano e as outras quatro da viagem do ano passado, cortesia da Luana, que as comprou em Amsterdam). Valeu a expectativa, o ambiente aconchegante e a belíssima cerveja. Se tiver por perto da Grande Praça, vale muito ir ao Au Bon Vieux Temps.

corne.jpg

Leia mais: Diário de Viagem Europa 2013 (aqui)

junho 29, 2013   No Comments

Sobre o Best Kept Secret e Bruxelas

brussels1.jpg

“O que você fez depois da Holanda?”, perguntou um amigo a respeito do Diário Europa 2013. Hora de atualizar as histórias de viagem. Então, após conhecer a encantadora Delft e me decepcionar um tiquinho com Haia, parti em direção ao motivo que me levará para terras holandesas neste ano, o Best Kept Secret Festival, em Hilvarenbeek, do lado de Tilburg, vizinha de Eindhoven, local em que montei meu QG de cobertura.

best2.jpg

A rotina diária consistia em acordar, pegar o trem para Tilburg (22 minutos) e, na própria estação de trem, pegar o shuttle para o festival (11 minutos). Não houve muita coisa fora 10 horas de festival diários, sobre o qual publiquei a cobertura completa no site (leia aqui), as fotos numa galeria no meu flickr e alguns vídeos aqui mesmo no blog. Fora isso, cervejas belgas por 1,90 euros na vendinha e uma visita a La Trappe, que conto melhor depois.

bruxelas1.jpg

Na segunda, após os shows sensacionais de Portishead e Sigur Rós na noitada de domingo, parti para Bruxelas. Engraçado: eu já havia passado em quatro oportunidades pela cidade que tem uma das grandes praças mais lindas do mundo e mais cervejas à venda em tudo quanto é canto do que dias no calendário anual, mas nunca tinha dormido em Bruxelas. Sempre era uma coisa de passar o dia e ou ir pra Leuven (Rock Werchter), Bruges ou Paris.

brussels2.jpg

Desta vez consegui um quartinho perto da Grande Praça, oito lances de escada acima, que quase vitimou esse pobre coração, fraco e cansado. Na rua ao lado, na noite em que cheguei, Patti Smith fazia um show sold out, e as ruas cheiravam a batata frita. Foi uma passagem rápida e pra lá de especial em uma cidade que me mudou completamente nos últimos anos. O que sou hoje é um Marcelo pós ter conhecido cerveja belga, seis anos atrás. Aconteceu muita cois, mas vamos lembrando aos poucos. Bruxelas, um beijo.

brussels3.jpg

Leia mais: Diário de Viagem Europa 2013 (aqui)

junho 29, 2013   No Comments

O conto de duas cidades (holandesas)

del11.jpg

Dormi na dúvida se iria para um lugar conhecido (Amsterdam) ou um desconhecido (Haia) no dia seguinte, e acordei decidido a encarar o novo. Amsterdam é uma das minhas cidades prediletas, e voltarei a ela oportunamente, com mais tempo e menos correria. Haia, por sua vez, tinha a sedução do novo e a possibilidade de reencontrar Johannes Vermeer, um dos pintores pelo qual meu apreço mais aumentou nos últimos anos. No fim do dia, um misto de decepção e euforia. Ainda assim, foi um daqueles dias pra lá de especiais.

del2.jpg

O dia amanheceu ensolarado, mas logo o céu ficou nublado, sem chuva, mas cinza. No trem, lendo o guia que me acompanha desde sempre (Guia Criativo Para o Viajante Independente – Europa), o pessoal destacava Delft, uma cidadezinha ao lado de Haia, que muitos chamam de mini Amsterdam por sua quantidade de canais, e tem como mérito ser a terra natal de Vermeer. Melhor: toda quinta-feira, a praça central, de característica medieval, recebe uma animada feirinha, que se estende pelas ruas paralelas. Na hora e local certos. Partiu.

del3.jpg

Delft é daquelas cidadezinhas pitorescas pelas quais a gente se apaixona nos primeiros passos pelas ruas de paralelepípedos. Os canais, sim, lembram Amsterdam, mas o clima de cidade do interior é o que mais encanta. A praça histórica – local de feiras e julgamentos públicos no século 13 – mantém o formato de antigamente com a igreja gótica de um lado (o poder religioso) e a prefeitura logo em frente, do outro (o poder administrativo). Entre uma e outra, dezenas de casinhas, restaurantes, cafés e tudo o mais.

del4.jpg

A feirinha estava fervendo quando cheguei. Barraquinhas com queijo holandês, roupas, doces, tortas, aparelhos eletrônicos, vinis e tudo mais chamavam a atenção dos transeuntes, mas quem estava fazendo o maior sucesso era o tiozinho da barraca de peixes. No modelo feirante que usa a voz pra chamar a atenção do freguês, ele limpava o Arenque (pequeno peixe gordoruso e famoso por estes lados), jogava no sal e na cebola, e quem quisesse era só pegar o bicho cru e mandar ver. Fiquei quatro horas na cidade, e a barraca sempre esteve lotada.

del5.jpg

No quesito vinis, encontrei uma barraca bacana. Após o dono perguntar se eu era norte-americano (pela minha camiseta da Third Man Records, Nashville, Tennessee), e eu responder que não, ele já foi me oferecendo um álbum do Johnny Cash com June Carter. Gostei. Ainda levei uma coletânea de Django Reinhardt e o terceiro grande álbum solo de Rod Stewart. Chorei um desconto e a brincadeira saiu por 13 euros. Na barraca seguinte achei o “Deja Vu”, de Crosby, Stills, Nash & Young, edição original. Saiu mais caro: 7 euros.

del6.jpg

E lá fui eu para um dos cafés beber uma cerveja e admirar as aquisições. Escolhi uma Vermeer Gruyt Bier (já tinha pego duas cervejas Vermeer na lojinha sobre o pintor), segunda cerveja feita com gruit (e não com lúpulo) que bebo. Para contrabalançar o malte e conservar a cerveja durante mais tempo, no desconhecimento das propriedades do lúpulo (descoberto no século 12), era usado um gruit, mistura de ervas aromáticas que funcionavam como tempero e concediam a cada cerveja um sabor particular. Gostei da Vermeer Gruyt. 

del7.jpg

E tô eu ali, namorando os vinis, e uma senhora holandesa da mesa ao lado começa a puxar papo. Assim que digo que sou de São Paulo, ela emenda: “As coisas estão sérias lá, hein”. O bate papo animado (vinis x CDs, Johnny Cash, espuma da cerveja) durou uma meia-hora, e ela se despediu pedindo para eu aproveitar a Holanda. “Tome cuidado quando voltar para São Paulo. Estou acompanhando pela TV”, ela disse. “É um momento muito importante para nós”, comentei. “Eu sei, é muito bom ver o povo reagindo”, ela finalizou. Segurei as lágrimas, mas elas me venceram uns três minutos depois.

del8.jpg

Encantado com Delft esqueci que havia um museu a ser visto na próxima cidade. Parti em direção a Den Haag (que é como os holandeses conhecem Haia) e ao museu Mauritshuis, mas como o Jonas Lopes já havia comentado em um post anterior, ele está fechado para reforma, e “emprestou” 100 obras suas para o Gemeente Museum, e para alguns outros museus ao redor do mundo. Duas horas apenas para encontra-lo, então bora atrás do Museu Municipal. Encontrei, vi toda exposição, e sai um pouco frustrado.

del9.jpg

Primeiro porque uma das principais obras do Mauritshuis, a Scarlett Johansson com Brinco de Pérola (hehe), não estava no Gemeente, e sim passeando pelo mundo (último paradeiro: São Francisco). Segundo porque só há dois quadros de Vermeer na mostra. “Vermeer é conhecido pelos quadros pequenos de cenas cotidianas”, explicava o texto de um deles. “Este, de sua primeira fase, é diferente”. Ou seja, além de ter apenas dois Vermeer em exposição, nenhum dos dois traz os traços clássicos pelos quais o pintor veio a ser conhecido.

del13.jpg

A obra de Vermeer é pequena. Consta aproximadamente 45 quadros em seu nome, e destes já tive o prazer de ver “A Leiteira”, “Mulher de Azul, Lendo uma Carta” (que esteve no MASP no começo do ano), “Mulher Tocando Guitarra”, “Senhora diante do Virginal”, “O Astrônomo” e “A Rendeira”. Estava com expectativa de ver “A Moça com Brinco de Pérola” (conhecido por estes lados como “A MonaLisa Holandesa”), mas vai ficar para uma próxima vez, afinal pretendo voltar a Delft, e estando aqui esticar para Haia – e também para Rotterdam, a fim de ver as casas cubistas de Piet Blom.

del12.jpg

Não que o passeio pelo Gemeente Museum tenha sido em vão. Vários Rembrandt (incluindo “Aula de Anatomia do Dr. Tulp”), alguns Francis Bacon, mais Picasso, Van Gogh, Cezanne, Kandinski e Monet credenciam o museu. Entre os meus preferidos, alguns de Peter Paul Rubens e outros de Frans van Mieris (este último lembrando cenas de Vermeer, mas com um toque de ironia que inexiste na obra do mais famoso). Na verdade, gostei mais da exposição de arte moderna do que dos clássicos. A versão 2013 de “Eva”, com cueca, seminua, gata, e segurando uma folha de maconha na mão ao invés de uma maçã, é uma baita tentação.

del111.jpg

O saldo final do dia foi mais uma cidade apaixonante, quatro vinis, três CDs (“On Stage”, um show do Elvis Costello de 1996; “At The Beacon Theatre 2003”, do Radiohead; “Live Germany 1985”, do R.E.M.), duas cervejas (além da Vermeer Gruyt, peguei também a Vermeer Mueselare) e algumas lágrimas. Nesta sexta-feira começa o Best Kept Secret Festival, e a programação destaca shows de Maccabees, Fuck Buttons, Surf Blood e Arctic Monkeys. Antes, porém, tenho um tour reservado na Abadia de La Trappe. O dia promete…

del10.jpg

Leia mais: Diário de Viagem Europa 2013 (aqui)

junho 20, 2013   1 Comment

Três vídeos: Manic Street Preachers em Oslo

junho 20, 2013   No Comments

Batendo perna em Eindhoven

ei1.jpg

Uma das coisas legais de montar seu próprio roteiro de viagem é, de vez em quando, cair em alguma pequena cidade fora da rota sem nunca ter ouvido falar nela (ou prestado atenção). As vezes isso acontece por um fator econômico (você pega um trem ou um avião para um lugar x para dali ir a um lugar y) ou, mais costumamente, ver um show e/ou festival. Cidades grandes estão todas inscritas no seu imaginário por mais que você nunca tenha pisado nelas. As cidades pequenas, no entanto, provocam um interesse diferente.

ei2.jpg

Foi pensando nisso que sai para caminhar em Eindhoven, que os futebolistas já devem ter ouvido falar por ser a casa do PSV (o estádio é aqui pertinho). Com pouco mais de 210 mil habitantes, Eindhoven é a quinta maior cidade holandesa (e a maior da região do Brabante Norte), e lembra uma cidadezinha de interior. O centro histórico é pequeno e aconchegante, com quatro longas ruas com bares e restaurantes lotadas nestes dias em que o sol se põe às 22h. É uma das cidades próximas ao Best Kept Secret Festival, que começa na sexta.

ei4.jpg

A sensação é de que algo está acontecendo em algum lugar, e só eu não estou sabendo. Provavelmente não está acontecendo nada, mas a impressão que fica é que essa cidade pacata deve ter o seu lado libidinoso. A Baekeland Square Red Light Area fica um pouco distante do centro (fiscalizada e liberada pela prefeitura) e os poucos coffee shops são espalhados e discretos. Na caminhada de 40 minutos só vi um, estrategicamente disposto ao lado de uma famosa rede de hostels, embora uma placa na porta avisasse: “Turistas não são permitidos”.

ei8.jpg

Buscando informações sobre a cidade na internet descobri que ela “possui uma estátua em pose militar do cantor norte-americano Michael Jackson” (WTF!), mas não consegui encontra-la (ainda – risos). No entanto passei em frente à catedral gótica da cidade, uma das mais true que já visitei, pois em frente, na calçada, espelhos de vidro mostram esqueletos de pessoas enterradas no local. Perto deles, as gárgulas seculares incrustadas nas paredes são apenas palhacinhos divertidos.

ei5.jpg

A cidade é tão pacata que ao atravessar uma das avenidas principais, vazia, vi um holandês do outro lado da rua esperando o sinal verde para pedestres. Decidi ser correto e esperar também. Passa um minuto, nada de carro (como dezenas de outras cidades nesse país e nos vizinhos, Eindhoven é dominada por bicicletas), ele me olha do outro lado como se dissesse: “Puta que pariu, como demora, né?”. E espera. O sinal abre uns três minutos depois, e ninguém atravessou no vermelho.

ei6.jpg

Três coisas me chamaram a atenção: cerveja, carne e sorvete. Estamos praticamente ao lado de Tilburg, caso da La Trappe, então é fácil encontra-la em todos os bares da região. Quanto à carne, após duas negativas em restaurantes da pracinha central (segundo eles, a cozinha fechava às 22h), acabei no… Gaúchos, uma churrascaria especializada em… cortes argentinos. Tem um bifinho de um quilo aqui que adoraria dividir com alguns amigos, mas fui modesto e peguei uma tira de 350 gramas. No ponto, sangrando, mas a do Estocolmo era mais saborosa.

ei9.jpg

Estou na dúvida do que fazer nesta quinta-feira livre. A primeira ideia era esticar até Amsterdã, uma hora e 10 minutos de trem, e passar o dia inteiro lá. Mas, consultando o guia, descobri que Haia está à uma hora e meia de trem daqui, e a real sede do governo dos Países Baixos (a capital, no entanto, é Amsterdã) possui um museu interessantíssimo com vários quadros de Rembrandt e, principalmente, Vermeer, incluindo aquele da Scarlett Johansson com um brinco de pérola (hehe). E tem Roterdã no caminho. Uma cidade conhecida ou duas novas? Dúvida.

ei7.jpg

Leia mais: Diário de Viagem Europa 2013 (aqui)

junho 19, 2013   No Comments

Quebrado em Eindhoven

witte.jpg

Deixei Estocolmo de ônibus às 3h30 da manhã já com o sol alto e o céu azul em direção ao Stockholm Skavsta Airport (quase 100 quilômetros da capital sueca). Cheguei em Eindhoven às 8h30 com céu nublado e tempestade, tanta chuva que ficamos presos na aeronave por 50 minutos (nós e mais uns cinco aviões). Entre uma cidade e outra, todo aquele cansaço de voar com a Ryanair (mas o carinha que recebeu minha mala, que estava pesando quatro quilos a mais, e morreria 60 euros nisso, deixou passar na boa), stress imenso e intenso. Corpo quebrado.

O importante é que as 10 cervejas e os 12 vinis chegaram inteiros. E eu também (nada como cinco horas de sono em uma boa cama). Eindhoven deve ter alguma coisa com alienígenas. Vi dois prédios e uma pichação que citavam OVNIs. No ônibus para o centro, dezenas de pessoas partindo para o camping do Best Kept Secret. Peguei um hotel na pracinha central de Eindhoven, abri os trabalhos com uma cerveja local (a La Trappe Witte, da vizinha Tilburg) e depois joguei tudo para o alto com uma sensacional Tripel Karmeliet. Holanda, é bom estar de volta.

Ps. Preciso comprar galocha…

Leia mais: Diário de Viagem Europa 2013 (aqui)

junho 19, 2013   No Comments

Completamente apaixonado por Estocolmo

es1.jpg

Fazer mochilão é algo cansativo, ainda mais no modo que gosto de fazer, que é aquele de ficar no máximo quatro ou cinco dias numa cidade, e pular para outra na sequencia. É um fazer malas (pesadas), pegar avião/trem, achar o hostel, desfazer a mala, curtir a cidade e começar tudo de novo. Cansa pacas, mas se justifica completamente quando encontro uma cidade apaixonante. Dai eu penso que queria ficar um mês, um ano, uma vida, e planejo uma volta.

es2.jpg

Fiz essa escolha de viagens longas com estadias curtas porque tenho plena consciência de que não terei tempo útil para conhecer todas as cidades que quero conhecer, e se um dia a vida estabilizar, volto com mais tempo para aquelas que tomaram meu coração. A nova candidata ao posto de paixão é Estocolmo, e ela se junta a algumas paixões sem fim de viagens anteriores como Praga, Veneza, Santorini, Paris, New Orleans e Amsterdã.

es3.jpg

Meu plano inicial era ficar cinco dias em Estocolmo, mas alterei o roteiro após certo desencanto com Oslo, e susto com os preços escandinavos, mais a loucura de decidir em qual festival eu iria. Tanto o South Side, na Alemanha, quanto o Best Kept Secret, na Holanda, me credenciaram, e escolhi aquele que fosse mais em conta financeiramente no conjunto voo+hotel+saída pra Bélgica (última parada antes de voltar ao Brasil). Venceu o festival holandês, e Estocolmo perdeu três dias.

es4.jpg

Se eu soubesse que iria me apaixonar tanto pela cidade teria buscado uma solução alternativa, ou mesmo pago um pouco mais pelo conjunto “voo+hotel+saída pra Bélgica” para curtir outros dois dias aqui, mas nada de chorar sobre o uísque derramado. O que me restava era aproveitar as 48 horas que eu teria na capital da Suécia, e bati tanta perna pra lá e pra cá que já alivei o peso da mala na quantidade de Dorflex que ingeri nas últimas horas (risos).

es5.jpg

Estocolmo é linda. Lembra bastante Amsterdam, mas sem o turismo maconheiro, o que, para mim, é um ponto positivo (desculpe amigos fãs da erva). Tem uma desvantagem de ser uma cidade mais cara, e ter uma forte restrição ao consumo de álcool, mas ainda assim encanta. Localizada sobre 14 ilhas no centro-sul da costa leste da Suécia, é uma cidade daquelas de fazer a gente suspirar, principalmente no verão (no inverno, claro, as coisas são tensas por aqui).

es6.jpg

Passei boa parte do primeiro dia na ilha de Stadsholmen, onde fica Gamla Stan, a cidade velha, com ruazinhas e becos medievais que remetem a Praga e ao Barri Gotic de Barcelona. Datada do século XIII, Gamla Stan destaca uma arquitetura gótica de influência alemã e ostenta a Catedral de Estocolmo, o Castelo Real e o Musel Nobel, onde todos os anos são entregues os Prêmios Nobel. E também o restaurante Den Gyldene Freden, em atividade desde 1722!

es8.jpg

É uma área extremamente turística, claro, mas é possível encontrar ruas, bares e cafés para aproveitar um fim de tarde em paz (mesmo no verão). Não na Södermalm, a ruazinha principal, lotada de comércio para turistas, mas também restaurantes, sorveterias e creperias – além de uma loja de discos voltada para jazz e blues. Há algumas pracinhas encantadoras que são o paraíso num fim de tarde ensolarado de verão europeu.

es7.jpg

Também fui ao distrito de Södermalm atrás de alguns vinis na Pet Sounds (obrigado pela dica, André Takeda) e rodei bastante a área central, parando aqui para um sorvete, ali para uma cerveja, acolá para um hot dog – e até para um bife na churrascaria Jensen Bofhus, pertinho da estação central (que acompanhado de um pint da cerveja tcheca Staropramen saiu por pagáveis R$ 60 – a melhor refeição da viagem até agora).

es12.jpg

Não sou muito fã daqueles ônibus Hop on Hop Off, mas quando o tempo é curto e a cidade é grande, eles até ajudam bastante. Havia usado um uma vez em Bruxelas (quebrou um galho nas quatro horas que eu tinha livre) e outro em Los Angeles (quem manda não dirigir), e acabei por encarar um em Estocolmo, mas não a versão ônibus, e sim a versão barco, que passeia pela cidade parando em seis das quatorze ilhas. Lembrou Veneza. E foi bem legal.

es10.jpg

Um dos grandes momentos do dia foi conhecer o museu mais visitado da Escandinávia, o Vasamuseet, que nada mais é do que um museu marítimo. O destaque é o enorme navio de guerra Vasa, que naufragou na baia de Estocolmo no dia de sua viagem inaugural em… 1628. O Vasa permaneceu no fundo do mar por 333 anos, até ser retirado intacto em 1961. O projeto de recuperação demorou mais 29 anos, e, em 1990, o museu foi inaugurado. 

es14.jpg

Impressiona absurdamente o quanto o navio permaneceu inteiro debaixo d’agua, e sua grandiosidade enche os olhos. O museu, porém, não trata apenas do navio, mas de tudo que é ligado a ele. Desta forma, réplicas dos desenhos de proa, utensílios e mesmo esqueletos da tripulação estão exibidos para o público, que praticamente entra em uma capsula do tempo e retorna até os primeiros anos de 1600. Um dos museus mais impressionantes que já visitei.

es9.jpg

Despeço-me de Estocolmo com a sensação de quero voltar para cá o mais rápido possível, com mais tempo, com mais calma, com mais planejamento. Em agosto rola o Way Out West Festival, em Gotemburgo (com Neil Youg & Crazy Horse encabeçando o line-up), e seria uma ótima pedida ir ao festival e esticar para cá, mas melhor não pensar em viagens agora – e sim nas contas a pagar. Amanhã acordo em Eindhoven, na Holanda, e o trecho final da viagem começa, mas deixo um pedaço do meu coração em Estocolmo.

es13.jpg

Estocolmo, já estou com saudades.

Ps. Sim, as mulheres suecas são lindas… praticamente todas.

junho 18, 2013   No Comments

No trem de Oslo para Estocolmo

europa1.jpg

Noite complicada de sono em Oslo. O sol da meia-noite, bastante comum por estes lados nórdicos nessa época do ano, chegou um pouco atrasado e, ali pelas duas e pouco da manhã, começou a invadir o quarto pelas frestas da cortina. Acordei assustado várias vezes durante a “madrugada” ensolarada acreditando que já era 9h da manhã e eu tinha perdido o trem que me levaria para Estocolmo. Desisti do sono às 6h (o trem só saia às 7h30).

eu9.jpg

Na estação, a ideia era trocar as coroas norueguesas (uma nota de 200 que equivale a, tipo, uns R$ 75) que ainda tenho por coroas suecas. Há uma máquina ali exatamente para isso e você pode trocar o dinheiro que tiver (sendo euro, coroa norueguesa ou sueca) por um dos três disponíveis. É sensacional. Cada vez mais, as máquinas parecem tomar o lugar das pessoas, mas, neste caso em particular, a máquina não estava funcionando.

eu10.jpg

Raramente escolho lugares quando compro passagens de trens e avião (nunca quando tenho que pagar um valor a mais para isso), mas desta vez decidi garantir um lugar na janela para admirar a paisagem. A planta do trem no site mostrava que todos os lugares pares eram na janela, paguei uns 40 krones a mais por uma vaga e não é que chegando no local, os lugares pares são no corredor? Nunca mais reservo algo assim.

eu12.jpg

Tudo bem que o vagão está vazio e arranjei uma janelinha com tomada para carregar o computador enquanto escrevo e observo a paisagem. A Noruega, lembrando uma definição semelhante de Lili sobre o Chile, é um país alto e magro, desta forma, como a viagem é vertical, devemos sair rapidamente de seu território e adentrar a Suécia. A paisagem de casinhas é bonita e me lembra o quanto gosto de viajar de trem.

eu11.jpg

Houve um tempo em que meu pai foi tentar a sorte numa cidadezinha do interior paulista chamada Bernardino de Campo, e várias vezes fiz o trecho “São Paulo / Bernardino” de trem (algumas à noite). É lamentável que a malha ferroviária brasileira esteja às moscas, e que o Governo não invista no setor. Adoraria viajar de São Paulo para o Rio de Janeiro, ou, quem sabe, para o Nordeste, em um trem observando a paisagem pela janela.

eu13.jpg

No vagão restaurante não encontrei nenhuma Julie Delpy, mas sim um grupo de mineiros (imagino pelo sotaque inconfundível) de terceira idade se embananando para comprar o café da manhã. Uma das senhoras estava radiante por ter pego uma barra de chocolate suíço por 25 kr enquanto a outra se perdia numa confusão de notas norueguesas, suecas e de euros na hora de pagar. A senhora do caixa, atenciosa, explicava as diferenças.

eu15.jpg

Voltei a ler algumas páginas de “Como é Bela a Puta da Vida”, livro novo do português Miguel Esteves Cardoso, presente do amigo Bruno Capelas. O livro, compilação de crônicas do autor publicadas em jornal, é uma declaração de amor do jornalista à sua esposa, e narra, na primeira parte, a descoberta de seu câncer, e o tratamento. “Logo Maria João poderá tocar as flores sem que estas fiquem azuis”, descreve Miguel ao fim da quimioterapia da mulher.

eu16.jpg

Além da escrita emocional do autor, o que me comove é a maneira leve com que ele (e principalmente ela, que o ensinou a levar a vida com calma) narra o tratamento e a expectativa de que o casal saísse vencedor deste combate cruel. No último texto que li, Miguel conta que começou a valorizar o “tempo perdido”, mesmo em frente a semáforos. “Se somarmos o tempo parado em faróis esperando o verde, quantos verões daria?”, questiona.

eu17.jpg

Aproveitar o tempo, ele faz questão de frisar, não é ligar para amigos no meio de um congestionamento, mas sim aprender a não fazer nada e admirar um jardim. Olhar a pessoa amada, saborear um café, escutar uma canção sem se preocupar que existam mais não sei lá quantos discos novos disponíveis. A velocidade do tempo, turbinada pela necessidade de estar atualizado a respeito de tudo e todos, está atropelando a calma. Precisamos combater isso.

eu18.jpg

Oslo foi uma surpresa. Esperava (acho que todo mundo espera) um país de loiros e loiras, ruivos e ruivas nórdicas, e, claro, eles existem, mas a população (ao menos na capital) é bem dividida entre negros, indianos, turcos, japoneses e tudo mais. A cidade parece conviver bem com isso, embora em Malmo, na ponta do país, a diáspora racial ainda seja forte e latente. Algumas loiras são encantadoramente lindas, mas as norueguesas morenas não ficam atrás.

eu8.jpg

A paisagem da janela do trem é verde e exuberante, e as casas são simples. Meu vizinho de poltrona sai do trem em toda parada para dar duas ou três baforadas em seu cachimbo, o que transforma esse fundo do vagão em um enorme cinzeiro. Logo fugirei e retornarei ao vagão restaurante para provar a cerveja de 2.1% de álcool servida no local. Segundo o garçom no Mathallen, a lei sueca é ainda mais rígida em relação á bebida. Sem muita expectativa.

eu7.jpg

As cidades passam pela janela. Arvika, Kil, Kristinehamn. Todas muito charmosas e sedutoras. A vida parece calma aqui, e penso se conseguiria domar minha ansiedade morando em lugares assim. Sinto vontade, mas não de viver aqui, claro. O verão é algo único, mas o inverno me destruiria facilmente. Não sei o que seria mais difícil: conviver com o frio e a neve ou comigo mesmo e meus pensamentos trancado numa casinha de uma vilinha qualquer sueca.

eu6.jpg

A trilha sonora da viagem é “Vazio Tropical”, novo disco do amigo Wado, aqui produzido por Marcelo Camelo. Eu já gostava de “Cidade Grande” na versão de Cris Braun, e a versão de Wado valoriza a boa letra. “Rosa” é Wado em seu melhor: “Os olhos dela ensinam estrelas a brilhar, vai doer / Os braços dela ensinam ondas a quebrar, vai doer / Vai doer, mas depois vai passar”. A dor está intrinsicamente ligada ao amor. Vai doer, mas depois vai passar.

eu5.jpg

Há algo de Chico Buarque em “Flores do Bem”, talvez seja o vocal de MoMo, que engrandece a ótima letra. “Minha mãe me queria grande, eu preferi comprar minhocas, eu decidi pescar uns peixes / Meu pai me queria homem, eu preferi regar as plantas, eu decidi colher as flores / Minha mãe me queria santo, eu descobri que amava os vícios, eu precisei andar com as bruxas / Meu pai me queria impávido, eu preferi correr das brigas, eu aceitei levar uns socos”.

eu4.jpg

Ainda não tenho uma opinião formada sobre o álbum, o mais sútil de toda carreira de Wado, com uma sonoridade despida que remete aos discos solo da carreira solo de Marcelo Camelo – aqui com a vantagem das canções terem foco e proposito, e não serem apenas rascunhos como nos trabalhos do ex-Los Hermanos. Além de Wado ando ouvindo muito “Antes Que Tu Conte Outra”, disco forte do Apanhador Só que cresce absurdos a cada nova audição.

europa3.jpg

Terei apenas um dia e meio em Estocolmo, e terei que aproveitar ao máximo o sol se pondo quase às 23h. Na quarta, durante a madrugada (provavelmente ensolarada) estarei a caminho de Eindhoven, na Holanda, onde montarei meu quarto general particular para acompanhar o Best Kept Secret Festival. Dali para Bruxelas, na segunda, e dois dias depois estarei de volta a São Paulo. O segundo semestre promete mudanças, e que elas venham para o bem.

europa2.jpg

É só nisso que consigo pensar…

junho 17, 2013   No Comments