Random header image... Refresh for more!

Category — EUA 2011

Oito pubs de cervejarias nos EUA

A edição de fevereiro da revista Alfa (com Chico Buarque na capa) trazia uma interessante reportagem sobre o Vale das Cervejas, no Estado do Colorado, região que tem, contada, 74 microcervejarias (leia, depois, aqui – hehe). Não fui a nenhuma dessas cervejarias na viagem, o que não quer dizer que me rendi ao império Inbev, muito pelo contrário, e abaixo listo (em cada uma das cidades pelas quais passei) bares cervejarias que valem muito a sua visita.

pub1.jpg

Blackstone Restaurant & Brewery, Nashville
O agito na capital do folk acontece na Broadway Street e na Second, com diversos bares e pubs oferecendo versões novas de Taylor Swift e velhas de Johnny Cash, a maioria tocando repertório próprio e tentando a sorte. No começo da Broadway Street há uma filial concorrida da Rock Bottom (texto mais abaixo), mas vale sair do centro da cidade (de preferência de taxi) para conhecer a Blackstone Restaurant & Brewery, cervejaria a cerca de 10 minutos da área da bagunça, com seis cervejas próprias e um bom número de pratos no cardápio. Minha preferida foi a American Pale Ale, levemente amarga, mas com presença boa de malte equilibrando o conjunto. As premiadas Nut Brown Ale (esforço conjunto do brewmaster da casa com o cervejeiro caseiro Dave Miller) e Chaser Pale (uma interessante Kölsch, estilo alemã pouco explorado) entram no páreo pela briga do primeiro lugar. Há ainda uma Porter (St. Charles Porter), uma American Brown Ale e uma West Coast IPA (Hop Jack).

http://www.blackstonebrewery.com/

450flying.jpg

The Flying Saucer, Memphis  (e mais 15 cidades)
A manchete do cardápio, em formato jornal, avisa: “A missão do Saucer é abastecer a comunidade com uma vasta seleção de cervejas artesanais do Tennessee e do resto do mundo”.  E eles levam a missão a sério. São mais de 200 cervejas e uma lousa que informa de aquisições recentes e promoções. O local é enorme, próximo a Beale Street, e seu teto é forrado por pratos com o nome de quem conseguiu alcançar a pontuação máxima no arremesso de dardo do local. “Você pode tentar três vezes”, informa a garçonete. Além da vasta seleção há as “Saucer Flights”, oito tours cervejeiros, cada um com cinco rótulos, por 10 dólares. O primeiro (Around The World) apresenta cervejas de cinco países; o segundo (The Dark Side) reúne cinco cervejas que valorizam o malte torrado; há ainda um tour europeu, outro norte-americano, um apenas para lúpulo-maníacos, outro para fãs de fruit beers e cidras e o que escolhi, “Around The Hood”, com cinco cervejarias locais. Na minha seleção veio uma Abita Purple Haze (aroma frutado e paladar que remete a Chardonnay), a tradicional Blackstone St. Charles Porter, uma Yazoo Dos Perros (leve, mas lupulada e com notas amadeiradas), uma Lazy Magnolia Southern Pecan (brown ale com nozes) e, fechando, uma herbal O’Fallon Hemp Hop Rye (sim, com marijuana). Em Memphis ainda vale beber algumas no Local Gastro Pub.

http://www.beerknurd.com/

crescent.jpg

Crescent Brewhouse
Primeiro brewpub de New Orleans (aberto em 1991), a Crescent Brewhouse oferece um tour pelos seus cinco rótulos abrindo com uma Pilsner bem tradicional, seguida por uma Red Stallion (Vienna Lager bem maltada e aromática), pela Black Forest (tradicional estilo Munique) e uma Weiss, a minha preferida do tour. As quatro são fixas na produção da cervejaria, e há uma quinta, sazonal, que eles vão mudando conforme a vontade do brewmaster. Neste tour era uma IPA levemente amarga. As cinco cervejas são boas, mas nenhuma impressiona. Ainda assim, o tour é um ótimo acompanhante para os bons pratos da casa. Você pode conferir o menu no site abaixo.

http://www.crescentcitybrewhouse.com/

elevator.jpg

Elevator Brewery And Draught, Columbus
A chance de você passar pela simpática capital do Estado de Ohio é pequena, mas se acaso acontecer, a High Street é a rua que você precisa encontrar. Dois bons pubs cervejarias estão ali: a Barley’s Brewing (nº 467), que além de cervejas direto do barril tem no cardápio a ótima Blue Moon e bons sanduíches, e a preferida da casa, Elevator Brewing. Em uma bela mansão de 1897, assombrada por fantasmas e espíritos (segundo o cardápio), o pub exibe uma lista extensa que mantém, ao menos, 12 tipos de cerveja diferentes escorrendo pelas torneiras. Você pode arriscar entre alguma dos cavalos de batalhas da cervejaria (Dark Horse, medalha de bronze em torneio, a Procastinator Doppelbock ou a demente Hours Imperial Red Ale, de 11% de graduação alcoólica) ou pedir um sampler com três (US$ 4,50) ou seis (US$ 9) cervejas do cardápio. Minha preferida: Three Frogs, uma IPA de responsa.

http://www.elevatorbrewing.com/

magnolia1.jpg

Magnolia Pub and Brewery, São Francisco
Sob o comando do brewmaster Dave McLean, o Magnolia Pub não é só o lugar que vende brownie de chocolate com bacon de sobremesa. Todas as cervejas do cardápio são feitas na casa (são quase 20, embora algumas sejam sazonais) e os destaques são a poderosa Pride to Branthill, uma english strong ale de corar a alma com 9% de graduação alcoólica, mas deixe-a para a segunda ou terceira rodada (senão as outras soaram apagadas, menores), a Piper Pale Ale (5,2%) e a encorpada Stout of Circustance. Eles ainda têm uma Cole Porter no cardápio e uma sazonal bastante interessante: Magnolia Bonnie Lees Best Bitter. O fish and chips (tradicionalíssimo com fritas bravas e muito óleo) é ótimo. Pub com jeitinho de decadente, mas muito bem freqüentado, o Magnolia fica numa esquina da Haight Street, 1398, no bairro da contracultura.

http://www.magnoliapub.com/

barneys.jpg

Barney’s Beanery, Los Angeles
Esqueça a Calçada da Fama. Este é o lugar obrigatório (junto com a Amoeba) a se passar em LA. Pub bacana que em suas mesas viu desde Marilyn Monroe comer sanduíche, Jimi Hendrix conversar com Janis Joplin pela última vez antes da overdose, e Quentin Tarantino rabiscar o roteiro de “Pulp Fiction” (entre outras coisas), e que hoje em dia está lotado de TVs passando jogos de basquete, hóquei e beisebol – além de ter mesas de bilhar. De produção própria só tem a boa cerveja que leva o nome da casa, mas o cardápio tentador tem mais de 200 marcas divididas entre EUA e Estrangeiras e entre torneira e garrafa. No cardápio (veja aqui e aqui) tinha uma Monty Python’s Holy Grail inglesa (que estava em falta), que me deixou curioso (essa da foto é uma Pyramid Hefe, do Havaí). A comida é bem boa – destaque para o chilli. São cinco filiais, mas a original é a da Santa Monica Boulevard, 8447, em West Hollywood, trecho histórico da Route 66.

http://www.barneysbeanery.com/

rock.jpg

Rock Bottom, Chicago (e mais 30 cidades)
Pub cervejaria com mais de 30 filiais pelos Estados Unidos, a Rock Bottom de Chicago tem uma boa localização (na saída do metrô Grant, Red Line, na Magnificent Mille) e belíssimas cervejas no cardápio em um ambiente bem legal que se divide entre pub e restaurante. O mestre cervejeiro Chris Rafferty defende que uma boa cerveja se faz unindo as tradições com criatividade. Isso lhe rendeu dezenas de prêmios, como duas medalhas de ouro na Copa do Mundo de Cervejas em 2010. Assim como na Elevator, aqui você pode pedir um sampler com seis cervejas da casa antes de optar por um belo pint. Numa votação entre amigos (eu, Renato e Carlos), a Special Dark, uma stout com vários prêmios e muita personalidade, saiu vencedora, mas a clássica IPA, a ótima Red Ale e a encorpada Bock também podem fazer você feliz. Todo mês, Chris apresenta uma cerveja especial para o cardápio. Vale ficar atento.

http://www.rockbottom.com/chicago/

brooklyn1.jpg

Brooklyn Brewery, Nova York
A Brooklyn não é um pub, mas tem como beber cerveja lá. Uma das melhores cervejarias americanas tem casa no Brooklyn (muito fácil chegar de metrô) e faz concorridos tours de experimentação (incluindo títulos que não são encontrados no mercado) durante vários dias da semana no verão, além de ter um boliche, em que você pode jogar com os amigos bebendo direto dos barris fresquinhos. O grande mestre cervejeiro Garrett Oliver conseguiu dar às cervejas da Brooklyn uma característica que une todas as marcas do grupo, sem descaracterizá-las de sua essência. Assim, a Pale Ale deles é maravilhosa, mas tem algo que faz você saber que é uma Brooklyn. Esse mesmo algo, por exemplo, marca as monstruosas Monster Ale e Brooklyn Blast, de teor alcoólico elevado (10% a primeira, 9% a segunda) e muita personalidade. Visite a casa da melhor cerveja americana (grifo meu) na 79 North 11th Street, em Nova York, e muito cuidado com essas fichinhas da foto…

http://www.brooklynbrewery.com/

Veja também:
– Diário EUA 2011: http://screamyell.com.br/blog/category/eua-2011/
– Fotos da viagem: Flickr do Marcelo (aqui) e Flickr do Renato (aqui)
– Top 25 de cervejas da viagem (aqui) e Top 100 de cervejas (aqui)

abril 26, 2011   No Comments

Meu olhar sobre o Coachella, remixado

O Paige, do blog norte-americano The Color Awesome, pegou várias fotos minhas do Coachella no esquema do Creative Commons do Flickr, distorceu, clareou, ajeitou curvas e as deixou muuuuito melhores. Ficou muito legal. Abaixo, duas. As demais vocês podem conferir aqui:

coachella_mac_remix_paige_1.jpg

coachella_mac_remix_paige_2.jpg

http://thecolorawesome.com

abril 25, 2011   No Comments

Balanço: 20 dias de Estados Unidos

eua2.jpg

Após três anos emendando mochilagem de férias de 40 dias pela Europa, 20 dias passam voando. Ainda mais nos Estados Unidos, um local novo para o olhar, repleto de significados e (pre)conceitos. Hoje é o último dia, e a viagem de volta começa agora. De Columbus para Chicago, e de Chicago para São Paulo. O dia está nublado e estou bastante cansado, mas a minha cama me aguarda (e 20 dias alternando colchões detonam tanto as costas que ela agradece o retorno à rotina).

eua3.jpg

Nova York foi uma experiência especial. Começou como uma paixão avassaladora e terminou com uma pulga atrás da orelha. Preciso voltar. São Francisco, no entanto, não me balançou. Muito menos Los Angeles. Já sobre Chicago, uma frase do Renato: “Se pudesse cortava um dia de Nova York e um de Los Angeles para ficar quatro aqui”. Emendei: “Eu cortava Los Angeles e já vinha direto do Coachella pra cá” (risos). “Mas então não veríamos o Paul”, lembrou ele. Ou seja, Chicago foi paixão a primeira vista, mas tinhámos que passar por LA. Ao menos um dia. 😛

eua4.jpg

Faltou muita coisa, e sempre falta. No entanto teve alguns pega turistas como a Times Square, em Nova York, e a Calçada da Fama, em Hollywood, locais nível Monalisa, em que você vai para riscar no caderninho, dizer que viu – e nunca mais voltar. Mas ninguém consegue ver a Monalisa (cinco metros de distância, protegida por um vidro que reflete o público, daquele tamanho? Não dá), assim como não há o que fazer na Times Square e na Calçada da Fama além de dizer: existe – e se confraternizar com outros turistas. É tudo irreal. A cidade é outra coisa.

novayork.jpg

No geral fiquei bastante impressionado negativamente com a quantidade de pobres andando pelas ruas, ônibus e metrôs das grandes cidades. A quantidade de homeless em Nova York e, principalmente, em Los Angeles e San Francisco impressiona. Senhoras grisalhas empurrando carrinhos de supermercado lotados de restos do sonho americano. O governo não se preocupa com elas assim como a prefeitura de Nova York não se preocupa com os ratos no metrô. A lavagem cerebral enriquece, e também pode cegar.

eua.jpg

Não há muito o que falar de Columbus. Foram apenas 24 horas na cidade, que tem duas ótimas cervejarias na mesma rua e que parece fervilhar de atividades estudantis. Como uma típica cidade do interior (apesar de ser a capital de Ohio), todo mundo lhe cumprimenta e conversa com você. Foi interessante ter ido pra lá (obrigado, Decemberists) e ter a chance de imaginar que, talvez, fora dos grandes centros as coisas funcionem. Talvez.

eua1.jpg

Essa viagem chegou ao fim. Agora é pensar nos 10 dias na Europa em maio. Primavera Sound em Barcelona, dois dias em Amsterdã e Eric Clapton no Royal Albert Hall, em Londres, no roteiro. Promete…

Top Ten Shows
01) Arcade Fire no Coachella
02) Arcade Fire em Chicago
03) PJ Harvey em São Francisco
04) Sebadoh em Nova York
05) Paul Simon em Los Angeles
06) The Decemberists em Columbus
07) Death From Above 1979 no Coachella
08 ) Flogging Molly no Coachella
09) Suede no Coachella
10) Cold War Kids no Coachella

Top Ten Cervejas
01) 4,89/5 – Brooklyn Blast, EUA – 9%
02) 4,80/5 – Duvel Green, Bélgica – 6,8%
03) 4,71/5 – Delirium Nocturnum, Bélgica – 8,5%
04) 4,63/5 – Brooklyn Summer Ale, EUA – 5%
05) 4,62/5 – Brooklyner Weissen, EUA – 5%
06) 4,14/5 – Racer 5 India Pale Ale, EUA – 7%
07) 4,11/5 – Guiness Extra Stout, Irlanda – 6%
08 ) 4,04/5 – Magnolia Pride to Branthill, EUA – 9%
09) 4,02/5 – Delirium Tremens, Bélgica – 8,5%
10) 3,94/5 – Sierra Nevada Pale Ale, EUA – 5,6%

Top Ten CDs
01) David Bowie – Station To Station (Deluxe Edition Box)
02) Woody Guthrie – Some Folk (Box 4 CDs)
03) The Faces – Five Guys Walk Into a Bar (Box 4 CDs)
04) The Band – A Musical History (Box 5 CDs e 1 DVD)
05) Gram Parsons – The Complete Reprise Sessions (Box 3 CDs)
06) Wilco – Yankee Hotel Foxtrot (Tour Edition)
07) Neil Young – Eldorado (EP)
08 ) Echo and The Bunnymen – Avalanche (EP)
09) White Stripes – Conquista (Single)
10) The Decemberists – Live at Bull Mouse (Record Store Day Album)

Top Ten Lugares
01) Museu Guggenheim, Nova York
02) Amoeba, Los Angeles
03) Brooklyn Brewery, Nova York
04) Barney’s Beanary, Los Angeles
05) Rock Bottom, Chicago
06) Amoeba, São Francisco
07) Bowery Ballroom, Nova York
08 ) Dodgers Stadium, Los Angeles
09) Lombardi’s, Nova York
10) Magnolia Pub, São Francisco

eua5.jpg

Veja também:
– Diário EUA 2011: http://screamyell.com.br/blog/category/eua-2011/
– Fotos da viagem: Flickr do Marcelo (aqui) e Flickr do Renato (aqui)

Ps. Aquele abraço para o Carlos, que novamente topou encarar uma viagem tendo como motivo algumas cervejas e rock and roll, e ao Renato, graaande parceiro de 20 dias comendo fast food, procurando boas cervejas, torrando no deserto, passando frio em Nova York, vendo shows e atravessando os Estados Unidos de lá pra cá e de cá pra lá.

abril 24, 2011   No Comments

The Decemberists ao vivo em Ohio

decemberists1.jpg

Bandas “cabeça” são sempre imprevisíveis no palco. Você vai ao show sem saber ao certo o que esperar. Será que eles vão tocar os hits? Será que eles vão fazer um show difícil? Será que eles vão fazer um show para eles ou para nós? É uma questão interessante: amamos bandas “difíceis” pela qualidade delas serem difíceis, peitarem a indústria e seguir fazendo o que lhes der na telha, mas quando estamos frente a frente com elas queremos simplicidade. E isso sempre gera atrito.

A lista de artistas que provocam a plateia é imensa, mas a título de exemplo, Radiohead, Sonic Youth e Lou Reed são imprevisíveis. Os discos são quase sempre uma incógnita, o próximo passo é quase sempre um tiro no escuro, os shows são quase sempre inesperados. O Decemberists, banda de indie folk formada no pequeno Estado de Oregon (cuja população total é três vezes menor do que a da cidade de São Paulo), nos Estados Unidos, segue a risca a cartilha das bandas acima.

decemberists2.jpg

Colin Meloy é o típico nerd com tendencias a gênio. Gordinho, de óculos fundo de garrafa e fã de rock indie oitentista, Colin aprendeu direitinho as aulas ministradas pelo R.E.M. a respeito de sucesso de massa vs carreira de longa duração, e conseguiu repetir o feito da banda de Michael Stipe: após dez anos de um crescimento lento e continuo, “The King is Dead”, o sexto disco do Decemberists, alcançou o número 1 da Billboard em fevereiro deste ano.

“The King is Dead” é um compendio de homenagens: aos Smiths, via título do disco (citação direta a “The Queen is Dead”, o feroz ataque a realeza britânica assinado por Morrissey e Marr), ao R.E.M. (a participação de Peter Buck em três faixas faz desse álbum um grande concorrente aos do R.E.M. em sua primeira fase) e à tradição do folk norte-americano. Segundo Colin Meloy, o mundo vive uma época de revival do folk britânico, e ele quis fugir disso e olhar para as raízes dos EUA.

decemberists3.jpg

O resultado conquistou o público norte-americano, e uma fila imensa se forma na entrada do The LC Pavilion, em Columbus, capital de Ohio, para ver o grupo. O show está sold out (das cinco próximas datas, quatro também já esgotaram) e é grande a expectativa em torno de qual direcionamento Colin Meloy dará ao show. Será que o sucesso amaciou o grupo? O set list, que muda radicalmente de show para show, trará os hits indies do Decemberists? Dúvidas.

Primeiro boa impressão da noite: o LC Pavillion é um lugar bem bacana para ver shows. Há uma divisão na metade da pista, com a parte final alguns degraus acima do gargarejo, possibilitando que a galera do fundão consiga ver a banda com mais facilidade. Copos de cerveja de um litro são vendidos como água, e as pessoas da cidade, extremamente atenciosas, conversam com todo mundo, indiscriminadamente. Todos parecem ser conhecer há séculos, e só estamos há 9 horas em Columbus.

decemberists4.jpg

O show começa com um áudio em que o apresentador, entre outras coisas, pede para que todo mundo cumprimente as pessoas que estão ao seu redor. O LC Pavillion vira um festival de apertos de mãos e sorrisos, e com o clima extremamente amigável, o Decemberists entra no palco e faz um show… estranho.

Os hits surgem aqui e ali, mas a banda pesca canções de todos os discos abrindo o show com a rara suíte “The Tain” (lançade em 2003 pelo selo Kill Rock Stars), não inteira (ela tem 18 minutos), mas quase (uns 8 minutos), e a apresentação não tem um crescendo, mas momentos de histeria alternados com minutos de contemplação.

O público, nas mãos da banda, não se importa e vai a loucura com “Down By The Water”, a segunda música da noite (com belo backing de Jenny Conlee e gaita inaudível de Colin), e “Calimity Song” (a terceira), e quase todas as pérolas de “The Kings Is Dead” marcam presença. Colin fala muito entre as canções, e se o som do disco soa bastante tradicionalista, ao vivo a banda reforça ainda mais a impressão chegando a parecer um grupo circense dos Estados Unidos do século 17.

Na épica “The Mariner’s Revenge Song” (do álbum “Picaresque”, 2005), por exemplo, John Moen larga a bateria e vem para a frente do palco com um bumbo, sobe na banqueta, ameaça se jogar na galera, e o clima (reforçado pelo acordeon de Jenny e pelo banjo de Chris Funk) é de festa cigana. “The Rake’s Song”, o hit do disco anterior e uma das prediletas da noite, incendeia o local. Já “The Hazards Of Love 4 (The Drowned)” é momento de contemplação, e esse alternância de sensações faz com que o show, apesar de ótimo, não se torne grandioso.

Parece, no entanto, opção da banda. A mudança constante de set list faz com que o público se surpreenda com cada nova canção, mas também não mantém o desenho característico de produção de show, que se preocupa com os altos e baixos durante uma apresentação de 90 minutos visando construir um repertório que eleve a adrenalina do público lentamente.

Colin Meloy dispensa esses artifícios e concentra-se nas canções. A rotatividade do set list deve funcionar como loteria: tem dias que o Decemberists pode fazer um daqueles shows da vida de uma pessoa. Em outros pode parecer “apenas” ótimo. Foi essa segunda face que Columbus assistiu. Ninguém sabe o show de amanhã, mas sempre vale a pena arriscar. Com o Decemberists, sempre.

Set List
The Tain
Down by the Water
Calamity Song
…Rise to Me
Billy Liar
The Sporting Life
January Hymn
Don’t Carry It All
The Rake’s Song
16 Military Wives
This Is Why We Fight

The Hazards of Love 4 (The Drowned)
The Mariner’s Revenge Song

June Hymn

abril 24, 2011   No Comments

Chicago vista do céu

chicago.jpg

Levantar voo do aeroporto O’Hare, em Chicago, é uma das experiências mais especiais que já vivi em uma viagem, semelhante a pousar em Mestro, observando os canais cortarem Veneza em pedacinhos. Acho que só três cidades me fazem derramar lágrimas pela janela do avião: São Paulo (por motivos óbvios, afinal, cada pedaço do que sou foi construído com o olhar de São Paulo e a volta a cidade sempre emociona), Veneza (uma cidade de brinquedo flutuando sobre águas) e, agora, Chicago.

Porém, talvez a visão que vi não seja a visão que todos que saem do aeroporto veem, afinal meu destino atípico (por culpa de Colin Meloy e sua turma) é Columbus, capital de Ohio. O pequeno avião da American Eagle rasga a pista e assim que larga o chão começa a balançar, balançar e balançar. O piloto faz uma curva acentuada para a esquerda e, quando você menos espera, Chicago surge inteirinha à sua frente pela janelinha da aeronave.

Começa pela periferia repleta de casinhas – não amontoadas – em quadras corretas, um campo de futebol americano aqui, um de beisebol ali, quase nenhuma piscina. Ao fundo, no horizonte, a silhueta de Downtown se destaca, com seus belos prédios elevados que tomam 10% (se muito) da cidade. Quase toda Chicago é baixa, casas e casas e casas (impossível não lembrar de Wado cantando “vem morar comigo neste apartamento, estamos uns sobre os outros e temos satisfação”), o que romantiza a visão dos poucos prédios.

O avião atravessa Downtown (ainda balançando) e entra no lago Michigan e a cidade vai ficando para trás – um pedaço do meu coração, também. A costa, recortada delicadamente, é a última visão. Uma história de amor acaba de começar. Sorrio.

abril 23, 2011   No Comments

A paixão por Chicago e Arcade Fire

chicago-032.jpg

A viagem está chegando ao fim, e até dois atrás nada tinha me impressionado tanto nos Estados Unidos a ponto de me querer fazer voltar para cá ao invés de ir para a Europa, nada até conhecer Chicago. É difícil explicar como em tão pouco tempo uma cidade pode conquistar a gente, mas precisamos levar em conta a primeira impressão, e nesse quesito Chicago é exemplar. A chegada a cidade após a saída do aeroporto é deslumbrante e tudo parece mais… convidativo. Chicago parece uma cidade mais pessoal, mais atenta à coletividade.

chicago-022.jpg

Os prédios altos (e são muitos, e bonitos) não intimidam, mas o frio (mesmo na primavera) não deu descanso alternando-se com vento e garoa, quando não tudo juntos. É complicado querer conhecer uma cidade com frio, garoa e vento, mas demos alguns passeios em locações dos filmes “Curtindo a Vida Adoidado” e “Os Intocáveis”. Do primeiro tínhamos plano de visitar a garagem onde Ferry deixa a Ferrari (e fomos) e subir ao alto do John Hancock Observatory para olhar a cidade, mas dos 100 andares do prédio, 40 estavam debaixo de névoa.

chicago-028.jpg

Já de “Os Intocáveis” passamos por alguns prédios que serviram de fachada para cenas do filme além, claro, da Union Station, palco da cena/homenagem celebre do tiroteio e do carrinho de bebe. Fora isso caminhamos bastante na Magnificent Mile, trecho elegante da Michigan Avenue ao norte do rio Chicago, pegamos o Navy Pier fechando, mas descobrimos a cervejaria Rock Bottom, parada obrigatória para uma boa cerveja e um bom prato (outra boa dica é o PJ Clarkes).

chicago-035.jpg

Eu, Renato e o Carlos (que nos encontrou aqui para ver a dobradinha Arcade Fire/National) abrimos uma rodada na RB cada um com uma cerveja diferente, depois fizemos um teste om oito das cervejas da casa da qual saiu vencedora a Special Dark, uma stout com vários prêmios e muita personalidade. O top 3 final de cada um ficou: Mac com IPA, Red Ale e Special Dark. Renato foi de Special Dark, Red Ale e Ipa enquanto Carlos fechou seu top 3 com Special Dark, Bock e Fuji. Lugar para voltar.

chicago-051.jpg

Mais à noite, já na sexta, teve show do Arcade Fire com abertura do National, ambos inferiores à suas apresentações no Coachella, mas ainda assim especiais. O do National por verificar que a banda está entrando em uma vala de repetição e monotonia devido ao excesso de baladas e aos arranjos bastante parecidos das canções. O grupo depende cada vez mais do caos para fazer o show deslanchar, e numa noite comportada, como esta de Chicago, a gente fica com saudade dos shows de dois ou três anos atrás.

chicago-084.jpg

Já o Arcade Fire é uma destruição sonora em meio a uma missa religiosa de encantar a alma. A intensidade com que os oito integrantes do grupo se dedica ao show faz valer cada centavo pago no ingresso, na cerveja, na pipoca, na camiseta. Ver o show colado no palco é uma experiência e tanto. A execução é primorosa. Ouve-se tudo – do xilofone à sanfona ao violino – em meio ao galopear massacrante da bateria e os riffs sujos de guitarra. O repertório desta primeira noite em Chicago (serão três, todas sold out), no entanto, foi inferior ao do Coachella.

chicago-093.jpg

Além de ter uma canção ao menos do que no festival e de não ter balões, a banda tirou a excelente “City No With Children” e trocou a maravilhosa “Crown of Love” pela fraquinha “Sprawl I (Flatland)”, tocada pela primeira vez ao vivo pela banda. O álbum “Funeral” continua a render os grandes momentos (“Wake Up” é a canção de devoção, com todo mundo de braços levantados espantando maus espíritos), mas “Intervention”, “No Cars Go”, a abertura impressionante com a pesada “Month of May” e a volta do bis com “Ready To Start” não ficam atrás. Um dos shows mais vibrantes da atualidade.

chicago-081.jpg

Deixo Chicago em direção a Port Columbus, onde vejo o Decemberists tocar ao vivo as canções do maravilhoso “Kings Is Dead” na minha véspera de volta ao Brasil. Deixo Chicago pensando em voltar. A cidade de Al Capone e do Wilco se tornou a preferida da viagem, mas vamos deixar o balanço para segunda, quando eu chegar em casa e tudo soar… passado. Agora tenho um bom trecho de metrô e malas até o aeroporto, um novo voo, uma nova cidade e um novo show. Carlos já deve estar lá enquanto Renato deve estar voando para LA para voltar ao deserto de Coachella, que recebe neste sábado o Big Four (Metallica, Slayer, Megadeth e Anthrax). Não tem como segurar o relógio…

Veja também:
– Diário EUA 2011: http://screamyell.com.br/blog/category/eua-2011/
– Fotos da viagem: Flickr do Marcelo (aqui) e Flickr do Renato (aqui)

abril 23, 2011   No Comments

Top 25 de cervejas da viagem

beers.jpg

Nova parcial das cervejas da viagem. E contando que faltam apenas três dias, pouca coisa deve mudar. Entraram as duas Delirium belgas (a cerveja que faz o bêbado ver elefantes rosas), uma Pale Ale californiana abraçou o sexto lugar. A maioria saiu do cardápio do Barney’s Brewery (veja aqui e aqui). Vamos ver se chegamos a 30 até o domingo…

01) 4,89/5 – Brooklyn Blast, EUA – 9%
02) 4,80/5 – Duvel Green, Bélgica – 6,8%
03) 4,71/5 – Delirium Nocturnum, Bélgica – 8,5%
04) 4,63/5 – Brooklyn Summer Ale, EUA – 5%
05) 4,62/5 – Brooklyner Weissen, EUA – 5%
06) 4,14/5 – Racer 5 India Pale Ale, EUA – 7%
07) 4,11/5 – Guiness Extra Stout, Irlanda – 6%
08 ) 4,04/5 – Magnolia Pride to Branthill, EUA – 9%
09) 4,02/5 – Delirium Tremens, Bélgica – 8,5%
10) 3,94/5 – Sierra Nevada Pale Ale, EUA – 5,6%
11) 3,90/5 – Brooklyn Pennat Ale, EUA – 5%
12) 3,71/5 – Blue Moon Belgian White, EUA – 5,4%
13) 3,60/5 – Magnolia Piper Pale Ale, EUA – 5,2%
14) 3,57/5 – Newcastle Brown Ale, Escócia – 4,7%
15) 3,41/5 – Arrogant Bastard Ale, EUA – 7,2%
16) 3,26/5 – Pyramid Hefe Weizen, EUA – 5,2%
17) 3,12/5 – Barney’s Brew, EUA
18) 3,10/5 – Blue Moon Summer Honey Wheat, EUA – 5,%
19) 2,90/5 – Shock Top Belgian White, EUA – 5,2%
20) 2,56/5 – Black Star Double Hopped Golden Lager, EUA – 4,6%
21) 2,52/5 – Samuel Adams Noble Pills, EUA – 4,9%
22) 2,42/5 – Bass Pale Ale, EUA – 5%
23) 2,16/5 – Victoria, México – 4%
24) 1,96/5 – Michelob Ultra, EUA – 5%
25) 1,95/5 – Bud Light Lemon, EUA – 4,2%

Top 100 – http://screamyell.com.br/blog/top-100-cervejas/

abril 21, 2011   No Comments