Random header image... Refresh for more!

Category — Cervejas

Os Melhores de 2016 na Cerveja Brasileira

E o Roberto Fonseca (AKA Bob) publicou hoje mais uma leva de “cédulas” do importante Melhores de 2016 na Cerveja Brasileira. Trabalho sensacional que o Bob já vem fazendo há alguns anos, a enquete mapeia o ano cervejeiro com centenas de nomes da cena. Meus votos para a safra 2016 estão aqui. Um brinde!

fevereiro 2, 2017   No Comments

Green Flash e Alpine Beer no Brasil

O mítico Empório Alto de Pinheiros, a meca cervejeira na capital paulista, recebeu na quarta-feira, 18 de janeiro, o lançamento de três cervejas da californiana Alpine Beer e três cervejas da Green Flash Brewing Company, de San Diego (responsável também pela produção das cervejas da Alpine). Dos seis rótulos, quatro são novidades no Brasil, sendo que a Green Flash já passou pelo Brasil em 2014/2015 com uma linha mais arisca (relembre) e a excelente Alpine Beer chega pela primeira vez aos consumidores brasileiros.

Desta vez, a Green Flash retorna ao Brasil com três IPAs à moda antiga, amargas e ásperas (duas delas em lata): a Jibe é uma Session IPA leve produzida com os lúpulos Warrior, Chinook e Cascade. São apenas 4.8% de álcool e 65 IBUs declarados (mas parece menos, algo em torno de 45). A outra que chega em lata é a potente e agradável Soul Style IPA (7.5% de álcool e 75 IBUs). Minha favorita das três foi a Tangerine Soul Style, cuja receita une maltes norte-americanos, lúpulos Citra e Cascade mais raspas de tangerina. Delicinha (de 6.5% e 75 IBUs).

Da linha Alpine, a Hoppy Birthday é a Session IPA da casa, leve e refrescante com seus 5.2% de álcool e 69 IBUs que demonstram um amargor mais limpo do que o das Green Flash. Uma bela cerveja feita com seis lúpulos. Favorita da mesa, a Duet (7% e 45 IBUs) é uma West Coast IPA produzida com os lúpulos Simcoe e Amarillo. Fechando a sessão, a favorita pessoal do dia (e da semana) e com nota 100 no Ratebeer, a apaixonante Alpine Pure Hopiness é uma West Coast Double IPA incrível com 8% de álcool e 61 IBUs.

janeiro 19, 2017   No Comments

Cervejando em Nova York

ny1

Em setembro estive em Nova York durante uma semana, e decidi fazer um pequeno tour por micro cervejarias artesanais e pubs legais (e ver um ou outro show). A ideia inicial era beber o máximo de Hill Farmstead que eu conseguisse encontrar na cidade (e eu encontrei cinco – obrigado, Beer Menu), visitar o maravilhoso templo New Beer Distributor e rodar algumas micros cervejarias em Long Island, uma dica esperta do amigo cervejeiro Marcio Kovacs. Fiquei devendo uma visita a Other Half Brewing, no Brooklyn, queridinha atual dos cervejeiros locais, e lamentei não conseguir seguir o conselho do Fabio Andrade e ir até a Peekskill Brewery de trem margeando o rio Hudson, mas acerto as contas com ambas na minha próxima visita a Nova York. O importante agora é falar de…

ny4

1) BEER MENU (https://www.beermenus.com/)
Foi de uma grande ajuda! Você bate o nome da cerveja /cervejaria que está atrás e a cidade em que está e o BEER MENU lista todos os pubs que trazem a tal cerveja engatada. O serviço não é tão atualizado, o que recomenda pegar a dica ali e ir atrás do site oficial do pub e bater com o que eles realmente tem no momento. Ainda assim funcionou bem demais porque pude encontrar Hill Farmstead no excelente The Jeffrey Craft Beer and Bites (dá uma olhada nisso: cinco queijos enrolados em bacon acompanhados de mostarda da casa), em Manhattan, e no The Well, no Brooklyn, absolutamente vazio numa segunda à noite, mas com uma carta de cervejas incrível e uma trilha sonora que eu teria feito (Bruce Springsteen, Neutral Milk Hotel, Sparklehorse). Dei uma passada no Torst, o pub número 1 da cidade segundo o Ratebeer, e curti, mas era 13h e pouco e a coisa toda estava meio parada. Acho que a noite a coisa deve funcionar melhor. A carta, por sua vez, estava bem básica, sem novidades incríveis. Também visitei a Mugs Alehouse, mas como não fiz a conferência antes, eles não tinham Hill Farmstead (havia acabado dois dias antes), mas valeu pela Stone Ruination 2.0 with American Oak.

ny3

2) BOTTLES
O New Beer Distributor continua imbatível com quase uma centena de rótulos entre 2 e 4 dolares (muitas Dogfish Head). É o templo na cidade para se comprar garrafas. A passada no Eataly valeu a pena assim como a tradicional visita ao Whole Foods Beer Room do Bowery, sempre sensacional (foi o segundo lugar em que comprei mais coisas). Eu queria encontrar uma Parábola, e o site oficial da Firestone me indicou alguns lugares próximos ao hotel. Escolhi o Urban Barley, com bom acervo, mas apenas se você estiver interessado em algumas coisas que não vai encontrar no New Beer Distributors (como a Parábola, US$ 22, ou a Bourbon County, US$ 18) e quiser gastar dinheiro.

ny2

3) As cervejarias em LONG ISLAND
Eu comecei o dia no Brooklyn passando na Rough Trade e depois na Brooklyn Brewery, apenas para desejar comprar algumas dezenas de vinis e beber uma ótima Brooklyn Bel Air Sour. Consultando o Maps encontrei um ônibus que em menos de 15 minutos já tinha me deixado próximo a primeira das três micro cervejarias abaixo. Importante: confira os horários nos sites de cada uma delas. A preferência pelo fim de semana é evidente, já que todas elas estendem o horário, abrindo mais cedo e indo até um pouco mais tarde, então é ideia é pegar um sábado ou domingo se você quiser conhecer as três – ou ir sossegado num dia de semana degustando uma delas de cada vez.

ny5

TRANSMITTER (http://www.transmitterbrew.com)
Para mim, a melhor das três, ainda que o serviço seja o mais complicado. A cervejaria fica numa bocadinha bem interessante (e aparentemente sossegada – ao menos nesse sábado de sol), mas assim que você chega lhe é oferecido doses de algumas das cervejas malucas da casa (Sour, Gose, Saisons condimentadas), e ou você leva a garrafa de 750 ml (US$ 15) ou senta para beber na hora ali em meio aos barris. É bacana, mas quem pretende fazer as três num dia e estiver só já começa tendo que entornar 750 ml de uma única cerveja. Eu preferiria 250 ml de três (ou quatro, ou cinco). Ainda bem que o Fábio me ajudou nessa (ok, bebemos duas garrafas e eu acabei tomando 750 ml do mesmo jeito). Gostamos muito da PH1, uma Dry Hopped Sour Ale.

ny6

ROCKWAY (http://rockawaybrewco.com)
Da Transmiter fui a pé para a cervejaria mais família das três. Fiz esse vídeo lá que mostra o clima (um pai com seu filho bebê, alguém com um cachorro, gente no balcão e uma carta interessante de cervejas tradicionais). O prédio em que a cervejaria está localizada é bem legal e fica exatamente em frente a um estacionamento que, aos sábados, recebe uma feirinha com food trucks. Dai já fica a dica para tentar aproveitar o sábado, já que o horário das três ajuda e há boas opções de comida na feirinha. Na Rockway eu bebi uma boa Nitro Black Gold Stout e uma IPA (e comi uma excelente empanada na feirinha, que forrou o estômago para a próxima), mas me arrependi de não ter ido mais a fundo no cardápio de cervejas da casa.

ny8

BIG ALICE (http://bigalicebrewing.com)
Do Rockway vim a pé para a mais “profissional” das três. Fica escondida numa rua meio estranha (e totalmente vazia). Percebe-se a casa por essa bandeira na porta fechada (e ainda assim eu passei batido na rua lateral). Assim que a gente abre encontra um espaço fofíssimo e um atendimento de primeira (neste vídeo dá pra sacar o ambiente). Das três era a única que tinha tasting, e escolhi seis da casa para experimentar. Minha sensação é de que a Big Alice é uma prima distante da paulistana Urbana, pois ambas utilizam o fermento praticamente da mesma forma, saltando na boca do bebedor. Acho que funciona em algumas receitas, mas não me agrada no geral. Mas, ainda assim, foi bem bacana experimentar a Lemongrass Kölsch e a favorita, Peach Gose (a Queensbridge IPA também colocou um sorriso no fim de tarde).

ny7

Pra ficar sabendo de assuntos cervejeiros na cidade vale acompanhar:
https://www.facebook.com/brewyorknewyork

outubro 26, 2016   3 Comments

Download: As receitas da Brewdog

Em fevereiro deste ano, a Brewdog mostrou mais uma vez sua faceta punk ao incentivar o lema Do It Yourself (Faça você mesmo) disponibilizando para download em PDF o livro “DIY Dog”, com mais de 200 receitas de cerveja da casa detalhadas e com dicas. Isso mesmo: James e Martin, sócios da cervejaria escocesa, incentivam cervejeiros caseiros a produzirem na panela receitas clássicas como a Punk IPA e a linha Paradoxx até as especiais Abstrackt.

“Em 2007, conseguimos um empréstimo bancário, compramos alguns equipamentos de segunda mão e transformamos nosso hobby cervejeiro em nosso trabalho, diz o texto de introdução do livro. “Nossa cervejaria original era, basicamente, um home brewing gigante com galões de água de plástico de 50 litros e controle manual. Até hoje desenvolvemos novas receitas neste sistema de galões de 50 litros”, eles explicam.

O livro não só detalha as receitas como dá dicas de home brewing (com os equipamentos básicos) e traz um breve glossário. James e Martin incentivam: “Copie nossas receitas, rasgue elas em pedacinhos, perverta-as, adapte-as e, acima de tudo, aprecie-as”. Eles ainda recomendam: “Só não se esqueça de compartilhar suas cervejas, adaptações e o resultado. Compartilhar é se importar”. Mãos a obra:

https://www.brewdog.com/diydog

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

abril 24, 2016   No Comments

Combinando cervejas e pop rock stars

rs_cervejas2_450.jpg

Tô indicando a Urbana Refrescado de Safadeza pra Rihanna, a Backer Tommy Gun para o AC/DC e mais oito cervejas (pra Katy Perry, pro Michael Stipe, pro Paul…) na Rolling Stone que acaba de chegar às bancas (com Bowie na capa)

fevereiro 19, 2016   No Comments

Melhores de 2015 na Cerveja brasileira

janeiro 25, 2016   No Comments

Quatro perguntas sobre cervejas

Você tem uma marca de cerveja favorita?
Não. Minha preferida é sempre a cerveja que não bebi e, de preferência, local. Se eu estiver em Minas, vou de Wäls, Três Lobos e alguma das Inconfidentes. Se eu estiver em POa, Coruja, Abadessa ou Tupiniquim; se estiver em São Paulo, alguma da linha da Cervejas Sazonais…

Qual é a relação que você tem com o universo craft?
Sou beer sommelier e escrevo sobre cervejas tanto no Birrinhas quanto no Scream & Yell. É um universo que me interessa bastante.

Você costuma ser fiel a uma marca de cerveja?
Não. Existem marcas que me agradam, mas meu interesse é sempre em descobrir uma cerveja nova, inédita. Então se estou em um bar e existem 10 cervejas crafts que já bebi e gosto, e uma que não bebi, vou nessa última.

Onde você compra cerveja e onde bebe?
Meu local preferido para comprar em São Paulo hoje é a loja da Beer4U no Sumaré. Para beber ainda acho o EAP imbatível, mas gosto de dar uma passada na Brewdog SP vez em quando.

agosto 28, 2015   No Comments

Cinco drinks com Berliner Weiße

Uma cerveja mítica (e, para muitos, difícil) produzida apenas em Berlim, a Berliner Weiße já foi a bebida alcoólica mais popular da Alemanha, entre os séculos 16 e 19, com cerca de 700 fábricas a produzindo para abastecer o mercado. Após duas grandes guerras, que devastaram a cidade, e a chegada de cervejas concorrentes (menos agressivas) da Baviera, a produção da Berliner Weiße caiu vertiginosamente a ponto de, hoje em dia, apenas duas fábricas em Berlim a produzirem seguindo as receitas tradicionais. Porém, basta chegar o verão para que a Berliner Weiße retorne aos supermercados e a mesa dos bares berlinenses. Quando estive em Berlim em 2013 decidido a prova-la, fui solenemente criticado por um garçom sérvio fã de cervejas belgas num bar em Potsdamer Platz: “É horrível”, ele disse, mas me serviu, primeiro na forma tradicional, depois com xaropes de frutas.

Isso mesmo, xaropes de frutas. A produção da Berliner Weiße inclui a adição de bactérias (Lactobacillus) na segunda fermentação com o intuito de deixa-la ácida e efervescente (como um champanhe), e o resultado é uma cerveja de trigo de ataque violentamente seco e amargo, mas com um final levemente frutado. Bastante arisca e agressiva para o bebedor não acostumado, popularizou-se em Berlim misturar xaropes de frutas e/ou ervas para abrandar seu ataque, criando uma espécie de drink, que pode tanto ser feito na hora como vendido pronto em supermercados (como nestas versões vendidas no Brasil). Além destes drinks, a Berliner Weiße também caí bem com outras bebidas, e foi nessa toada que a turma da distribuidora Bier & Wien, que traz as Berliner para o Brasil, me convidou a testar algumas receitas. Fui além e criei outras duas receitas minhas.

O primeiro drink que preparei se chama Spectrall 555 e é uma receita chef Onur Kőksal, do Harry’s New York Bar, de Berlim, que junta suco de maçã, vodka (abri uma Absolut novinha pra mistura), pepino, gelo e pimenta do reino. A mistura amacia o ataque da Berliner Weiße sem apaga-lo completamente enquanto pepino e pimenta do reino criam um interessante contraponto de sabor, que encontra maciez do suco de maçã, formando um conjunto bastante agradável, que passou no teste, com louvor. Modéstia às favas, minha replicação da receita do chef Onur ficou muito boa e é bem fácil de preparar em casa. Vale a pena.

SPECTRALL 555, por Onur Köksal
01 MIXcup de Maçã Verde (ou 14 ml de suco concentrado e adoçado de maçã verde)
40 ml de Vodka
01 Pepino fresco pequeno
01 Berliner Kindl Weisse Original
Gelo
Fatias fina de pepino fresco
Pimenta do reino

Bata o pepino com o gelo, a vodka e o MIXcup. Sirva coado, complete com a Berliner Kindl Weisse Original e finalize com as fatias de pepino e um pouco de pimenta.

O segundo drink, este com receita minha, chamarei de Petróleo do Futuro e é extremamente simples, resultado da junção de 150 ml de Berliner Original (azeda, acética e salgada), 150 ml de Petroleum (alcoólica, torrada e caramelada), duas doses de suco de tangerina e raspas de chocolate. Minha ideia era amaciar duas cervejas extremas, e o conjunto ficou supimpa, descendo de forma refrescante (com destaque para o cítrico). A ideia da tangerina foi inspirada num blend do Monks Cafe, de Estocolmo, que colocou cerejas numa Russian Imperial Stout, alcançando um belíssimo resultado.

PETRÓLEO DO FUTURO, por Marcelo Costa
80 ml de suco concentrado de tangerina
150 ml de Berliner Original
150 ml de Petroleum (Wäls ou Dum)
Raspas de chocolate

Colocar as duas doses de tangerina e misturar em doses iguais (de 150 ml) as cervejas Berliner Original e Petroleum. Pincelar com raspas de chocolate.

O terceiro drink, outro assinado por mim, é o Carimbó Berlinense: duas doses de tequila (usei a José Cuervo Black para acrescentar cor e calor), uma doses de licor de Cupuaçu (para textura e doçura) e uma dose de suco de maçã (leve acidez frutada) mais uma pitada de pimenta do reino e semente de cravo (para destacar o salgado da Berliner) e duas folhas de manjericão. Completar com 150 ml de Berliner, e ir abastecendo a taça com a garrafa conforme for bebendo. Ficou… caliente. A tequila se sobrepõe, mas o licor tenta amacia-la. O paladar vai mudando conforne vai se adicionando Berliner na taça.

CARIMBÓ BERLINENSE, por Marcelo Costa
40 ml de suco de maçã
80 ml de tequila
40 ml de licor de cupuaçu
Manjerição
Semente de cravo moída
Pimenta do Reino
Uma garrafa de Berliner Original
Gelo

Colocar três pedras de gelo triturado no fundo da taça e, sobre ela, o suco de maçã, a tequila, o licor de cupuaçu e 150 ml de Berliner Original. Acrescentar duas folhas de manjericão e uma leve pitada de semente de cravo e pimenta do reino. Conforme for bebendo, acrescentar a Berliner Original que ainda está na garrafa, até finaliza-la.

Além destes três drinks acima há outros dois feitos pelo chef Onur:

HIMALAYAN HIGHWAY, por Onur Köksal
01 MIXcup de Ruibarbo (ou 14 ml de suco concentrado e adoçado de Ruibarbo)
40 ml de licor de Ruibarbo Azedo
40 ml de purê de morango
01 Berliner Kindl Weisse Original
Gelo triturado

Bata o licor, o purê de morango e o MIXcup. Em seguida, sirva sobre o gelo triturado e complete com a Berliner Kindl Weisse Original. Mexa delicadamente e decore.

THE SHADDOCK, por Onur Köksal
01 MIXcup de Grapefruit (ou 14 ml suco concentrado e adoçado de Grapefruit)
Gengibre fresco ralado
20 ml de Aperol
20 ml de Suco de Limão
01 Berliner Kindl Weisse Original
Gelo

Bata todos os ingredientes exceto a cerveja e sirva numa taça sobre algumas pedras de gelo. Complete com a Berliner Kindl Weisse Original, misture e decore com cascas de Grapefruit.

Leia também
– Top 1001 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)
– Leia sobre outras cervejas (aqui)

abril 20, 2015   No Comments

Melhores de 2014 na Cerveja brasileira

Roberto Fonseca, o Bob, é colunista cervejeiro do Estadão e mantém um ótimo blog sobre cerveja na Veja Online, e organiza desde 2009 uma enorme enquete com centenas de mestres-cervejeiros, cervejeiros, produtores caseiros, blogueiros, donos de bares e restaurantes que trabalham com a bebida, sommeliers e degustadores. Neste ano tive o prazer de fazer parte da família cervejeira colaborando com meus votos e opiniões aqui. :)

janeiro 25, 2015   No Comments

Kulminator, o melhor bar do mundo

A Antuérpia é a segunda maior cidade da Bélgica, a maior da região dos Flanders (não chega a 600 mil habitantes), e além de ter um dos maiores portos do planeta e, sem dúvida, uma das estações de trens mais belas de toda a Europa, a cidade também é conhecida por abrigar o melhor bar do mundo (eleito duas vezes como tal pelo conceituado Ratebeer): o Kulminator. Reforço a opinião que outros cervejeiros tarimbados tiveram ao visitar a casa, um misto de antiquário, brechó e pub que guarda em sua adega cerca de 40 anos de história cervejaria.

Não é força de expressão: no cardápio, que mais parece um livro, existem garrafas de Liefmans Kriek datadas de 1974 e 1975 (50 euros), uma Villers Triple de 1977 (15 euros) e uma Chimay Blue de 1981. A Chimay Blue, inclusive, é responsável por um dos destaques da seleção da casa: por 25 euros você pode fazer uma degustação vertical de três versões do rótulo trapista: 2014, a Chimay Blue mais nova, é viva e arisca; a versão de 2004, com guarda de 10 anos na adega, é a mais comportada e suave das três, mas o destaque é a garrafa de 1994…

Para aqueles que desconfiam da resistência de uma cerveja ao tempo, a Chimay Blue 1994 é um deleite. A garrafa, com traços de envelhecimento de adega (um pouco de barro aqui, um desgastado acolá), traz um rótulo que recomenda bebe-la até 2000. E não é que 14 anos depois ela continua excelente? O aroma frutado é mais intenso reforçando ainda mais a sugestão de frutas escuras (ameixa) e melaço. O amargor do lúpulo desaparece, mas o álcool toma a função. O fundo da garrafa é uma borra de café. A experiência é lúdica e incrível.

Não para por ai. Comandado por Dirk van Dick, um senhor grisalho que lembra o cientista interpretado por Christopher Lloyd na trilogia “De Volta Para o Futuro” e passa boa parte do tempo no bar atento a um jornal (impresso), e pela esposa Leen, que costumamente atende as mesas, o Kulminator traz em uma lousa as “novidades” do mês (“maand”, em holandês), da semana (“week”) e aquelas que sabem se lá quanto tempo vão durar na casa, cujo destaque no dia era uma Black Mikkeller 2011 (de 18% de álcool) e a já mítica La Trappe Quercus.

Os monges trapistas holandeses testaram envelhecer uma versão da La Trappe Quadrupel em barris de vinho. O primeiro lote teste (três barris) foi armazenado em barris de vinho do Porto e o segundo lote em barris de vinho branco. Consta que os 10 barris do segundo lote foram oferecidos ao mercado norte-americano, que declinou da compra. Dirk van Dick não: comprou os 10 barris únicos do segundo lote da La Trappe Quercus e o disponibilizou no Kulminator ao preço de 7 euros a taça de 250 ml. Foi apenas a melhor cerveja da noite (e da viagem). E só existe no Kulminator (e, ainda assim, não custa uma fortuna).

Falando em viagem, a ida ao Kulminator foi uma pequena esticada de Amsterdam: três horas de ida de trem para a Antuérpia, três horas de volta (com troca de trem em Roosendaal). Vale sempre conferir no facebook do bar os horários de abertura e fechamento para não dar com a cara na porta, mas o trecho da estação central de trens até o bar é sossegado (pedi informação no setor de atendimento ao turista do local, que me deu um mapa e traçou a rota simples que eu precisava fazer para chegar até o bar, e foi bastante fácil).

Digo isso porque alguns amigos preferiram dormir na cidade para conhecer o bar, o que é uma escolha sensata (como poderemos ver a seguir), mas é possível fazer um bate e volta de várias cidades da região para conferir a casa e, se sua vontade de enfrentar a cara fechada de Dick permitir, bater um papo com o homem, que segundo os amigos Leonardo Dias (que levou a ele de presente uma cerveja artesanal brasileira) e Luiz Alberto, é bastante atencioso depois que a barreira da apresentação é transposta.

No meu caso, já “levemente alcoolizado” e não muito certo do destino da estação de trens após beber a quinta cerveja da noite, um exagero alcoólico chamado Black Mikkeller (que um norte-americano decidiu abrir o serviço com ela: coitado), decidi apenas admirar apaixonadamente o lugar, com suas dezenas de caixas de madeira de Westvleteren vazias (que em São Paulo são vendidas por R$ 300 em alguns bares) empilhadas e a adega sonhadora que não guarda apenas cervejas, mas histórias num trabalho de dedicação de um casal que merece aplausos.

Na Bélgica existem vários outros bares que podem concorrer ao posto de melhor do mundo (falei de alguns aqui), mas o que faz do Kulminator um local especial é a sensação de volta no tempo, de encontrar uma joia bruta, não lapidada, que resiste ao tempo, aos modismos e, por que não, ao capitalismo. Mais do que um bar, o Kulminator é um templo para amantes da cerveja – um templo em que o monge permite que você fique bêbado, mas exigirá que você saiba o que está bebendo, afinal, ele não guardou uma cerveja por 40 anos à toa. Iguais a esse existem poucos no mundo. Vale uma (duas, várias) visita(s).

Ps. Comida não é o forte da casa, mas os queijos são bastante recomendados. Eu, por sinal, recomendo forrar bem o estômago antes de se aventurar no melhor bar do mundo… porque é difícil beber “só” três cervejas ali…

Europa 2014: Diário de Viagem

agosto 20, 2014   No Comments