Random header image... Refresh for more!

Com vocês, a Fräulein…

Assistimos a três programas sobre a Rússia hoje (dois ótimos episódios de “O Último Trem Para a Rússia”, da ESPN, que eu recomendo, e “As Matrioskas”, da GNT) e em ambos a pauta passava por… matrioskas. Dai lembrei da Fräulein, essa bela matrioska que eu trouxe para a Lili quando estive em Berlim pela primeira vez, em 2008. E ainda faltam 71 dias para a Copa. Até lá você irá esbarrar em algum programa ou mesmo numa foto, como essa, sobre matrioskas :~

Abril 1, 2018   No Comments

Dylan com café, dia 36: 30th Anniversary

Bob Dylan com café, dia 36: em 1992, a Columbia Records decidiu preparar uma grande festa para comemorar os 30 anos de carreira de Bob Dylan. Esse evento, aliás, é o tema de abertura da excelente biografia de Howard Sounes, lançada no Brasil pela Editora Conrad em 2002: “Pelo jeito contido com que Bob perambulava sozinho por Manhattan, vestido como um vagabundo, podia-se pensar que seus dias de grande astro tinham acabado”, descreve Sounes. O evento, porém, foi marcado para o glamoroso Madison Square Garden e esgotou 18 mil ingressos em apenas uma hora (e olha que os preços eram proibitivos: entre US$ 50 e US$ 150, isso em 1992!). “A lista de convidados incluía não apenas antigos cantores folk com também superastros como Eric Clapton e George Harrison, amigos devotados de Bob, e durante os 10 dias que antecederam o show, limusines faziam o transporte de artistas entre hotel e estúdio, para ensaios”, continua Sounes. “Bob não tinha certeza se o show era uma boa ideia: ‘Será como ir ao meu próprio funeral’”.

Transmitido ao vivo pela TV, o “30th Anniversary Concert Celebration” durou mais de 3 horas e meia, e, como uma grande festa, teve de tudo. Rolou um bafão: duas semanas antes, diante de milhões de espectadores no Saturday Night Live, Sinead O’Connor rasgou uma foto do Papa João Paulo II e cantou “War”, de Bob Marley. Quanto ela pisou o palco do Madison Square Garden na festa para Bob decidida a cantar “I Believe In You” – Sinead é fã declarada da fase evangélica de Dylan –, o imenso público irrompeu numa vaia altíssima. Sinead pediu para a banda parasse, e vociferou nervosamente os versos de Bob… Marley. Nos camarins, passou mal e vomitou. Ausente do primeiro lançamento deste show em CD, em agosto de 1993, ela aparece na reedição de 2014 com a versão de “I Believe In You” registrada na passagem de som)

Também houveram diversos momentos emocionantes: John Mellencamp mostrou uma versão reverente de “Like a Rolling Stone”; Lou Reed tomou para si “Foot of Pride”, uma poderosa sobra de “Infidels” recém-oficializada nas “Bootleg Series 1-3”; Johnny & June cantaram “It Ain’t Me Babe”; Eddie Vedder & Mike McCready recriaram “Masters of War”; no Paraíso, Jimi Hendrix deve ter corado com a versão redentora de “All Along The Watchtower”, tocada por Neil Young; outros pontos altos: “I Shall Be Released”, com Chrissie Hynde e uma sensacional “Rainy Day Women #12 & 35” por Tom Petty & The Heartbreakers.

Bob, que acompanhava tudo isolado num circuito interno de TV, entra na parte final da noite: “Alguns de vocês podem chamá-lo de Bobby. Outros podem chama-lo de Zimmy. Eu o chamo de Lucky”, começou George Harrison citando o codinome de seu parceiro de Traveling Wilburys. “Senhoras e senhores, por favor recebam Bob Dylan”. A casa quase veio abaixo. Dylan cantou, sozinho, “It’s Alright Ma (I’m Only Bleeding)” e recebe Tom Petty, Neil Young, Roger McGuinn, Eric Clapton, Steve Crooper e George Harrison para uma versão poderosa de “My Back Pages”. Dai todo mundo que participou subiu ao palco para interpretar uma grande versão de “Knockin’ on Heaven’s Door” (com Eric Clapton solando lindamente na abertura).

Fechando a noite, Bob sozinho interpreta “Girl From The North Country”. O CD e o VHS lançados em 1993 traziam 29 canções. No relançamento de 2014 foram acrescidas mais duas canções no CD e, de bônus no DVD e no Blu Ray, um documentário “Behind the Scenes”, de 39 minutos, mais uma segunda versão de “Leopard-Skin Pill-Box Hat”, de John Mellencamp, e as até então inéditas “Boots of Spanish Leather”, com Nancy Griffith e Carolyn Hester, e “Gotta Serve Somebody”, com Booker T. & the M.G.’s (além de “War”, de Bob Marley, declamada por Sinead). Ficou faltando “Song To Woody”, com que Bob abriu sozinho seu set, e fez Nora Guthrie, filha de Woody, chorar na primeira fila. Um grande momento inesquecível da história da música pop. Em 2022, Bob completa 60 anos de carreira…

Especial Bob Dylan com Café

 

Abril 1, 2018   No Comments