Random header image... Refresh for more!

Posts from — setembro 2013

As bibliotecas da minha vida

mac3.jpg

No domingo, 29 de setembro, o Estadão publicou uma reportagem sobre o pouco uso das bibliotecas públicas em São Paulo, com a seguinte chamada: “Algumas têm mais funcionários que usuários: Há mês que não vem ninguém, diz bibliotecária”. Para um cara como eu, que teve em bibliotecas públicas boa parte de sua formação, é um dado arrasador. Então decidi relembrar algumas histórias…

Houve um tempo, ainda quando eu morava em Taubaté (ou seja, no século passado), e o dinheiro era bastante raro, que eu era sócio de várias bibliotecas na cidade, e costumava variar principalmente entre duas: a Biblioteca do Sesi e, minha amada, a Biblioteca Municipal de Taubaté, que fica ainda hoje no Parque Doutor Barbosa de Oliveira, no centro da cidade, ao lado da antiga rodoviária e da estação de trens (desativada) da cidade.

A Biblioteca Municipal de Taubaté foi praticamente a responsável por grande parte da minha formação de leitor. Houve um tempo, em que já assíduo frequentador, a bibliotecária me deixava entrar e fuçar o acervo, o que era muito mais instigante do que pedir um livro sem saber tudo que tinha lá dentro – hoje em dia, para felicidade dos poucos usuários, quase todas as bibliotecas municipais tem livro acesso, mas antigamente não era assim.

Boa parte dos livros que amo foram emprestados da Biblioteca Municipal de Taubaté. Certo dia, como meu cadastro já estava repleto de folhas grampeadas, a bibliotecária decidiu abrir um novo cadastro, e me ofereceu as folhas que traziam os livros que eu tinha retirado meses antes, e tudo que me importa está ali, naquelas folhas, que giram em torno de velhos companheiros, alguns que se repetem em pequenos intervalos de semana.

Há, olhando com calma (é só olhar clicando na imagem no fim do post) coisas de Lygia Fagundes Telles (“Ciranda de Pedra”, “Os Melhores Contos”, “Seleta”, “Verão no Aquário”), Clarice Lispector (“Ilusões do Mundo”, “Poesias Completas”), Érico Verissimo (a coleção “O Tempo e o Vento”), Vinicius (“Antologia Poética”), Euclides da Cunha (“Os Sertões”), Oscar Wilde (“Obras Completas”), Proust (“No Caminho de Swan”) e muitos outros.

Muitos destes comprei (a coleção “O Tempo e o Vento”, os livros da Lygia Telles, as obras completas do Oscar Wilde, a coleção “Em Busca do Tempo Perdido”), e sempre sonhei em reencontrar a coleção de Shakespeare que havia naquela Biblioteca, mais de 30 volumes numa encadernação azul com um impecável rodapé que situava todas as histórias tanto quanto inspirações que Shakespeare teria tido para escrever tal passagem. Amo aqueles volumes.

Certo dia (meio dos anos 90, acho) apareci para retirar um livro na Biblioteca do Sesi, que não era tão abastada quanto a Biblioteca Municipal, mas costumava trazer alguns títulos novos, como coisas de Salman Rushdie, se a memória não me trair. A bibliotecária perguntou se eu tinha cadastro, e respondi que sim, afinal havia estudado no Sesi (6ª e 7ª séries) e vez por outra aparecia para emprestar um livro.

Olhando os arquivos ela encontrou a minha ficha, que trazia a 3/4 que abre esse post. “Precisamos atualizar, porque você tem 11 anos nessa foto”, ela brincou. E eu troquei aquela foto de 11 por uma de 20 e poucos, meio que emocionado por relembrar das coisas que eu já tinha lido daquele espaço, e guardei aquele pequeno retrato de um garoto que nada sabia da vida (não que eu sabia muito mais hoje em dia).

Quis o destino, feliz, que um dia, na escuridão nebulosa do meu futuro absolutamente incerto, eu passasse em um concurso público para trabalhar em uma das bibliotecas da Universidade de Taubaté, e isso não só mudou a minha vida radicalmente (abrindo portas para que eu entrasse no curso de Comunicação Social e estivesse aqui agora) como se instala até hoje como um dos melhores e mais felizes períodos da minha vida.

Pessoalmente, não vou há uma biblioteca há tempos, porque acabei adquirindo quase todos os livros que amava, e mais umas duas centenas que se acumulam à minha frente esperando o seu momento de leitura. Gosto de pensar que estou montando a minha biblioteca, e guardando para a velhice (e para minhas filhas) livros que nunca li, e outros que vou reler, e comparar os sentimentos da primeira leitura (será que “O Lobo da Estepe” baterá com a mesma força que bateu aos 16 anos? E “O Macaco e a Essência”?).

Todas as vezes que me ponho a discutir sobre política e problemas do país, se afunilo a discussão, o resultado inevitavelmente desemboca em educação, no obrigatório dom que todo cidadão precisa exercitar para dominar suas ideias e expô-las de uma forma que fuja da manipulação. Argumentar. Ler, nessa sociedade de capitalismo oportunista, é tão vital quando respirar, e, nesse desenho de sociedade, as bibliotecas são cada vez mais obrigatórias.

Não vou ficar aqui enaltecendo a importância da leitura. Minha ideia é apenas pagar uma parcela de um enorme débito que tenho com as bibliotecas públicas, lugares que ampliaram meu modo de olhar o mundo, e que ajudaram a construir a pessoa que sou hoje. Não consigo me imaginar sem as bibliotecas da minha vida. Não consigo aceitar bibliotecas vazias. Que esse cenário mude. Logo. É importante para todos nós.

livros.jpg

Leia também:
– Top 10 Livros da Minha Vida, por Marcelo Costa (aqui)

setembro 30, 2013   No Comments

Beer Experience 2013: Uma decepção

beer11.jpg

Aparentemente, tinha tudo para ser um fim de semana especial. O Beer Experience, que havia começado sua trajetória em uma área de estandes no Shopping Frei Caneca em 2011, tinha chegado ao Pavilhão de Exposições do Ibirapuera esperando um grande público e provando o excelente momento que a cerveja artesanal vive no Brasil. Mas uma série de escolhas erradas da produção colocou a perder o único grande festival de cervejas da cidade de São Paulo, e a terceira edição 2013 do Beer Experience foi decepcionante.

Como um bom festival de cervejas artesanais, as duas primeiras edições do Beer Experience trouxeram novidades, lançamentos e introduzira novos rótulos no mercado, algo que foi feito que timidez assustadora neste ano. Mais triste foi perceber a ausência de micro cervejarias importantes (alto preço dos aluguel dos estandes, justificaram alguns) e encontrar várias cervejas custando mais dentro do evento (a Rogue Voodoo Bacon Maple Ale estava sendo vendida a R$ 120 e pode ser encontrada por R$ 80 em bons empórios da cidade), além do serviço insatisfatório de comida.

A sensação é de que a cultura cervejeira foi deixada de lado em prol do lucro, e que o Beer Experience virou uma grande balada em que conversar sobre cerveja com fabricantes e descobrir novos rótulos ficou em segundo plano dando lugar a shows e áreas vips num espaço desleixado e sem decoração, o que sugere pressa e descuido. A percepção clara é de que o Beer Experience quis dar um passo maior do que a perna, e pode até ter alcançado um público maior, mas perdeu qualidade e credibilidade.

O Beer Experience perde ainda mais se comparado ao sensacional Festival Brasileiro da Cerveja, de Blumenau, que consegue atender de forma cuidadosa a um imenso público, reunir algumas das melhores micro-cervejarias do país, boa parte delas lançando novidades, e ofertar comida a bons preços e sem filas imensas. Por mais que a estratégia do Beer Experience denote uma escolha errada, fica a torcida para que o festival volte aos eixos nas próximas edições. O que se viu na edição 2013 do Beer Experience foi lamentável.

É importante crescer. É importante ter um lucro que permita continuar fazendo o que se faz, da melhor maneira possível, mas respeito ao público e à própria cultura cervejeira deveriam ser  emblemas do Beer Experience, e a edição 2013 pecou nisso. Que esse cuidado seja retomado nas próximas edições e que os erros permitam ao Beer Experience melhorar para os próximos anos. Caso contrário, ao optar por se tornar balada, o festival deixa uma brecha interessante no mercado cervejeiro paulistano. Vale ficar de olho.

beer2.jpg

Leia também:
– Os destaques do primeiro Beer Experience, em São Paulo (aqui)
– Os destaques do segundo Beer Experience, em São Paulo (aqui)

setembro 30, 2013   No Comments

Dois (ou três) bares cervejeiros no Rio

bar.jpg

Foto: Marco Bart Barbosa

Na semana passada, prê-segundo fim de semana maratona do Rock in Rio, sai pela cidade carioca com alguns bons amigos conhecendo bares que vendem boa cerveja. Na quinta, começamos com o pé esquerdo ao pagar R$ 27,50 em um pint de Guiness num boteco ao lado dos Arcos da Lapa, mas as coisas melhoraram na sexta, quando visitamos o Aconchego Carioca e o Botto Bar, os dois próximos da Praça da Bandeira, os dois na Rua Barão de Iguatemi (um no número 379, outro no 205 – respectivamente).

O Aconchego Carioca fica num velho casarão e se destaca pelo ótimo cardápio de petiscos. Comemos o tradicional Bolinho de Feijoada acompanhado de uma Erdinger Pikantus, um dos rótulos de melhor custo benefício no local, que tem como ponto negativo a falta de torneiras – a cerveja na pressão está sendo cada vez mais difundida no país. Numa primeira olhada achei os preços de cervejas importadas (principalmente belgas e norte-americanas) bastante elevado, e a carta da filial paulistana muito melhor (incluindo nacionais).

Já o Botto Bar me conquistou com 20 torneiras selecionadas pelo mestre cervejeiro Leonardo Botto. Curti o clima do local, a porção de salgadinho também foi aprovada e a carta de cervejas na pressão é para todos os bolsos e gostos colocando as incomparáveis Tripel Karmeliet, Chimay Triple, La Trappe Quadrupel, Pilsner Urquell, Ola Dubh 16 e Weihenstephaner ao lado de boas nacionais como da Cervejaria Noi, de Niterói. Quero voltar quando estiver no Rio – e ainda conhecer o Delirium Café carioca.

boteco1.jpg

Leia também:
– Europa 2013: Rodando bares em Bruxelas (aqui)
– Oito pubs de cervejarias nos Estados Unidos (aqui)

setembro 28, 2013   No Comments

Sobre Bruce Springsteen e Raul Seixas

Clique na imagem para ver a coluna em maior tamanho

bruce11.jpg

Leia também:
– Saiba como foi o show de Bruce Springsteen em São Paulo (aqui)
– Baixe: “Sociedade Alternativa”, com Bruce Springsteen, em MP3 (aqui)

setembro 28, 2013   No Comments

Baixe: Coletânea No Mínimo Era Isso

nominimo.jpg

Organizada pelo site Outros Críticos, a versão online da coletânea de músicas e ensaios sobre 10 bandas de Pernambuco está disponível para audição e download gratuito (baixe aqui). Abaixo você pode ler os 10 ensaios.

setembro 25, 2013   No Comments

Cinco fotos: Estocolmo

Clique na imagem se quiser vê-la maior

450estocolmo1.jpg
Girl in Red

 450estocolmo12.jpg
Chá da Tarde

450estocolmo8.jpg
Por-do-Sol

 piquinique.jpg
Piquenique

 450estocolmo6.jpg
Camelô

Veja mais imagens de outras cidades no link “cinco fotos” (aqui)

Leia também:
Completamente apaixonado por Estocolmo (aqui)

setembro 25, 2013   No Comments

Assista: Hangout com Hélio Flanders

Participei na segunda-feira (16/09) de um bate papo via Hangout com Hélio Flanders, do Vanguart, banda que está lançando seu terceiro disco, “Muito Mais Que o Amor”. O Hangout foi organizado pelo site RockinPress e contou com Marcos Xi e Eduardo Araújo, do RockinPress, Ana Clara, do Rock ‘n’ Beats, e eu, representando o Scream & Yell. O bate papo foi bem bom, com momentos muito bacanas (releve o trecho em que metade da minha casa despenca no meio da sala – no fim, todos ficaram bem). Está na integra ai em cima. Vale a pena assistir.

setembro 17, 2013   No Comments

Dos descaminhos da melancolia

carta.jpg

No sobe e desce do humor nos últimos dias, ontem foi um dos meus melhores dias. Daqueles dias que a vida é prazerosa, e não um fardo imenso a ser carregado, como acontece em boa parte do tempo. Não sei o motivo (até devo saber, mas não vem ao caso), em algum momento da noite, lembrei-me de Aldous Huxley, mais propriamente de um trecho especial de “O Macaco e a Essência”, meu livro preferido de tudo que já li nesses mais de 15 mil dias como cidadão deste planetinha azul.

A lembrança do tal trecho e, por conseguinte, do livro, me fizeram lembrar uma listinha Top 10 que eu havia organizado alguns anos atrás a pedido de algum site, aquela típica listinha de insônia, em que o prazo se extingue e você acaba listando as coisas que vem a sua cabeça na hora aguardando ansiosamente o momento de apertar o “enviar” do e-mail para se livrar de uma tarefa tão árdua quanto prazerosa – desde quando este prazer passou a ser risco de vida (pesquisar)?

Fato é que em meio a pensamentos perdidos no espaço, voltei para algum dia perdido na última década do século passado, em que, apaixonado por uma garota que morava em outra cidade bem distante da minha, comecei uma incessante troca de cartas que, felizmente, foi reciproca, e rendeu dezenas de momentos especiais – e um coração partido, mas isso não importa. Numa dessas cartas, acho que no aniversário de 19 anos dela, eu fiz uma listinha de 19 várias coisas: músicas, discos, filmes e… livros. Aquela listinha…

Guardo todas as cartas que recebi (muitas) e então fui verificar se, na resposta da garota, ela falava sobre algum livro daquela listinha, e… não (e olha que são cinco páginas… ótimas – risos). E o desejo de rever aquela listinha se instalou porque acredito que aqueles 19 livros ainda são, 17 anos depois, os meus livros preferidos, os livros que me formaram e me fizeram ser quem sou. Os mais importantes. Acho (ou apaixonado acreditava nisso).

Dia desses, numa conversa de bar, alguém perguntou o motivo de eu escrever e manter um site, e eu disse que escrevo para tornar a ideia palpável, real, e guarda-la. Calhou de ter um site e dividir várias ideias, pensamentos e observações acerca do mundo com um monte de gente (que, muitas vezes, não querem pensar, só ler elogios – infelizmente faz parte), mas tudo isso poderia ser um diário, em que escrevo para que o Marcelo, senhor grisalho de idade com óculos pequenos e memória curtíssima, daqui uns 50 anos se lembre de algumas bobagens.

Por isso, sempre procuro dar um passo pra frente, o que gera a questão: se eu já fiz uma lista com 19 livros, por que oras tenho que parar de fazer o que estou fazendo para fazer a mesma lista de novo? Risos idiotas. Ahhh, a melancolia é imensamente traiçoeira. Abaixo replico a lista de 10 livros preferidos de todos os tempos que organizei em 2009 enquanto aproveito para abrir uma brechinha e tentar incluir “A Visita Cruel do Tempo”, de Jennifer Egan, no computo (junto com “O Resto é Ruído”, do Alex Ross, que preciso comprar novamente – dei o meu de presente)… e lembrar de outros.

E aproveitar para guardar as velhas cartas. É incrível como conseguíamos escrever tanto. Era… especial. Saudosismo? Talvez seja. E se for, não importa.

“O Lobo da Estepe”, Hermann Hesse
“O Macaco e a Essência”, Aldous Huxley
“Ciranda de Pedra”, Lygia Fagundes Telles
“O Tempo e o Vento”, Érico Verissimo
“Hamlet”, William Shakespeare
“Cartas a Um Jovem Poeta”, Rainer Maria Rilke
“O Casamento do Céu e do Inferno”, William Blake
“Retrato de Dorian Gray”, Oscar Wilde
“Achei Que Meu Pai Fosse Deus”, organizado por Paul Auster
“As Flores do Mal”, Charles Baudelaire

“A Insustentável Leveza do Ser”, Milan Kundera

Ps. Quando eu ler “Em Busca do Tempo Perdido”, do Proust, que só passei os olhos no primeiro volume quando tinha 19, 20 anos, com certeza um dos dez acima cai.

Leia também:
– As bibliotecas da minha vida (aqui)

setembro 13, 2013   No Comments

Tentando

…me encontrar e juntando os cacos de algo que nem sei se sou eu.

Nessas horas sempre me lembro de Ana Cristina César: não tenho muitas palavras quanto pensei.

Teria pensando demais, sonhado demais, vivido demais?

Duvido.

É possível

setembro 9, 2013   No Comments

Cinco fotos: Memphis

Clique na imagem se quiser vê-la maior

memphis1.jpg
Bondinho

memphis2.jpg
O Pequeno Artista

memphis4.jpg
King

lorraine.jpg
Lorraine

memphis3.jpg
Fim de Tarde no Rio Mississippi

Veja mais imagens de cidades no link “cinco fotos” (aqui)

Leia também: 17 dias nos EUA, por Marcelo Costa (aqui)

setembro 9, 2013   No Comments