Blog do Editor do Scream & Yell
Random header image... Refresh for more!

Uma noite de vinho e de sangria ibérica

Duas jarras de sangria / Foto: Marcelo Costa

A festa do vinho: no total, 19 pessoas, 14 garrafas de vinho Concha Y Toro (eu devia ter pedido patrocínio para os chilenos) de uvas variadas (Carmenere, Merlot e Cabernet Sauvignon Tinto e Branco). Cinco litros de sangria com receita portuguesa (a gente chega lá) mais seis pacotes de amendoim sem pele, quatro de bolinhas de amendoim, nove pacotinhos de Pingo D’oro e oito pacotes de torradinhas com diversos patês. Deu tudo certo. Ufa.

A segunda festinha do projeto Inverse My Fridge (a primeira foi essa aqui) visava festejar a chegada da geladeira antiga, que virou um quadro com espaço para fotos. Ou seja, a nossa pequena geladeira branca agora está pendurada na parede da sala (ok, ok, apenas uma parte dela). Lili colocou diversas fotos da viagem a Europa que fizemos em julho e improvisei um local para o quadro da Fernanda Guedes ficar até eu conseguir colocá-lo na parede.

Quadro de Fernanda Guedes / Foto: Marcelo Costa

Já a festinha, bem… levamos a sério o conceito de vernissage, afinal, a idéia era reunir os amigos e apresentar a arte feita pela Fernanda. Então resisti bravamente e não coloquei cerveja na geladeira (e bebi as que eu tinha durante a semana – fiz esse esforço). A noite seria de vinho, e decidimos aproveitar o excelente preço dos Concha Y Toro para fazer uma noitada especial. E, pelo jeito, os amigos aprovaram.

Aproveitando o dia quente, e pensando ainda nas pessoas que não são tão simpáticas ao vinho, como eu, que até bebo mas preferiria outra coisa, decidimos arriscar uma receita de sangria, a original, inspirados na lembrança daquela que bebemos na Plaza Mayor, em Madri, e que eu bebi no calçadão de Málaga, que além de ser (aparentemente) mais leve serviria para dar uma refrescada no calorão.

A alegria da Liliane / Foto: Jeanne Callegari

No fim das contas acabei chocando duas receitas. Uma descritiva do JC, um aventureiro português na cozinha, que conta a história da sangria no começo de seu post e passa excelentes recomendações. Tipo usar a massa da receita (as suas frutas eleitas – no nosso caso, abacaxi, maça, limão e laranja – curtidas na cachaça e no açúcar mascavo) Para o JC não se deve colocar nem água nem soda ou o quer que seja na sangria pura.

“A sangria deve servir-se em copos grandes, só com gelo, para os mais aventureiros e afoitos e “cortada” com refrigerantes, na quantidade que se desejar, para as crianças, os condutores e os que têm outras coisas – que não dormir – para fazer depois do repasto. Para as crianças costumo “tingir” o copo com um pouco de sangria e atestar com 7UP ou outro tipo de gasosa.” Leia o post todo (vale, vale, vale) aqui.

Alegria, alegria / Foto: Jeanne Callegari

O post do JC tem várias dicas ótimas, mas não tem quantidades de doses nem de frutas, por isso decidimos juntar a receita dele com uma que encontramos no Panelinha (aqui), que tem pouco a ver com a sangria original, mas serviu como base dos ingredientes. Assim, da junção das duas criamos a nossa sangria, a Sangria Scream & Yell (vou registrar a marca), que me lembrou muito a sangria deliciosa que bebi em Málaga (essa aqui).

Primeiramente fizemos duas receitas, que renderam quase quatro litros de sangria. E após terminada a primeira leva, aprovada por todos os presentes (que, sinal de acerto, queriam mais), aproveitamos para juntar a massa curtida das duas primeiras receitas em uma mesma jarra, e misturar novamente vinho, cachaça e açúcar mascavo para mais uma jarra de sangria. Se eu não tivesse bêbado cravaria que ficou melhor.

Sangria / Foto: Marcelo Costa

Abaixo a receita:

750 ml de vinho tinto seco
3 laranjas
2 limões
1/2 abacaxi
2 colheres (sopa) de açúcar (se for mascavo, melhor)
1 dose de cachaça
1 dose / 60 ml de contreau (ou conhaque)
1 dose / 60 ml de gim
Hortelã

Modo de Preparo

1. Prepare as frutas: descasque o abacaxi e a maçã e os corte em cubinhos pequenos. Jogue os cubos no fundo de uma jarra. Pegue uma laranja e um limão e os corte em rodelas. Jogue-as na jarra também.

2. Pegue as duas laranjas e um limão e esprema o caldo na jarra.

3. Coloque as 2 colheres (sopa) de açúcar sobre a mistura, e acrescente a dose de cachaça.

4. Com uma colher de pau, um rolo da massa ou outro instrumento, amasse todo o conteúdo até formar uma papa indistinta (ou até você cansar).

5. Despeje uma garrafa de vinho tinto seco na jarra. Aqui, vale a lembrança: vinho ruim, sangria ruim. Vinho bom, sangria boa.

6. Junte à mistura uma dose de contreau e uma dose de gim. Mexa bem. Prove a sangria ainda quente, sem gelo. Se estiver muito doce acrescente limão, se estiver muito forte, acrescente vinho. Quando estiver perfeitamente equilibrada, tapa-se com um pano limpo e vai para a geladeira durante – pelo menos – 24 horas acrescida de pequenas folhas de hortelã.

7. No dia seguinte, acrescente folhas de hortelã como rodelas inteiras de maçã e laranja, para enfeitar. Sua sangria está pronta.

Ainda não acabou, ou melhor, quando acabar, a “massa” que fica no  fundo da jarra rende novas sangria durante cinco dias bastando adicionando-se metade dos ingredientes, mais açúcar e vinho. Uma delícia.

*******

Ps. Queria agradecer ao pessoal da Live AD pelo convite para participar do projeto Inverse My Fridge, à queridíssima Fernanda Guedes pelo lindo quadro, e a presença de todos os amigos queridos que, com sua alegria e histórias, transformaram esse apartamento da rua Bela Cintra em um dos lugares mais legais do mundo por algumas horas. Todas as fotos aqui.

Ps2. Não acordei de ressaca. \o/

Concha Y Toro, rola uma parceria? / Foto: Liliane Callegari

8 comentários

1 Twitter Trackbacks for Uma noite de vinho e de sangria ibérica — Calmantes com Champagne 2.0 [screamyell.com.br] on Topsy.com { 12.23.09 at 4:31 pm }

[…] Uma noite de vinho e de sangria ibérica — Calmantes com Champagne 2.0 screamyell.com.br/blog/2009/12/23/uma-noite-de-vinho-e-de-sangria-iberica – view page – cached A festa do vinho: no total, 19 pessoas, 14 garrafas de vinho Concha Y Toro (eu devia ter pedido patrocínio para os chilenos) de uvas variadas (Carmenere, Merlot e Cabernet Sauvignon Tinto e Branco). Cinco litros de sangria com receita portuguesa (a gente chega lá) mais seis pacotes de amendoim sem pele, quatro de bolinhas de amendoim, nove pacotinhos de Pingo D’oro e oito pacotes de… Read moreA festa do vinho: no total, 19 pessoas, 14 garrafas de vinho Concha Y Toro (eu devia ter pedido patrocínio para os chilenos) de uvas variadas (Carmenere, Merlot e Cabernet Sauvignon Tinto e Branco). Cinco litros de sangria com receita portuguesa (a gente chega lá) mais seis pacotes de amendoim sem pele, quatro de bolinhas de amendoim, nove pacotinhos de Pingo D’oro e oito pacotes de torradinhas com diversos patês. Deu tudo certo. Ufa. View page […]

2 alexandre { 12.23.09 at 6:06 pm }

vida dura, hein?

3 Lucius { 12.23.09 at 7:41 pm }

E o resto da geladeira?

4 samuel { 12.28.09 at 10:21 am }

Vixiiii….já anotei a receita e vou experimentar no reveillon. Alguma dica da cachaça? e fica bem diferente se for com contreau ou conhaque, não? Um dos casais convidados serão mais do que agraciados com a receita (espero), ele é chileno e ela, portuguesa. Vou usar Concha Y Toro também. Não tem erro.

Valeu a dica Marcelo!

ABS

5 Mac { 12.28.09 at 11:25 am }

Então, de preferência uma cachaça amarela, pois as brancas tem muito cheiro. Eu usei Germana. E acho que não tem problema nenhum em substituir o contreau (que é caro pra dedeu) pelo conhaque, viu. A próxima eu também vou fazer com conhaque (hehe). Me conta depois como ficou? :) E tô te devendo uma resposta de email, guenta que chega. Eita dias corridos do cão! risos

Abração

6 samuel { 12.28.09 at 1:44 pm }

Hummm…anotado. Contreau se torna ainda mais caro porque vai sobrar tudo depois…rss. Depois te conto como ficou, claro. E além desse casal, tenho uma amiga argentina muito fã e conhecedora de vinhos. Não sei se ela vai, mas seria uma degustadora exigente. hehe…e putz, o e-mail. Agora fiquei até ansioso.

Abraço!

7 Samuel { 01.06.10 at 9:49 am }

Então Mac, ficou bem bom, eu acho…rss. O “problema” foi experimentar logo depois de feita a sangria. Quase não sobra pro Reveillon…Usei conhaque Domecq Gold e cachaça Germana. Fez relativo sucesso. O problema foi competir com Mojitos, Ballantines 12 e cervas variadas. Vou usar mais vezes em outras ocasiões, apresentar a outros convidados também. Minha esposa, um amigo e eu gostamos demais. Valeu a receita.

Abraço!

8 jose de paula { 07.28.10 at 10:39 am }

por vafor uque é sangria de vinho? é vinho ou suco de frutas

Faça um comentário