Random header image... Refresh for more!

Posts from — Março 2009

Remexendo textos antigos

Teoria de Alison

por Miguel F. Luna

“Oh, it’s so funny to be seeing you after so long, girl.

And with the way you look

I understand that you are not impressed.”

Essas são as três primeiras frases de “Alison”, canção de Elvis Costelo, clássico absoluto. E é a canção que empresta som, palavras e sentimento para esse texto, ou melhor, teoria. Essas frases já são uma pista mas o que vem a ser a Teoria de Alison? Bem, a teoria de Alison é uma equação muito simples:

{É só juntar um cara legal, uma garota bacana, platonismo à vontade, alguns itens da Lei de Murphy, e, às vezes, um relacionamento quase perfeito acontece. Quase perfeito. Aí é só bater no liqüidificador e beber o resto da vida entre silêncios e sonhos}

Alisons são aquelas garotas que marcam a vida da gente e que a gente não consegue esquecer com o tempo, ao contrário, elas nos tomam cada vez mais, como se só existissem elas no mundo. Sei que não existem apenas elas, mas isso é inexplicável, acontece. E acontece a ponto de as tornarem as maiores adversárias de novos relacionamentos, embora nem estejam mais ali, talvez apenas como fantasmas, mas nós acabamos sempre as querendo. É diferente de flertes corriqueiros e inconseqüentes e é sacrifício até manter a amizade depois que a história chega ao fim, ou melhor, quase início.

Ela pode ser qualquer garota, como a vizinha, uma colega de classe, a amiga de um conhecido, a irmã de uma amiga, a namorada do melhor amigo, uma prima, qualquer uma. Parece piada, mas acredite, não é. Acontece. Quem tem uma Alison tem também uma porção de histórias tragicômicas para contar. Eu mesmo tenho um monte e daria para escrever um livro só contando minhas mancadas.

Cada um deve ter a sua Alison. Eu tenho a minha, bonita, inteligente, frases iniciadas por um e finalizada por outro, quase beijos, e por fim, silêncios. Tá, ela me envia emails vez em quando. Mas já não está sozinha, o que a torna ainda mais impossível. Mas é a minha Alison, vou fazer o que? Não escolhi. Ela me apareceu do nada, numa tarde de julho a quase 800 km da minha casa (acho que fui eu que apareci) e, bem, ela vai se casar em setembro e eu não quero ser muito sentimental (como canta Costelo) mas a vida segue, cada um na sua, e geralmente Alisons nos trazem tristeza. É a sina. Eu só sei que ela não é minha.

Isso é o fim ? Não, como eu disse, a vida segue. Apenas segue mais arrastada. Isso tudo não impede da gente encontrar alguém e se apaixonar e tal. Eu já me apaixonei mas não foi lá grande coisa, nem por culpa da paixão mas por culpa da Alison. Mesmo assim acredito que a minha garota está andando por aí e qualquer dia eu a encontro. Acredito. Mas Alison é Alison, a gente bebe a vida inteira dessa chuva. E desde então parece que tem chovido sempre. Sempre.
“Alison, my aim is true. My aim is true.”

Miguel F. Luna, 25, é cercado por fantasmas e escreve sobre silêncios.

Reflexões Alisônicas

Por Miguel F. Luna

É meio de semana, quarta-feira de um mês de junho friorento que já derrubou um punhado de amigos meus, com gripe. No som, Yo La Tengo novo, lindo lindo e… lindo. Mesmo assim, e sem ouvir, a canção dos últimos dias tem sido Alison, do Elvis Costelo…

Não, ela não ligou, não mandou e-mail e nem apareceu na porta de casa vestida em um paletó de couro sobre um pijama de bolinhas. O que me fez cantar “my aim is true” em pensamento todos esses dias foram a porção inimaginável de cartas e emails que recebi, de gente elogiando a teoria (publicada na edição anterior), o texto, a canção, tudo. É muito legal ter um feedback desses, principalmente na passionalidade que o texto passava. Mas, saibam, fiquei preocupado.

Preocupado pois sei que por trás dos elogios existem uma porção de pessoas vivendo situações terrivelmente alisônicas, cujo sintoma maior é a perda de alguém que a gente julga “a pessoa certa” para nós. Por isso, vivemos a margem, romances incompletos. Não é legal, mesmo. A não ser que você nutra alguma chance de retorno, ai vale. Caso contrário, é tragédia grega.

No meu caso particular, exemplificando, Vitória é uma cidade proibida. Não piso lá nem que alguém diga que Ian Curtis ressuscitou para um único show com a formação original do Joy Division em que ele vai cantar Atmosphere. Nem. Então, bola pra frente, certo. Certo?

Errado. Não consigo me apaixonar e acho que a garota que eu tava paquerando, e que eu queria que se apaixonasse por mim, se achou carta fora do baralho, por esse papo de Alison, e desistiu. Não é legal isso. Nem um pouco.

Não é legal ter uma Alison. É legal ter uma Ana (”She’s my fave, undressing in the sun”), é legar ter uma Sweet Jane (”Cause life is just die, but, anyone who has a heart wouldn’t want to turn around and break it”), é legal até ter uma Metal Baby (”My Metal Baby, made me take her to the heavy metal show”) ou uma Lump (”Lump lingered last in line for brains and the one she ot was sort rotten and insane”). Alisons só dão dor de cabeça. E corações partidos.

*****

Garotas perguntam: uma menina pode ter um Alison? É claro. Infelizmente vocês não estão livre. Nem os gays, nem os negros, nem os japoneses, nem os marcianos, nem os personagens de Woody Allen e muito menos Spit, personagem principal do romance rock and roll Clube dos Corações Solitários, de André Takeda, se salvam.

*****

Garotas continuam perguntando: é possível ter dois Alisons? Com muito azar, sim.

*****

Teorizando em nível rasteiro: talvez Alisons sejam Copas do Mundo perdidas como as de 50 e a de 82. Permanecem mais que conquistas como a de 94…

*****

Alguém cantou baixinho no meu ouvido:
“as brigas que eu ganhei, nenhum troféu como lembrança pra casa eu levei.
as brigas que eu perdi, essas sim, eu nunca esqueci, eu nunca esqueci…”

*****

Enriquecendo o repertório de Alisons:
“Alison Road”, dos americanos do Gin Blossoms, foi a canção de fundo desse texto.

“I’ve lost my mind on what i’d find, and all of the pressure that I left behind on Alisson Road.
Now I can’t hide so why not drive I know I want to love her but I can’t decide on Alisson Road
Dark clouds file in when the moon in near birds fly by a.m. in her bedroom stare
there was no tellin what I might find I couldnt, see I was lost at the time…
Yeah, I didn’t know I was lost at the time on Alisson Road”

Miguel, 26, sabe tanto de Alisons quanto falar francês, ou seja, nada…

Nota do Editor: a Teoria de Alison foi publicada pela primeira vez na versão on paper do Scream & Yell, em março de 2000. Foi um dos textos mais comentados da edição, rendendo muitas cartas e comentários ao autor, que ainda preparou um segundo texto, que estaria no número 7 do Scream & Yell On Paper, mas acabou sendo publicado na versão on line, na estréia do site, chamado “Reflexões Alisônicas”.

Março 29, 2009   No Comments

U2 em Paris ou Berlim?

Então, na verdade não é uma escolha. O U2 havia anunciado três datas para Paris (16, 17 e 18 de julho) que esgotaram num piscar de olhos. Duas datas extras foram abertas e os ingressos começaram a ser vendidos hoje às 9h30 (horário da França, 5h30 horário de Brasília). Às 5h20, os dois sites já estavam congestionados. Às 6h, a data do dia 11 já estava esgotada. A do dia 12 já sumiu de um dos sites. No outro está disponível, mas dá erro na hora em que se seleciona o ticket. Enquanto isso, a data de Berlim, dia 19 de julho, está aberta e facinha pra comprar, mas vai dar uma trabalheira mexer no roteiro… continuo tentando Paris… vamos ver.

Março 27, 2009   No Comments

A moderna música brasileira

Quarta-feira, quase 20h. Em um taxi que cruza a Consolação em direção ao Shopping Higienópolis, o motorista liga o rádio. O locutor apresenta o bordão da FM – ”Nova Brasil FM, a moderna música brasileira” – e solta, na sequência, “Os Outros”, do segundo disco do Kid Abelha e os Abóboras Selvagens, de 1985. Em seguida, uma do Djavan tão ruim que não vale nem a comparação com outras do artista (também poderia ser Jorge Vercilo, não consegui identificar). Depois, “Me Liga”, do segundo disco dos Paralamas do Sucesso, de 1984. Para fechar esse set “muderno”, uma do acústico MTV da Cássia Eller, de 2001. Não precisa muito para explicar o cenário desolador da música mainstream brasileira. Basta sintonizar uma rádio FM e ver como eles pararam no tempo e estão matando a música. Alguém devia processar uma rádio dessas por falsidade ideológica e crime culposo.

Março 26, 2009   No Comments

U2 e Leonard Cohen em Paris

cohen_parri.jpg

Como os festivais europeus não estão lá grande coisa este ano, começo a coçar as mãos pelas apresentações solo de alguns medalhões. Tipo o Leonard Cohen, que segundo um link que o Carlos me passou e o mailing da GDP Produções, baixa na França para três shows nos dias 06/07 (Nantes), 07/07 (Paris) e 09/07 (Toulouse). Cohen também confirmou Liverpool (14/07) e deve anunciar mais sete datas nos próximos dias, porém Paris me chama, ainda mais que o U2 baixa na cidade nos dias 11 e 12/07 com abertura do Snow Patrol. Estou muito tentado. Só comprei, por enquanto, a terceira noite do Werchter, que tem Nick Cave and The Bad Seeds, Franz Ferdinand, Mogwai e Yeah Yeah Yeahs confirmados (entre outros). Na fila, Blur no Hyde Park (que espero comprar ainda esta semana) e Bruce Springsteen em Turim ou Roma (quando eu descobrir um site italiano que mostra o mapa dos assentos). Vou te dizer: Benicàssim está quase rodando.

Ps de atualização: comprei Leonard Cohen em Paris, dia 07/07

Abaixo, um rascunho do provável roteiro com as novas mudanças:

28/06 – Londres
29/06 – Londres
30/06 – Londres
31/06 – Londres
01/07 – Londres
02/07 – Londres (Blur)
03/07 – Londres / Bruxelas
04/07 – Leuven (Rock Werchter)
05/07 – Bruxelas / Bruges
06/07 – Bruges
07/07 – Bruges / Paris (Leonard Cohen)
08/07 – Paris
09/07 – Paris
10/07 – Paris
11/07 – Paris (U2 / Snow Patrol)
12/07 – Paris (U2 / Snow Patrol)
13/07 – Paris / Barcelona
14/07 – Barcelona
15/07 – Barcelona
16/07 – Barcelona
17/07 – Madri
18/07 – Madri
19/07 – Madri
20/07 – Milão
21/07 – Turim (Bruce Springsteen)
22/07 – Genova
23/07 – Roma
24/07 – Roma
25/07 – Roma
26/07 – Berlim
27/07 – Berlim
28/07 – Berlim
29/07 – Aachen
30/07 – Aachen
31/07 – Budapeste
01/08 – Budapeste
02/08 – Budapeste
03/08 – Praga
04/08 – Praga
05/08 – Praga
06/08 – Amsterdã
07/08 – Amsterdã
08/08 – Amsterdã

Março 24, 2009   No Comments

Amorica 6 x 2 Anorak

futebol_comunidade.jpg

Debaixo de uma clássica garoa paulistana, o Amorica bateu o Anorak pelo placar de 6 x 2 em uma batalha campal que deixou muitos feridos (dois durante o jogo, e o restante depois, mais precisamente no dia seguinte). O melhor jogador da peleja foi Sérgio Martins, que faltou, por isso não teve seu futebol avaliado. O restante, bem, foi divertido. Mac (olha eu falando em terceira pessoa) foi o artilheiro com três gols (e cumpriu o prometido deixando dois nas redes de Regis Tadeu). Osório e Cirilo anotaram dois, e podia ter sido mais se os goleiros Murilo e Regis não honrassem a camisa número 1 com belas defesas.

Zé Flávio abandonou o campo aos cinco minutos de jogo após dar um “drible da vaca” em Leandro, o que lhe custou uma torção no tornozelo. Leonardo foi o próximo a sentir o peso da camisa 9 do Corinthians, do Ronaldo, e deixou a partida próximo aos 20 minutos de peleja. Os boleiros Hansen (?) e Fernando (??) sairam do banco de reservas para o campo, sendo que Hansen entrava em um campo de futebol pela primeira vez na vida. Filipe e Bruno desfilaram com classe suas camisas do Timão, e o palmeirense Tiago Agostini abriu o placar do jogo com uma bela cabeçada. O primeiro jogo durou mais ou menos 1h15, com um intervalo de 15 minutos para cervejas e balões de oxigênio.

A segunda partida foi mais curta, 50 minutos, e Mac trocou de camisa para jogar pelo Anorak, que desta vez foi a forra e bateu o Amorica por 5 x 1, sendo que um gol legítimo de Fabio Bianchini foi anulado pela arbitragem (mas foi devolvido na seqüência por Victor, que jogou contra o próprio patrimônio e marcou contra). Com os refletores desligados, o goleiro Regis recusou-se a continuar jogando (“Não consigo ver a bola! Ou acende a luz, ou vamos parar por aqui”, fuzilou o goleirão), e a peleja deu-se por encerrada. Os dois placares (uma vitória para cada time) não contam o que foi o jogo. Nem o quanto foi divertido. Muito menos o quanto estou detonado agora. As pernas estão um caco e sinto mais as costas do que o gosto do Trident de Melancia que estou mascando. Mas valeu a pena. Agora é passar o domingo deitado no colchão na sala. \o/

Março 22, 2009   No Comments

Rock Werchter e Leonard Cohen

O melhor festival da Europa começa a fazer jus ao título. De uma tacada só, o Rock Werchter 2009 (que já tinha Prodigy, Oasis, Coldplay, Killers, Franz, Bloc Party, Nick Cave and The Bad Seeds e Metallica – entre outros) confirmou a presença de Mogwai, Fleet Foxes, Nine Inch Nails, Mars Volta, Flaming Lips e Social Distorction (e, Pala, Röyksopp). Com a saída do show do Wilco do calendário, começo a pensar seriamente em passar um fim de semana na Bélgica (e esticar até a mítica cidade de Bruges) para ver o Sr. Caverna. Dig, Lazarus, Dig, ele grita. Tá pintando. Veja o line-up do Werchter 2009.

Rock Werchter em tempo: comprei os tickets para o sábado. Como já tinham esgotado o de sexta (que tem Coldplay, Killers e Bloc Party), bateu um medinho de esgotar o de sábado (com Nick Cave, Mogwai, Franz, 2Many Djs e Kate Perry – por enquanto) e sobrar só os combos para os quatro dias. Então, nesse momento, a única coisa certa mesmo da viagem para a Europa em julho é que no dia 04 de julho estaremos na Bélgica. \o/ Voltando ao post…

Além disso, o Sr. Leonard Cohen, o homem que teve o dom de me fazer chorar como criança no ano passado em Benicassim, acaba de confirmar dois shows na Alemanha, 01 e 02 de julho, o segundo em Berlim. Cohen coloca nas lojas no fim de março o álbum duplo “Live in London”, registro de 26 canções de sua apresentação na capital inglesa. Tenho fé que essas duas datas vão se estender durante todo o mês de julho, e que vamos nos esbarrar em algum canto do velho mundo. Prometo: dessa vez eu levo um lenço.

cohenfib2008.jpg

Leonard Cohen no FIB 2008 / Foto: Marcelo Costa (aqui)

Março 13, 2009   No Comments

Discos que todo homem “tem” que ter

tvmacho.jpg

A revista Esquire fez um listão com 75 discos que todo homem deve ter. A lista é bem polêmica, e nada confiável, mas divertida. Contei por cima e tenho 42 dos 75 discos, embora esse número possa subir se pensarmos que não tenho “The unreleased recordings”, do Hank Williams, mas tenho uma coletânea tripla com quase tudo do homem (e esse exemplo se estende a mais uns dez discos). O fato é que uma lista de macho com “Ziggy Stadust”, do David Bowie, “Grace”, do Jeff Buckley, “Dire Straits”, do Dire Straits, e “Rubber Soul”, dos Beatles, pode ser desconsiderada valida?

Falo isso pensando exatamente no Zeca Bordoada, mítico apresentador da TV Macho, “o programa que enfrentava um mundo cheio de frescura sem desafinar”. Eu não sei como é o macho na redação da Esquire, mas o macho da TV Pirata não tinha nada de delicado e nunca ouviria “Hallelujah”, com o Jeff Buckley e se fosse escolher um disco dos Beatles seria o “Álbum Branco”, um disco com “Revolution”, “Hapiness Is a Warm Gun” e “Helter Skelter”, e não um com “In My Life”, pelamordedeus.

Ps. Eu sou o macho da redação da Esquire. Ui. <3

Abaixo a lista completa. A reportagem original da Esquire está aqui. E a TV Macho… aqui. E fim de papo.

“Darkness on the edge of town”, Bruce Springsteen
“Phases and stages”, Willie Nelson
“The Stone Roses”, The Stone Roses
“Lust for life”, Iggy Pop
“The rise and fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars”, David Bowie
“Live at the Apollo”, James Brown
“What’s going on”, Marvin Gaye
“Crooked rain, crooked rain”, Pavement
“Illmatic”, NaS
“Dire Straits”, Dire Straits
“American beauty, Grateful Dead
“Out of step”, Minor Threat
“Aftermath”, The Rolling Stones
“Paul’s boutique”, The Beastie Boys
“Led Zeppelin I”, Led Zeppelin
“Imperial bedroom”, Elvis Costello
‘The Cars”, The Cars
“Being there”, Wilco
“Destroyer”, KISS
“The bends”, Radiohead
“Gettin’ ready”, The Temptations
“Highway to hell”, AC/DC
“The dictionary of soul”, Otis Redding
“The headphone masterpiece”, Cody Chessnut
“The good, the bad, and the ugly soundtrack”, Ennio Morricone
“Blood on the tracks”, Bob Dylan
“Take a giant step/De ole foiks at home”, Taj Mahal
“Catch a fire”, Bob Marley
“MTV Unplugged in New York”, Nirvana
“The best of Mississippi John Hurt (Live at Oberlin College, 1966)”, Mississippi John Hurt
“The Traveling Wilburys, Vol. 1”, The Traveling Wilburys
“Live at the Old Quarter, Houston, Texas”, Townes Van Zandt
“Woke on a whaleheart”, Bill Callahan
“Rubber soul”, The Beatles
“The Velvet Underground & Nico”, Velvet Underground
“Workin’ together”, Ike & Tina Turner
“The Earth is not a cold dead place”, Explosions in the Sky
“True stories”, Talking Heads
“This is hardcore”, Pulp
“Appetite for destruction”, Guns N’ Roses
“In the wee small hours”, Frank Sinatra
“Sketches of Spain”, Miles Davis
“Combat rock”, The Clash
“Road to ruin”, The Ramones
“Marquee moon”, Television
“Animals”, Pink Floyd
“Doolittle”, The Pixies
“The adventures of Slick Rick”, Slick Rick
“Ready to die”, The Notorious B.I.G.
“The unreleased recordings”, Hank Williams
“Ten’, Pearl Jam
“Band of gypsys”, Jimi Hendrix
“Brighter than creation’s dark”, Drive-By Truckers
“Modern sounds in country and western music”, Ray Charles
“…And justice for all”, Metallica
“Fair warning”, Van Halen
“Reasonable doubt”, Jay-Z
“Pet sounds”, Beach Boys
“Exile in Guyville”, Liz Phair
“Look sharp!”, Joe Jackson
“Songs in the key of life”, Stevie Wonder
“Rage Against the Machine”, Rage Against the Machine
“Who’s next”, The Who
“Left to his own devices”, Vic Chessnut
“Sinfonia Nº. 5”, Beethoven
“Night beat”, Sam Cooke
“Songs of Leonard Cohen”, Leonard Cohen
“Penthouse”, Luna
“Buena Vista Social Club”, Buena Vista Social Club
“Small change”, Tom Waits
“Johnny Cash at Folsom Prison (Live)”, Johnny Cash
“Harvest”, Neil Young
“Mingus ah um”, Charles Mingus
“Sinfonia Nº. 5”, Gustav Mahler
“Grace”, Jeff Buckley

Março 10, 2009   No Comments

Planejando quatro dias na Bélgica

No começo de março postei o line-up do Rock Werchter, festival que irá acontecer de 03 a 06 de julho em uma cidadezinha pertinho de Bruxelas. Ontem foi anunciado que Raconteurs e Gnarls Barkley vão engrossar o line-up que já tinha R.E.M., Radiohead, Neil Young, Beck, Chemical Brothers, Soulwax, Verve, Babyshambles, Hives, Editors, Gossip e Kaiser Chiefs, entre outros. Então fui olhar novamente o line-up no site oficial, e não é que existem mais nomes que eu não sabia que já tinham sido confirmados: Vampire Weekend, Ben Folds, Slayer, My Morning Jacket e… Grinderman!!!! Abaixo, o line-up atualizado e meu pré-roteiro de viagem.

Março 10, 2009   No Comments

Contabilizando a bebedeira

Parei de beber. Ok, eu não parei. Na verdade, a idéia é contabilizar a bebedeira da semana que passou e evitar ao máximo ultrapassar a marca na próxima semana. Não é que eu seja quase um alcoólatra, mas sim que eu não bebo mais como eu bebia, e as ressacas estão durando 15, 18 horas. Enche o saco, sabe. Na semana que passou não tive ressaca em nenhum dia e a meta é continuar assim. Acho até que vou pendurar uma placa no blog tipo aquelas das empresas que contabilizam a quantidade de dias sem nenhum acidente. Já dá para cravar: “Estamos trabalhando a oito dias sem ressaca”. \o/ Vamos para a contabilidade:

Segunda: dois half pint de Guiness
Terça: dois pints de Guiness e uma Hoegaardenzinha
Quarta: –
Quinta: cinco Stellinhas e uma Brahma long neck
Sexta: uma Baker de Trigo e uma Bamberg Munchen
Sábado: uma dose de aguardente de jabuticaba, sete Stellinhas e quatro Brahma long neck
Domingo: –

Olhando assim até impressiona… parecia que tinha sido mais, mas não se preocupe: não tenho amnésia alcoólica. Só vamos ver como estará essa contabilidade na próxima semana…

heinken_fib.jpg

Copos de cerveja de um litro só na Espanha / Foto: Marcelo Costa

Março 9, 2009   No Comments

Era uma vez Wilco… :-(

werchter2009.jpg

Acabo de perceber que dei uma tremenda bola fora. Sabe o show do Wilco que eu estava planeando ver em Barcelona? Já era. Por um motivo bastante simples. Será um mês antes. Eu tinha visto 04 de junho e fui logo sonhando e incluindo no roteiro sendo que eu só chego em Londres dia 28 de junho. Não vamos entra em pânico. A banda retorna para a Europa no começo de agosto para festivais em Oslo (Oya Festival) e… Gothenburg (Way Out West Festival). Quem sabe…

O fato é que não ter que voar “correndo” para Barcelona para ver o Wilco no dia 05 talvez permita alguns malabarismos bacanas no roteiro. Até fui olhar como estão as confirmações no Rock Werchter (o melhor festival do mundo), e juro que esse show do Nick Cave me balançou, mas será no mesmo dia do show de volta do Blur no Hyde Park. E o Benicassim, que estava balançando no roteiro, talvez role. Ou seja, esse roteiro ai embaixo vai mudar…

28/06 – Londres
29/06 – Londres
30/06 – Londres
31/06 – Londres
01/07 – Londres
02/07 – Londres (Blur)
03/07 – Barcelona
04/07 – Barcelona
05/07 – Barcelona
07/07 – Barcelona
07/07 – Madri
08/07 – Madri
09/07 – Madri
10/07 – Paris
11/07 – Paris
12/07 – Paris
13/07 – Paris
14/07 – Paris
15/07 – Paris
16/07 – Benicassim (FIB)
17/07 – Benicassim (FIB)
18/07 – Benicassim (FIB)
19/07 – Benicassim (FIB)
20/07 – Milão
21/07 – Turim (Bruce)
22/07 – Genova
23/07 – Roma
24/07 – Roma
25/07 – Roma
26/07 – Berlim
27/07 – Berlim
28/07 – Berlim
29/07 – Aachen
30/07 – Aachen
31/07 – Bruxelas
01/08 – Bruxelas
02/08 – Bruxelas

Março 5, 2009   No Comments